Esperar com fé

Data de publicação: 09/11/2018


Por, André Kawahala e Rita Massarico Kawahala
Esperar com fé

Assim, a esperança no casamento está em crer que a outra pessoa pode se tornar melhor a cada dia, na mesma medida como se acredita em si mesmo(a)

Há quem espera muito de tudo e de todos. Espera-se desde um dia sem problemas, até ganhar na loteria. E deposita-se toda a fé na mudança de vida e na solução dos problemas, nas soluções perfeitas geradas pela vontade. E assim também acontece com o relacionamento a dois. Da idealização do par perfeito à construção do cotidiano conjugal ideal, em geral são criadas muitas expectativas baseadas somente nas qualidades da outra pessoa, ignorando, muitas vezes quase completamente, que ela é falha e possui defeitos em quantidade, talvez acima do que se poderia aceitar ou suportar. Dessa forma, no decorrer da vida conjugal, o Matrimônio será colocado em risco todas as vezes que o esperado superar a realidade durante as crises que normalmente acontecem na vida do casal. Mas que tipo de esperança pode construir um relacionamento forte e que possa durar para toda a vida?

O que somos e queremos – A vida pessoal é cheia de contratempos. Desde o nascimento, enfrentam-se problemas e dificuldades. Alguns parecem tão desproporcionais à força física, mental e emocional da pessoa. Em um mundo regido pelo egoísmo, pelo individualismo, pela competição e pelo consumo, nada é mais frustrante que buscar e não encontrar, desejar e não conseguir, sofrer sem motivo aparente e, pior, “chegar lá” e não ter recompensa que satisfaça. Antes de pensar no relacionamento a dois, é preciso perceber que a caminhada enfrentada sozinho(a) tem dificuldades. Preparar-se para ela é uma exigência de nossos dias. Saber quais são as próprias forças e fraquezas de maneira consciente, sem enganações e dissimulações, ajuda a crescer e vencer os obstáculos.
Nesse processo é primordial também saber quais objetivos se tem e que planos alternativos poderão ser adotados, caso algo não saia como pensado. E, imprescindível, é contar com o metafísico, ou seja, com a força além das forças. E, nesse caso, é sem igual a presença de Deus através da fé. Muitos renegam o imprescindível e caminham. Uma quantidade maior conta com Ele e caminha da mesma forma. Porém, há que se dizer: com a fé em Deus, aceitar o inaceitável não faz perder a esperança, mas fortalece e abre novos caminhos. “Alegres na esperança, perseverantes na aflição, assíduos na oração”, disse Paulo apóstolo aos romanos, capítulos 12, versículo 12.

A alegria na esperança – “Por outro lado, é perceptível que um desafio da Pastoral Familiar é ajudar a descobrir que o Matrimônio não se pode entender como algo acabado. (...) O olhar volta-se para o futuro, que é preciso construir dia a dia com a graça de Deus e, por isso mesmo, não se pretende do cônjuge que seja perfeito. É preciso pôr de lado as ilusões e aceitá-lo como é: inacabado, chamado a crescer, em caminho” (cf. Amoris Laetitia, 21) com essas palavras, papa Francisco oferece um valioso conselho. Se se consegue encontrar a esperança na vida pessoal, ainda que o cônjuge seja incompleto, imperfeito, ao fazer um pacto de vida com uma outra pessoa, que é importante e para quem se dirige o amor, é preciso vê-la com os mesmos olhos com que se fez a auto-observação. Não se pode usar uma medida para si e outra para o outro! Assim, a esperança no casamento está em crer que a outra pessoa pode se tornar melhor a cada dia, na mesma medida como se acredita em si mesmo(a). Ainda nesse mesmo parágrafo, o papa diz: “Quando o olhar sobre o cônjuge é constantemente crítico, isto indica que o Matrimônio não foi assumido também como um projeto a construir juntos, com paciência, compreensão, tolerância e generosidade”. Uma verdade incontestável!
O caminho a dois deve ser construído na alegria de ver o outro como aquela pessoa que tem muitas possibilidades e potenciais. Entrar na intimidade do outro não quer dizer somente o conhecimento sexual, significado que a sociedade aliou a esse conceito, mas quer dizer perscrutar interiormente o outro e, com amor e ternura, extrair dele seus desejos e sonhos mais profundos, conhecer seus medos e fraquezas, para, então, oferecer o que se pode e esperar o que se deve. E a dinâmica do relacionamento não para por aí: ao oferecer-se espera a reciprocidade. O outro deve ser grato e feliz pelo que recebe e deve desejar dar em dobro. Nisso é válido o que ensinou Jesus: “Portanto, tudo aquilo que quereis que os homens vos façam, fazei-o vós a eles” (Mt 7,12a).
Há em cada pessoa um desejo de Céu. Essa é a esperança pessoal que deve, no conjugal, levar a um engrandecimento da outra pessoa. Grandeza essa que não significa fazer dela a pessoa mais importante do casamento, mas em fazer com que ela compreenda quão grande é a contribuição dela para o apogeu do casal. E esse apogeu é chegar juntos à meta do Céu.
E sobre isso também orientou o papa Francisco na Amoris Laetitia, 117: “Aquela pessoa, com todas as suas fraquezas, é chamada à plenitude do Céu: lá, completamente transformada pela ressurreição de Cristo, cessarão de existir as suas fraquezas, trevas e patologias; lá, o verdadeiro ser daquela pessoa resplandecerá com toda a sua potência de bem e beleza”. Se se espera que Deus possa nos reconhecer dignos da Vida Eterna, então se espera que Ele reconheça também o cônjuge com a mesma dignidade. E, então, a esperança terrena se tornará Vida sem fim, alimentada sempre pela esperança de uma eternidade juntos, no amor de Deus. E, se você crê neste Deus, tem a força para alcançar essa esperança.







Fonte: Fc edição 985, janeiro de 2018
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

A música fez uma família
Eles se conheceram em um grupo de oração e decidiram apostar juntos a serviço da evangelização
Ler a vida
Cirlene e José, dois baianos que criaram em Guarulhos (SP) um jeito de viver bem com os filhos
Família na estrada
Famílias que moram em lares incomuns, possuem espírito aventureiro, fizeram da estrada a casa
Casal WhatsApp?
Para um casamento duradouro é preciso haver a passagem da fragilidade para uma relação duradoura
Os dez mandamentos
Escritos por Deus nos corações, os princípios bíblicos de justiça e amor imprimem retidão ao humano
Início Anterior 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados