Liturgia da Palavra

Data de publicação: 13/09/2018

24º Domingo do Tempo Comum
Ano B – 16 de setembro de 2018
Is 50,5-9a – Ofereci as costas para me baterem.
Sl 114 (115) – Prendiam-me as cordas da morte.
Tg 2,14-18 – E, por minhas obras, te mostrarei minha fé.
Mc 8,27-35 – Por causa de Cristo e do Evangelho vai salvar sua vida.

Por causa de Cristo e de seu Evangelho

1. Isaías – Deus abriu os ouvidos de seu Servo para que ele escutasse. O Servo não se opôs nem foi embora. Aguentou firme e aceitou todos os maus-tratos. Ele não se deixou abater porque sabe que Deus é o seu defensor. Sabe que não sairá humilhado.
2. Salmo – Eu amo o Senhor porque Ele escuta o grito da minha oração. Eu amo o Senhor porque Ele me escuta. Por maiores que sejam os problemas que me trazem angústia e tristeza, o Senhor me defende e me salva. Um dia estarei definitivamente junto dele na terra dos vivos.
3. Tiago – A fé não é questão de palavras. Não basta dizer “eu tenho fé”. É preciso mostrar. São Tiago não nega a primazia da fé, nem que a salvação venha pela fé. O que ele ensina é que a fé se torna visível nas obras que fazemos. Não é a obra que salva. Ela dá autenticidade à fé que temos. Assim como a oração. Rezamos, falamos com Deus, e a intimidade de nossa vida com Ele se vê na prática da caridade. A oração ritual, litúrgica, com muitas expressões sensíveis, recebe sua autenticidade no modo como nos tratamos uns aos outros.
4. Marcos – Jesus é o Servo Sofredor de Isaías. Vai sofrer, vai ser rejeitado, vai morrer e depois ressuscitar. Pedro não gostou do que ouviu. Puxou Jesus de lado e o repreendeu. Pedro não queria que seu Mestre sofresse, e ao mesmo tempo não queria ter se enganado quando decidiu deixar tudo e seguir Jesus. O fracasso de Jesus seria o seu fracasso também. Jesus reage. Manda que Pedro se afaste e o chama de Satanás, porque ele não estava pensando como Deus e sim como os homens. O pensamento de Pedro era mundano e diabólico. Ele estava se colocando ao lado do demônio, por isso Jesus o chama de Satanás. Esta passagem é do Evangelho de Marcos e desde o início Marcos mostra Jesus em oposição ao poder do demônio. Seus discípulos também deverão enfrentar o poder demoníaco, que domina o ser humano, tira-lhe a dignidade e o escraviza. Não querer que Jesus fosse rejeitado pelos escribas Mestres da Lei era se pôr do lado deles.
5. Jesus tinha perguntado aos discípulos o que as pessoas diziam a respeito dele, o que achavam de Jesus. Vieram as respostas, e então Jesus lhes perguntou: “E vocês, quem dizem que eu sou?”.  Pedro, então, respondeu com firmeza: “Tu és o Messias”. Pedro agora tem que aprender o significado real do que ele acaba de dizer. O que significa para Pedro que Jesus é o Messias? Tudo, menos o Servo Sofredor. Nem Pedro nem nós inventamos Jesus. Podemos aceitá-lo ou rejeitá-lo, mas não podemos falsificá-lo. Para mostrar a fé que nele temos, que o aceitamos de verdade assim como Ele é, precisamos renunciar a nós mesmos, tomar a nossa cruz e perder a própria vida por causa de Cristo e de seu Evangelho. “Por causa de Cristo e de seu Evangelho”, aí está um lema para o brasão do nosso projeto de vida. Vivendo unicamente por causa de Cristo e de seu Evangelho, a comunidade dos seguidores de Jesus passa a ter sentido neste mundo. É esse o significado de nossa existência cristã no mundo. Temos que perder a nossa vida para salvá-la. A nossa vida não terá nenhum sentido se não for o reflexo de algo que é mais e maior do que ela. Quem renuncia a si mesmo torna-se livre e, uma vez sem amarras, carrega melhor a própria cruz.

Leituras e Salmos
(17 a 22 de setembro)
2ªf.: 1Cor 11,17-26.33; Sl 39 (40); Lc 7,1-10.
3ªf.: 1Cor 12,12-14.27-31a; Sl 99 (100); Lc 7,11-17.
4ªf.: 1Cor 12,31–13,1-13; Sl 32 (33); Lc 7,31-35.
5ªf.: 1Cor 15,1-11; Sl 117 (118); Lc 7,36-50.
6ªf.: Ef 4,1-7.11-13; Sl 18 (19); Mt 9,9-13.
Sáb.: 1Cor 15,35-37.42-49; Sl 55 (56); Lc 8,4-15.




Fonte: Fc edição 992, Agosto de 2018
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Liturgia da Palavra
23 de setembro de 2018 - 25º Domingo do Tempo Comum - Ano B – Liturgia da Palavra
Fé na paz
Quem diz matar em nome de Deus nunca, na verdade, o conheceu nem tem consideração por suas criaturas
Liturgia da Palavra
9 de setembro de 2018 - 23º Domingo do Tempo Comum - Ano B – Liturgia da Palavra
A Igreja é feminina
A questão do papel da mulher na Igreja “não é feminismo, é direito!
Liturgia da Palavra
2 de setembro de 2018 - 22º Domingo do Tempo Comum - Ano B – Liturgia da Palavra
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados