Panorama

Data de publicação: 31/01/2019

Canindé, de Francisco de Assis e Dina Martins



A beleza de Canindé são as pessoas, a cultura, o povo, o que vem de fora ou aquele que nasceu ali e acolhe aqueles que vêm de tantos e mais variados lugares

Como cantava Luiz Gonzaga, “que bom, que bom que é, uma estrada e a lua branca no sertão de Canindé... coisas qui pra mode vê, o cristão que andá a pé”, o Rei do Baião já cantava em suas canções aquilo que Canindé tem de melhor e mais bonito, as pessoas.
Localizada no semiárido cearense, a quase 118 quilômetros da capital, Fortaleza, sendo o 12o município mais populoso do estado, com quase 77.500 habitantes, Canindé, a Assis Brasileira, ao mesmo tempo em que se esconde por detrás de sua pequenez, se mostra gigante pela fé de seus romeiros e romeiras.
Religiosidade e cotidianidade, duas palavras que se interligam se tornando mais do que uma relação histórica, uma relação de intimidade entre o povo nordestino e o Santo de Assis, que era rico e se fez pobre.
A cidade de Canindé, pequena e movida pela devoção, é um dos cartões-postais do estado do Ceará. E quem imagina cartões-postais pensa logo em grandes pontos turísticos e lugares de natureza exuberante capazes de encher os olhos de tanta beleza. Por isso, se alguém perguntar pelas belezas de Canindé, digo sem titubear: a beleza de Canindé são as pessoas, a cultura, o povo, o que vem de fora ou aquele que nasceu ali e acolhe aqueles que vêm de tantos e mais variados lugares.
Dona de um dos eventos religiosos mais antigos do Brasil, é nesta cidade que fica a maior estátua de São Francisco do mundo, medindo 30,25 metros. Ao seu redor é sempre comum encontrar aqueles que depois de visitar a Basílica de São Francisco e participar da Celebração Eucarística vêm fazer um registro fotográfico com o santo gigante que abraça a cidade.
E falando em basílica, esta é posterior à primeira capela construída de 1775 a 1796, conduzida pelo sargento-mor e membro da Ordem Terceira Franciscana, Francisco Xavier de Medeiros, a construção da capela é apenas em consequência da intensidade de peregrinações e romarias franciscanas que acontecem frequentemente desde 1758.
Nesta devoção entrelaçada de histórias, encontraremos famílias, nomes de pessoas importantes para o município e inclusive de Frades Franciscanos e Capuchinhos que ajudaram a introduzir ali as festas e os costumes originários da Ordem.
Protagonismo dos romeiros – Atualmente, no lugar da capela construída por Francisco de Medeiros existe desde 1888 uma basílica, fruto de reformas e novas construções encabeçadas pelos Frades Capuchinhos que permaneceram ali por 25 anos, dando ao lugar a organização e a suntuosidade que possui hoje. O lugar, munido de ambientes bem organizados, recebe mais de 2,5 milhões de romeiros todos os anos, com maior intensidade no período da festa de São Francisco das Chagas (como é conhecido ali), sempre de 24 de setembro a 4 de outubro, com alterações apenas em anos eleitorais.
É nesta época, lugar e data que acontece a maior romaria franciscana da América Latina. A segunda maior romaria franciscana do mundo. Durante todo o ano é possível conhecer vários dos espaços disponíveis para visitação:
●    A basílica: com horários diferentes de missa a partir das 5 até as 18 horas.
●    Casa dos Milagres (sala dos ex-votos), situada ao lado da basílica: onde se pode contemplar objetos – fotos, pinturas, peças que representam pedaços do corpo esculpidos em madeira ou cera, roupas, mechas de cabelos, exames médicos etc. – que expressam os gestos do povo que volta para manifestar sua gratidão pelas graças recebidas.
●    Complexo Confessional São Damião: ao lado da Sala dos Milagres, possui mais de 20 salas de confissão, capela de oração e a capela do Batismo.
●    Capela do Painel: Abriga a tradicional relíquia, o painel de São Francisco das Chagas, que só deixa a sala três vezes por ano, 2 de agosto (o dia do perdão de Assis), 17 de setembro (data em que São Francisco recebeu as chagas) e durante a festa de São Francisco, em outubro. Este painel, objeto de grande devoção, existe desde 1890. Em armação feita de madeira, transporta uma estampa italiana iluminada com velas e lamparinas. A relíquia é querida pelo povo, já passou por uma restauração e dura mais de 120 anos.
●    Gruta de Nossa Senhora de Lourdes: lugar especial de devoção mariana, onde é possível lavar algumas partes do corpo relembrando com a mesma fé a devoção de Lourdes, na França. Lembrando que a festa mariana de Canindé é uma das maiores e mais bonitas do estado.
●    Casa das Velas: espaço reservado para acender e depositar as velas trazidas pelos romeiros.
●    Complexo dos Romeiros: composto de um calçadão, o Museu de São Francisco, o Convento Santo Antônio, via-sacra.
●    Zoológico São Francisco: os romeiros costumavam trazer presentes para São Francisco durante as festas, grande parte dos presentes era animais silvestres que requeriam um cuidado especial, daí a criação do zoológico. Muitos animais são trazidos para reabilitação pelo próprio Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Ou seja, é um lugar de reabilitação para os animais, e um espaço de lazer para os visitantes. Funciona diariamente das 8 às 17 horas.

A grandeza de uma mulher – Mas, quando digo que em Canindé o que há de mais bonito são as pessoas, não me equivoco, pois ali, na Assis cearense, vive uma das figuras culturais mais respeitadas deste Brasil: a vaqueira aboiadeira Dina Martins.
Por ser rodeada de fazendas, fruto das sesmarias, método usado pelos colonizadores portugueses para dividir e povoar as terras ainda não produtivas, Canindé é conhecida por sua luta pela preservação da cultura do homem pobre que trabalha nas fazendas com o gado, os conhecidos vaqueiros.
Nas redondezas de Canindé o destino sempre era o mesmo, aos homens serem vaqueiros; e às mulheres serem da cozinha. Mas, entre as mulheres nascidas nesta terra houve uma que não queria saber de cozinha, contrariando a sina das mulheres do sertão, era a pequena Dina Martins, que aos sete anos já ajudava o seu pai a juntar o gado na fazenda Barra do Canção. E aos 14 anos Dina havia trocado a lida na cozinha para trabalhar vestida de “gibão” entranhada na mata reunindo o gado e lutando pelo cultivo da cultura sertaneja do seu povo.
Dina Martins cresceu, se tornou a Rainha dos Vaqueiros e é ainda hoje mulher de grandes influências entre as mulheres de Canindé. Cidadã e mulher de coragem, destemida e inovadora, na década de 1980 se tornou a primeira mulher do Brasil a fundar e presidir uma associação composta unicamente por homens, mais de 200: a Associação dos Vaqueiros, Boiadeiros e Pequenos Criadores de Canindé. 
Romeira e devota de São Francisco, foi participando da missa dos vaqueiros, nos festejos do santo, que ela recitou seus primeiros versos e se tornou figura importantíssima naquela tradicional missa que se tornaria parte do calendário oficial do estado do Ceará, graças à sua luta na articulação da Lei 14.520 de 8 de dezembro de 2009.
Foi Dona Dina que fundou o Grupo Musical A Rainha e Os Vaqueiros, grupo que ainda hoje se apresenta em festivais, centros culturais, inclusive tantas vezes, ao lado de figuras como Fagner e Luiz Gonzaga, o Rei do Baião, que Dina conheceu numa festa na Igreja de São Francisco e com quem certa vez pôde cantar seus aboios e tirar junto alguns versos.

Porta-vozes do povo – Dina já foi tema de documentário na Austrália, tema de cordel, canções e assunto de inúmeras entrevistas. Mas foi um dos mais importantes prêmios da cultura nacional que fez de Dina Martins, segundo dados, a segunda mulher mais influente da cultura brasileira. 
No ano de 2013, ela recebeu da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural, do Ministério da Cultura, o Prêmio Culturas Populares – Edição 100 Anos de Mazzaropi. Dentre mais de 170 projetos, o dela, que visa a preservação da cultura sertaneja, foi reconhecido como um dos mais importantes, dando a ela o título de Mestra da Cultura Popular. Este prêmio é entregue a pessoas que se destacam na preservação da cultura e práticas de expressões populares espalhadas pelo País.
E assim as histórias se entrelaçam, Dina, a menina pobre que deu vez e voz aos trabalhadores do sertão do Ceará, em Canindé... Francisco, o jovem que deu vez e voz aos pobres que conheceu e trouxe à tona uma espiritualidade que busca preservar o ser humano e a Terra, nossa Casa Comum, a natureza. Ambos obstinados a fazer valer a vida e a dignidade da pessoa humana. Ambos com desejo de ser mais a partir de uma vontade que vem de dentro, por vocação e por amor.
Ela devota dele, ele companheiro e intercessor dela, Dina e Francisco, os dois porta-vozes de um povo sofrido que ainda hoje busca ser aquilo que é, filhos e filhas de Deus.  E quem desejar conhecer essa mulher tão inspiradora, ouvir seus aboios e seus versos, ouvir seus cantos e suas prosas, é só ir a Canindé e participar da tradicional Missa dos Vaqueiros, onde ela continua hoje, desde a primeira, indo à frente ao lado do estandarte do Santo de Assis, que protege e ajuda o povo na labuta do dia a dia, seja no meio do gado, na cidade, na fazenda ou nas romarias.
E viva São Francisco, viva Canindé, viva Dina Martins, viva a cultura e a fé do nosso País.





Fonte: Revista FC - ed. 992 / Ago-18
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Viola, nossa viola
Antes utilizada na catequese indígena, hoje a viola caipira une arte, fé e tradição do sertanejo.
Casas do povo
“É um projeto de valorização da cultura do Nordeste. Os mercados simbolizam bem nossos costumes”.
Lugares incomuns
“É preciso ser um bom hoster, ter hospitalidade, e receber as pessoas com um serviço de qualidade”.
Bandas de Pífanos
“Eu faço pife, toco pife, vendo pife, como o dinheiro do pife e depois de velho fico pifado”.
Paisagismos e plantas
No Brasil, há uma mistura de estilos.No início da colonização,tanto a arquitetura como o paisagismo.
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados