Uma Igreja sem medo

Data de publicação: 16/07/2018


Por, Moisés Sbardelotto

“Prefiro uma Igreja acidentada, ferida e suja por ter saído pelas ruas, a uma Igreja doente pelo fechamento e pela comodidade de se agarrar às próprias seguranças”, papa Francisco..

O primeiro passo foi dado. Durante os cinco dias da visita apostólica do papa Francisco à Colômbia, entre os dias 6 e 10 de setembro passado, quase 7 milhões de pessoas, o total de participantes em todas as atividades papais, puderam viver momentos de esperança. Depois de mais de 50 anos de conflitos armados e de violência, o país passa atualmente por um processo de reconciliação nacional. O lema da visita foi justamente “Demos o primeiro passo”, um convite para que o povo colombiano encontre a paz e o perdão, nos passos daquilo que Jesus ensinou. Um exemplo e um sinal também para o clima de polarização e intolerância que vivemos no nosso País.
A visita à Colômbia foi a 20ª viagem do pontificado de Francisco. Antes dele, o país também havia sido visitado pelo Bem-aventurado Paulo VI, em 1968, e por São João Paulo II, em 1986. Logo ao chegar, Francisco lembrou seus antecessores, indicando as razões de sua viagem: “Assim como a eles, move-me o desejo de partilhar com meus irmãos colombianos o dom da fé, que se arraigou tão fortemente nestas terras, e a esperança que palpita no coração de todos. Só assim, com fé e esperança, é possível superar as inúmeras dificuldades do caminho e construir um país que seja pátria e casa para todos os colombianos”.

Acordo de paz – Nas quatro cidades visitadas – a capital Bogotá, Villavicencio, Medellín e Cartagena –, os gestos e os discursos de Francisco apontaram, principalmente, para a necessidade de que os cristãos tenham a coragem de dar um “primeiro passo” no caminho da reconciliação nacional. A reconciliação interna da Colômbia é um processo que decorre de uma longa história de violência entre o governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), o grupo guerrilheiro mais antigo da América Latina.
Ao longo de mais de cinco décadas, cerca de 200 mil colombianos foram mortos, e outros 6 milhões tiveram que migrar dentro do país para fugir da violência. Em dezembro do ano passado, foi assinado um acordo de paz entre as duas partes, pondo fim a esse meio século de enfrentamentos. O primeiro acordo de paz havia sido rejeitado em um plebiscito popular em outubro passado. Novas negociações geraram uma segunda versão, menos tolerante com os rebeldes, embora permitindo que estes pudessem formar um partido político, disputar eleições e ocupar cargos públicos. Assim, hoje, as Farc continuam existindo, mas com uma nova identidade, como partido político, a Força Alternativa Revolucionária do Comum. Os ex-guerrilheiros das ex-Farc entregaram a sua última arma às Nações Unidas em junho deste ano.
Esse foi o contexto com o qual Francisco se encontrou. No seu encontro com as autoridades civis, em Bogotá, o papa indicou que “a busca da paz é uma obra sempre em aberto, uma tarefa que não dá tréguas e exige o compromisso de todos. Uma obra que nos pede para não esmorecermos no esforço por construir a unidade da nação e persistirmos na labuta por favorecer a cultura do encontro que exige que, no centro de toda a ação política, social e econômica, se coloque a pessoa humana, a sua sublime dignidade e o respeito pelo bem comum”.

O Cristo partido – Em seguida, continuou: “Não esqueçamos que a desigualdade é a raiz dos males sociais. Nesta perspectiva, encorajo-os a deter o olhar em todos aqueles que hoje são excluídos e marginalizados pela sociedade, naqueles que não contam para a maioria, são desprezados e postos de lado. Todos somos necessários para criar e formar a sociedade. Esta não é feita apenas com alguns de ‘sangue puro’, mas com todos. E aqui está a grandeza e beleza de um país: no fato de todos terem lugar e todos serem importantes”.
Mas foi no Parque Las Malocas, em Villavicencio, que ocorreu o encontro que Francisco desejava com mais intensidade, como ele mesmo afirmou: o Encontro de Oração para a Reconciliação Nacional. Em seu discurso, o papa reconheceu: “Gostaria de chorar com vocês, gostaria que rezássemos juntos e nos perdoássemos – eu também tenho que pedir perdão – e que, assim, todos juntos, possamos olhar em frente e caminhar com fé e esperança”. E, como dissera Francisco aos bispos dirigentes do Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam), “o coração latino-americano foi treinado para a esperança”. E citou um verso de uma música do cantor e compositor brasileiro João Bosco: “A esperança é equilibrista; dança na corda bamba de sombrinha”. Segundo o papa, essa frase lembra que “o nosso povo aprendeu que nenhuma desilusão é suficiente para curvá-lo. Ele segue Cristo flagelado e manso, e permanece na esperança da sua vitória”.
O símbolo dessa esperança sempre viva foi a imagem do Crucificado de Bojayá, um crucifixo que, no dia 2 de maio de 2002, presenciou e sofreu o massacre de dezenas de pessoas que se refugiaram na igreja dessa localidade, devido à explosão de uma bomba. Quase 80 pessoas foram mortas. No chão, junto com as vítimas, ficou a imagem de Cristo, desprendido da cruz, sem os braços nem as pernas. Um “Cristo mutilado”, trazendo as marcas da guerra civil. A comunidade de Bojayá restaurou a escultura, deixando evidentes os sinais do ataque, para que esse gesto nunca fosse esquecido. Uma imagem, como afirmou Francisco, com um “forte valor simbólico e espiritual”.
“Ao fixá-la” – disse – “contemplamos não só o que aconteceu naquele dia, mas também tanto sofrimento, tanta morte, tantas vidas destroçadas e tanto sangue derramado na Colômbia nas últimas décadas. Ver Cristo assim, mutilado e ferido, interpela-nos. Não tem braços, e o seu corpo já não está inteiro, mas conserva o seu rosto e, com ele, olha-nos e ama-nos. Cristo partido e amputado, para nós, ainda é ‘mais Cristo’, porque nos mostra uma vez mais que Ele veio para sofrer pelo seu povo e com o seu povo, e também para nos ensinar que o ódio não tem a última palavra, que o amor é mais forte do que a morte e a violência”.
Nessa viagem, Francisco também sofreu uma pequena lesão no olho esquerdo, devido a uma freada brusca do papamóvel, quando ele se inclinava para cumprimentar uma criança. Como ele mesmo falou na Evangelii Gaudium, “prefiro uma Igreja acidentada, ferida e suja por ter saído pelas ruas a uma Igreja doente pelo fechamento e pela comodidade de se agarrar às próprias seguranças” (nº. 49). Em busca da reconciliação, do perdão, da esperança e da paz, todo esforço é válido e necessário. O caso brasileiro, especialmente diante das tensões políticas e sociais dos últimos meses, também pede esse “primeiro passo”.




Fonte: Fc edição 982, Outubro de 2017
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Liturgia da Palavra
Epifania do Senhor, reflexão da Liturgia da Palavra, 03 de janeiro de 2016 - Ano C
Natal de Jesus
Do jeito brasileiro, em poemas, olhar para o presépio de Jesus com os anjos, pastores e pobres
Liturgia da Palavra
Reflexão da Liturgia da Palavra, 20 de dezembro, 4ºDomingo do Advento
La Madrecita de Dios
A fé do povo latino-americano na Virgem de Guadalupe atravessa fronteiras e desafios
Liturgia da Palavra
Reflexão da Liturgia da Palavra, 13 de dezembro, 3ºDomingo do Advento
Início Anterior 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados