Liturgia da Palavra

Data de publicação: 10/08/2018

19º Domingo do Tempo Comum
Ano B –12 de agosto de 2018

1Rs 19,4-8 – Levanta-te e come que o caminho é longo.
Sl 33 (34) – Provai e vede quão suave é o Senhor.
Ef 4,30 – 5,2 – Não entristecer o Espírito.
Jo 6,41-51 – Quem comer deste Pão viverá eternamente.

Alimento novo para a caminhada

1. O povo raciocina a partir do seu meio ambiente e de sua experiência de vida. Sabia o que era se alimentar e sabia também o que era comer carne de animais sacrificados tanto no Templo de Jerusalém quanto nos templos dos pagãos. Não entendia, porém, quando Jesus dizia que Ele era o pão vivo descido do céu e que esse pão é a sua carne dada para a vida do mundo. Eles sabiam quem era Jesus, conheciam sua família. Como então podia Ele dizer que tinha descido do céu? O povo não estava errado em seus questionamentos, e Jesus estava certo no que dizia ao povo. Hoje podemos entender que Jesus entregou a sua vida em sacrifício pela humanidade, para que todos tenham vida e vida em abundância. Quem comia a carne do animal sacrificado no Templo participava do sacrifício. Comer a carne de Cristo significa em primeiro lugar se unir a Ele e com Ele oferecer a própria vida em sacrifício. “Completar o que falta em nós da Paixão de Jesus Cristo.”
2. O Livro dos Reis nos conta a história do profeta Elias, desfalecido no deserto, que ouviu o anjo dizer-lhe: “Levanta-te e come, que o caminho é longo”. O anjo lhe ofereceu um pão e um jarro de água. Assim alimentado, Elias caminhou quarenta dias e quarenta noites até chegar ao Horeb, o monte de Deus. Essa leitura nos faz pensar nas palavras de Jesus: “Quem comer deste pão – que é Ele mesmo – viverá eternamente. Jesus é o alimento que nos dá força para caminhar até o monte de Deus, até onde Deus quiser! No dia 5 de maio último fez um ano do falecimento da irmã Miria Kolling. Ela nos deixou este canto que nos ajuda a meditar em companhia de Elias e de Jesus. “Quando te domina o cansaço e já não puderes dar um passo, quando o bem ao mal ceder, e tua vida não quiser ver um novo amanhecer: Levanta-te e come! Que o caminho é longo! Eu sou teu alimento, ó caminheiro! Eu sou o pão da vida verdadeiro! Te faço caminhar, vale e monte atravessar, pela Eucaristia! Quando te perderes no deserto e a morte então sentires perto, sem mais forças pra subir, sem coragem de assumir o que Deus de ti pedir. Quando a dor, o medo, a incerteza, tentam apagar tua chama acesa e tirar do coração a alegria e a paixão de lutar não ser em vão. Quando não achares o caminho, triste e abatido, vais sozinho, o olhar sem brilho e luz, sob o peso de tua cruz, que a lugar nenhum conduz: Levanta-te e come! Que o caminho é longo!”. Parece que não estamos indo para lugar nenhum. Na realidade, estamos nos aproximando do monte de Deus, o Horeb.
3. O pão e o vinho se tornam Eucaristia, o corpo e o sangue, “pelas palavras de Cristo e pela invocação do Espírito Santo”. A presença eucarística não é física, é sacramental e real. É obra do Espírito, o mesmo que deu início à encarnação do Verbo no seio de Maria. Quando recebemos a comunhão, o Espírito deve se manifestar numa explosão de amor. Estará entristecido se não encontrar canais de manifestação em nós. Não entristeçam, portanto, o Espírito Santo. Quem recebe a comunhão está marcado com um selo para o dia da libertação. Nele e nela não há amargura, irritação, cólera, gritaria, injúrias, qualquer tipo de maldade. Quem participa no altar do corpo e do sangue de Cristo Jesus é bondoso, compassivo e sabe perdoar.




Leituras e Salmos (13 a 18 de agosto)

2ªf.: Ez 1,2-5.24-28c; Sl 148; Mt 17,22-27.
3ªf.: Ez 2,8–3,4; Sl 118 (119); Mt 18,1-5.10.12-14.
4ªf.: Ez 9,1-7;10,18-22; Sl 112 (113); Mt 18,15-20.
5ªf.: Ez 12,1-12; Sl 77 (78); Mt 18,21–19,1.
6ªf.: Ez 16,1-15.60.63; Cânt:. Is 12,2-6; Mt 19,3-12.
Sáb.: Ez 18,1-10.13b.30-32; Sl 50 (51); Mt 19,13-15.





Fonte: Fc edição 991, Julho de 2018
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

O caranguejo e a raposa
A fábula "O caranguejo e a raposa" foi escrita há muito tempo por Esopo e gera discussões sobre consumismo
O rato, o pássaro e a linguiça
A história O rato, o pássaro e a linguiça foi escrita há muito tempo pelos irmãos Grimm.
Fábula do porco-espinho
Nem sempre é fácil se relacionar bem. Um bom convívio não é aquele que une as pessoas perfeitas, mas aquele em que cada um aprende a conviver respeitando o outro.
Oração dos cardeais brasileiros
As orações dos cardeais brasileiros, Odilo Pedro Scherer e Raymundo Damasceno, antes de entrarem em Conclave
As cinco ervilhas
Em uma vagem verde, viviam cinco ervilhas. A vagem e as ervilhas foram crescendo e ficando amarelas. Mas logo elas acabaram dentro da jaqueta de um homem.
Início Anterior 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados