Liturgia da Palavra

Data de publicação: 22/11/2018

34º Domingo do Tempo Comum
Ano B – 25 de novembro de 2018

Cristo rei

Dn 7,13-14 - Seu poder é um poder eterno, que não lhe será tirado.
Sl 92 (93) – O Senhor é rei. De majestade se vestiu. Revestiu-se de poder e esplendor.
Ap 1,5-8 - Jesus nos ama e por seu sangue nos libertou de nossos pecados.
Jo 18,33b-37 – “Para isto nasci e para isto vim a mundo:  para dar testemunho da verdade.

1. Celebrando a festa de Cristo, Rei do Universo, chegamos ao fim do ano litúrgico. Damos a Cristo este título porque o vemos como o Absoluto de nossa vida. Ele é o princípio e o fim de tudo, nele nos movemos, existimos e somos. A Ele entregamos a nossa vida, embora nem sempre tenhamos sido verdadeiramente fiéis. Agora estamos diante dele, que se senta em seu trono de glória, para julgar os vivos e os mortos. Assim dizemos no Credo: “Está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso, donde há de vir a julgar os vivos e os mortos” No Evangelho, Jesus mesmo afirma diante de Pilatos que Ele é rei, mas não como os reis deste mundo. O seu reino não é daqui, diz Jesus. Ele disse uma vez aos apóstolos que “aqueles que vemos governar as nações as dominam, e os seus grandes as tiranizam. Entre vós não será assim”. Como será então? Jesus responde: “Aquele que dentre vós quiser ser grande seja o vosso servidor; e aquele que quiser ser o primeiro dentre vós seja o servo de todos. Pois o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos” (Mc 10,44-45). Estamos então diante daquele que veio para prestar serviço, para nos ajudar e não para nos dominar e condenar. Podemos ter imensa confiança na compreensão e na bondade de Jesus que nos julga. Prudência e cautela devemos ter com aqueles que nos acusam. Na profecia de Zacarias se diz que o sumo sacerdote Josué estava diante do Anjo do Senhor, e à sua direita estava Satã, para acusá-lo (cf. Zc 3,1). No Apocalipse, realiza-se a realeza de Deus e de seu Cristo quando é expulso “o acusador de nossos irmãos, aquele que os acusava dia e noite diante de Deus” (Ap 12,10). Deus não é acusador nem atormentador. Ele nos dá tempo para uma verdadeira conversão.
2. O poder daquele que vem como um Filho de Homem é eterno e seu reino não lhe será tirado e não se dissolverá. Tentamos mudar e nos converter não por causa do medo das punições, e sim porque sabemos que Ele nos ama e que por seu sangue nos libertou dos nossos pecados. Ofereceu-nos formar um reino de sacerdotes para Deus seu Pai.
3. Não afirmamos e professamos a realeza de Cristo para distanciá-lo do mundo em que vivemos como se o mundo fosse mau, nem para colocá-lo acima das pessoas que não o têm como Messias e Salvador por serem elas inferiores. É exatamente o contrário. Dizemos que Cristo é Rei do Universo porque queremos que o mundo seja regido por seus princípios e queremos ser os construtores de um mundo novo e melhor. Por outro lado, sabemos que sem Ele nada podemos fazer e que tudo podemos nele que nos dá força. Afirmamos então, para o alimento de nossas convicções, que Jesus de Nazaré não é apenas o Messias Salvador esperado pelo povo de Israel, mas é antes e sobretudo o Verbo de Deus encarnado, a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade. Ele é Deus de Deus, luz da luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro. Por Ele todas as coisas foram feitas. Sem querermos nos impor a ninguém, afirmamos que todas as nações, com suas ideologias e expressões de fé, estarão diante dele e não de outro para o julgamento final. Mas não estarão diante de um tirano. Estarão diante do Bom Pastor, que veio para que todos tenham vida e a tenham em abundância.

Leituras e Salmos (26 de novembro a 1º de dezembro)
2ªf.: Ap 14,1-3.4b-5; Sl 23 (24); Lc 21,1-4.
3ªf.: Ap 14,14-19; Sl 95 (96); Lc 21,5-11.
4ªf.: Ap 15,1-4; Sl 97 (98); Lc 21,12-19.
5ªf.: Ap 18,1-2.21-23; 19,1-3.9a; Sl 99 (100); Lc 21,20-28.
6ªf.: Rm 10,9-18; Sl 18 (19); Mt 4,18-22.
Sáb.: Ap 22,1-7; Sl 94 (95); Lc 21,34-36.




Fonte: FC edição 994, outubro de 2018
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Marias, a fé no feminino
O primeiro longa-documentário da diretora Joana Mariani é um poema visual sobre a Mãe de Deus
Celibato e casamento
Não peçamos a Deus que nos tire os instintos ou que seque o rio que passa dentro de nós.
Liturgia da Palavra
Reflexão da Liturgia deste domingo, 12 de fevereiro de 2017 -6º Domingo do Tempo Comum, Ano A
Cardeal da Esperança
Dom Paulo Evaristo Arns parte, mas deixa um legado e exemplo de defesa de direitos humanos
Terra, teto e trabalho a todos
Uma mesma sede de justiça e um mesmo clamor: “terra, teto e trabalho para todos”.
Início Anterior 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados