Unidos pela paz

Data de publicação: 13/09/2018


Por, Gaetano Brancati Luigi   
                        
A semente brotou na infância, no seio da família, marcada pelo sofrimento de uma guerra mundial

Com o objetivo de encontrar e propor caminhos de superação da violência, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) indicou para a Campanha da Fraternidade (CF) de 2018 a promoção da cultura da paz.
Para falar de cultura da paz, o idealizador do Marco da Paz, Gaetano Brancati Luigi, nascido na Itália, mas brasileiro de coração, descreve sua história de vida, sempre acompanhada pelo desejo de fazer alguma coisa concreta em favor da paz. A seguir, a sua narrativa.

“Eu era menino, tinha oito anos, quando meu pai foi chamado para lutar na Segunda Guerra Mundial. Nasci nesse período de sofrimento, fome e medo. Medo de crescer e ter que ir para a guerra. Entre as crianças imperavam o medo e a fome, partilhávamos fatias de pão que nossas mães faziam com extrema dificuldade. Isso marcou minha vida e se tornou um aprendizado tão forte que desde então eu coloquei em minha mente a ideia de fazer alguma coisa pela paz.
 
Importância da cultura da paz – Em 1945, todos os sinos tocaram, eu era criança. Assustado pela experiência da guerra, tinha medo de olhar o que estava acontecendo e, então, fui surpreendido por lençóis brancos nas janelas e o grito da paz. Cheios de alegria, corremos todos para a praça, enquanto o badalar dos sinos anunciava o fim da guerra e a chegada da paz, da esperança. Desde aquele momento o menino de oito anos colocou uma ideia na mente: ‘Um dia fazer algo pela paz’. A semente brotou na infância, no seio da família, marcada pelo sofrimento de uma guerra mundial. Mas, o amor de meus pais, o exemplo deles, fortaleceu o sonho. Procurei sempre construir, ser solução, não problema. Deus me concedeu essa missão, mas foi uma doação da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), que tornou meu sonho possível. Essa história me deixa muito grato a Deus porque o mundo abraçou a luz que nasceu da alma de um menino. O Marco da Paz é um monumento único no gênero. Foi criado, entre outras coisas, para inspirar na humanidade a importância da cultura da paz, para que, nas futuras gerações, ela seja realidade.
Quando minha família migrou para a América, fomos primeiro para a Argentina, depois para São Paulo (SP), no bairro da Lapa, onde tínhamos um atelier de alfaiate. Foi lá que entrei para o Clube de Lojistas. Eu era muito dedicado no bairro da Lapa, e a Associação Comercial me convidou para fazer parte desta família, a associação é uma família, e me deu oportunidade de ir e vir pelo Pateo do Collegio.
Somente no fim de 1999 eu notei a ausência do toque do sino na igreja do Pateo do Collegio, onde nasceu a cidade de São Paulo. Prestei atenção, e ficou comprovado que não havia sino naquela igreja. Perguntei: ‘por que não tocava o sino?’. O padre respondeu que tinha sido roubado havia 16 anos. Mas por que somente eu notei a ausência do sino? Por que nunca se apagou da minha mente o toque, em 1945, anunciando a paz no mundo. No ano 2000, na hora de colocar o sino na torre da igreja, na luz do raio do sol, nasce em minha mente o Marco da Paz. Por isso, ele é família. Porque a família é a luz maior que Deus concedeu ao ser humano. Devemos despertar e nos dar as mãos para recuperar a família.

Esperança de um mundo melhor – A relação com os pais, os valores de família, como o respeito, o amor, a união, o diálogo, faz toda a diferença, sobretudo nos jovens. Falar do que acontece no dia a dia de cada um, sentados ao redor da mesa. Uma família que nunca vê os filhos sentados em volta da mesa é tomada pela tristeza. Hoje ninguém ouve ninguém, não tem mais diálogo, troca de ideias, não temos tempo para nos escutar. Estamos correndo demais e nos escutando muito pouco. Então, a esperança de um mundo melhor, de paz, de harmonia, não é praticada, não nasce. Esquecer aquilo que nos engrandece como seres humanos: primeiramente ser bom filho, para depois conseguir um espaço e construir uma família novamente. Família e escola devem caminhar de mãos dadas porque as duas constroem o amanhã, com qualidade ou não. Mas a velocidade comprometeu o ser humano, a família, o jovem, a escola, comprometeu tudo. São minoria aqueles que pregam o amor, defendem esses valores. A presença da religião na cultura é muito importante, e todas merecem respeito, mas hoje não existe respeito. As culturas unidas fazem o milagre da vida. É difícil, mas nunca devemos parar de sonhar.

Vida com qualidade – Quando você reconhece o valor do próximo, você o compromete a continuar no lado do bem. O jovem é uma vítima dessa sociedade que está levando as pessoas para o mal. Confundem a mente dos jovens que acabam em tragédias: matar ou se matar. É fundamental despertar o jovem para tomar consciência que tem pai e mãe, que tem família. É aí que o ser humano se fortalece para não se comprometer com a fraqueza que o rodeia.
Os governantes do mundo têm que parar de medir forças e somar inteligência; para que a paz se torne realidade, para recuperar a presença do amor entre as pessoas, o respeito, e fortalecer a fé, que é a luz de nossa vida.  Os governantes têm que parar de se perder na vaidade do espelho, no brilho do ouro e cultivar o brilho da alma. Nossa vida é um tempo curto, e só pode se tornar longa na prática do bem, na doação, no ser irmão, ser amigo, bom filho, sem se esquecer de Deus em seu coração. Uma vida com qualidade, com prazer, alonga esse momento de cada um, que não é tão longo. Despertar para tornar realidade um novo tempo. Palavras curtas, mas cheias de luz, como é a paz, a fé, o amor, a família, o perdão, nos fortalecem. Deveríamos encher tudo de luz. Por isso, peço a Deus que acordemos para salvar o amanhã e fortalecer a esperança da paz no seio da humanidade.
O Marco da Paz quer despertar também nas escolas a cultura da paz. Em 2002, inauguramos essa iniciativa no México. Começamos nas escolas um trabalho de cultura da paz premiando os melhores trabalhos. E já estamos nas escolas da Itália, do Uruguai, da Argentina e outros países.
A ACSP, com suas 15 distritais, em comemoração ao Marco da Paz, todo o dia 30 de março, escolhe uma família que luta pelo bem da comunidade, para ser homenageada. Cada distrital homenageia também um jovem e uma jovem como mensageiros da paz. Assim, no reconhecimento, queremos fortalecer e afirmar as qualidades da família e do jovem.
Já estamos em muitos países e queremos chegar aos quatro cantos do planeta. O único monumento estrangeiro em território chinês é o Marco da Paz, inaugurado em 2008. Na Rússia vai ser em 2018 na cidade de São Petersburgo. É uma proposta inter-religiosa, não tem cor, política nem religião. Representa a prioridade humana que é a convivência pacífica. No Brasil, o próximo Marco da Paz será em Chapecó (SC em homenagem às famílias que enfrentaram essa dor que marcou o coração do mundo. Devemos nos unir para fortalecer nossas palavras quando são de respeito e amor ao próximo. Respeitar, apoiar e colaborar para superar a violência e construir a paz.”





Fonte: Fc edição 989, Maio de 2018
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

O criador dos Hobbits
Ele criou um universo de fantasia que encanta até hoje. John Ronald Reuel Tolkien
Passado brasileiro
Escavações arqueológicas no Rio de Janeiro revelam que a cidade é mais do que praias e belezas
Sri Lanka, uma gota
Um dos países mais inusitados do planeta se situa ao sul da Índia, tem forma de lágrima
Roteiro das uvas
A cidade de São Roque (SP) encanta pelo clima familiar, ótimos restaurantes e a produção de vinhos
Paulo, Apóstolo de Cristo
O filme nos fornece informações sobre a vida de Paulo, este homem apaixonado por Deus e seu Reino
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados