O melhor alimento para o bebê

Data de publicação: 02/05/2019

Preparação e informação ainda durante a gravidez são cruciais para uma amamentação consciente e duradoura
O aleitamento materno é uma unanimidade mundial. Todos os profissionais de saúde reconhecem a amamentação como a principal fonte de alimento dos bebês. A Organização Mundial da Saúde (OMS), o Ministério da Saúde (MS) e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) recomendam a amamentação imediata após o nascimento e o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses de vida do bebê. No entanto, segundo dados da OMS de 2017, somente 38,6% dos bebês brasileiros se alimentam exclusivamente com o leite da mãe nos primeiros 5 meses de vida.
Muitos fatores influenciam nesse déficit: informações inadequadas, palpites que confundem as mulheres, falta de apoio, despreparo dos profissionais da área, legislação que não promove a licença maternidade de 180 dias (6 meses), ausência de locais para extração de leite no trabalho, cultura preconceituosa que discrimina a mulher que amamenta em público, marketing agressivo da indústria alimentícia, que quer vender fórmulas lácteas, introdução precoce de bicos, chupetas e mamadeiras, entre outros. “São muitas as causas, mas estas já nos dão razões suficientes para agir a fim de melhorar o panorama atual”, destaca o pediatra e homeopata doutor Moises Chencinski.
Só benefícios – Segundo a OMS, a amamentação é uma das formas mais eficazes de garantir a saúde e a sobrevivência dos recém-nascidos. Se toda criança fosse amamentada desde o nascimento até os 2 anos, mais de 800 mil vidas seriam salvas anualmente.
O leite materno é um alimento completo. Isso significa que, até os 6 meses, o bebê não precisa de nenhum outro alimento (chá, suco, água ou outro leite). Ele é de mais fácil digestão do que qualquer outro leite e funciona como uma vacina, pois é rico em anticorpos, protegendo a criança de muitas doenças como diarreia, infecções respiratórias, alergias, além de diminuir o risco de hipertensão, colesterol alto, diabetes e obesidade. A amamentação favorece um contato mais íntimo entre a mãe e o bebê. Sugar o peito é um excelente exercício para o desenvolvimento da face da criança, ajuda a ter dentes bonitos, a desenvolver a fala e a ter uma boa respiração. “O leite dos mamíferos é espécie-específico, ou seja, é produzido especialmente para cada espécie. Portanto, o leite humano tem o seu perfil proteico, lipídico e de carboidratos perfeitamente equilibrado para atender plenamente as necessidades dos bebês, promovendo um crescimento adequado e saudável”, explica a nutricionista Vanessa de Abreu Barbosa Fernandes, que divide com o doutor Moises Chencinski a autoria do livro É mamífero que fala, né?, da Paulinas Editora.
Dificuldade – Quando o assunto é aleitamento materno, logo vem à cabeça aquela bela imagem de uma mãe amamentando seu bebê em uma reconfortante poltrona, com um sorriso largo no rosto que transmite alegria e tranquilidade. O que ninguém conta é que não é sempre assim que funciona.
São 9 meses pensando, planejando e literalmente esperando a hora em que o bebê vai nascer. As mulheres estão cada vez mais buscando informações sobre como se preparar para o parto, mas poucas são as que se informam sobre a amamentação durante a gestação. Aquela impressão de que o aleitamento é algo simples, natural e constitui um talento que já nasce com as mulheres, vai por água a baixo logo nos primeiros dias do bebê em casa.
Foi exatamente o que aconteceu com a bancária Patricia Mejias de Jesus, mãe da Joana, de 9 meses, que só se deu conta do tanto de afazeres que teria que administrar na sua nova rotina de mãe, quando chegou em casa com a pequena nos braços. “Tive muita dificuldade com a amamentação nas primeiras semanas, não tinha informação sobre o assunto, não sabia que tinha que trocar de peito a cada mamada. Fiquei frustrada, sofri e precisei da ajuda de uma consultora para conseguir amamentar sem dor e da maneira correta”, explica.
Virando o jogo – Alguns eventos visam promover o aleitamento materno no Brasil e no mundo. Há mais de 25 anos, a primeira semana de agosto é dedicada à celebração da Semana Mundial de Aleitamento Materno e, aqui no Brasil, desde 2017, acontece o Agosto Dourado (veja boxe). Esse também é o propósito do livro do pediatra e da nutricionista: valorizar a amamentação e virar o jogo a favor do aumento dos índices de aleitamento materno. “Percebemos que atualmente estamos perdendo o vínculo familiar com a correria de cada dia, a contação de histórias está sendo substituída por tablets e celulares, e, por isso, temos índices de amamentação tão desanimadores. Escrevemos o livro par resgatar tudo isso que é tão importante ao desenvolvimento infantil. Elucidamos dúvidas e nos recolocamos como seres naturais, dentro de um mesmo grupo que tem uma grande necessidade em comum: o leite da nossa mãe”, explica Vanessa de Abreu.

Apoio – Compartilhar as dificuldades com o médico é essencial, e se inspirar nos exemplos de mães que já passaram por isso pode ajudar muito. Para o pediatra Moises Chencinski, o ideal é que, a partir da 32a semana de gestação, a futura mamãe consulte um pediatra para receber orientações sobre amamentação, além de escolher uma maternidade e um profissional que apoie e trabalhe a maior possibilidade de um parto normal. “Na maternidade, opte pelo alojamento conjunto (com o bebê no quarto), para desde cedo receber apoio, informação e iniciar esse vínculo importante. Procure um pediatra amigo da amamentação, que possa observar a mamada na primeira consulta e que, ouvindo e acolhendo suas dúvidas e seus anseios, oriente como agir de forma mais adequada, para prevenir problemas comuns como fissuras e mastites”, orienta o pediatra.
Depois de superar a fase difícil, a mamãe de primeira viagem, Patricia Mejias, teve sua licença-maternidade estendida e, na volta ao trabalho, contou com uma infraestrutura completa para bombear e armazenar o leite materno nas dependências da empresa. “Tudo isso foi essencial para o sucesso e a continuidade da amamentação. Gosto de compartilhar minha experiência para ajudar outras mães, e sempre falo para elas se informarem sobre o assunto ainda durante a gravidez. Valeu a pena não ter desistido; amamentar requer muita dedicação”, completa Patricia. Saiba que todo o esforço vale a pena para oferecer o melhor alimento do mundo para o seu bebê.
 
Para uma boa amamentação
• Os bebês não têm horário para mamar. Eles costumam mamar muitas vezes, de dia e de noite, principalmente nos primeiros meses. Nem todo choro do bebê é fome. Ele pode chorar porque está com frio ou calor, sentindo algum desconforto, com as fraldas sujas ou precisando de aconchego.
• É comum o bebê engolir ar enquanto mama. Por isso, quando ele terminar de mamar, é importante segurá-lo junto ao colo, em posição vertical, para que não sinta desconforto.
• O leite materno tem o sabor e o cheiro dos alimentos que a mãe come. Por isto, a criança que mama no peito aceita melhor os alimentos que serão introduzidos após os 6 meses.
• É muito importante que o bebê esvazie bem a mama, porque o leite do fim da mamada tem mais gordura e, por isso, mata a fome do bebê e faz com que ele ganhe mais peso.
• A cor do leite pode variar, mas ele nunca é fraco. O leite materno é sempre adequado para o desenvolvimento do bebê. Nos primeiros dias, a produção de leite é pequena, e este leite, que é chamado de colostro, tem alto valor nutritivo e é suficiente para atender as necessidades do bebê.
Fonte: Ministério da Saúde

Agosto dourado
Todo mundo já está habituado: o Outubro Rosa lembra a importância da prevenção do câncer de mama, o Novembro Azul chama a atenção para o câncer de próstata. Mas você já ouviu falar do Agosto Dourado? Instituído no Brasil em 2017, o mês de agosto celebra a amamentação, já que o dourado faz alusão à definição da OMS para o leite materno: alimento de ouro para a saúde dos bebês. A lei brasileira (n. 13.435) sugere que prédios públicos sejam iluminados com a cor dourada em homenagem à amamentação.





Fonte: Revista Família Cristã, edição 1001, Maio de 2019
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Medo do doutor?
Como ajudar as crianças a superarem o receio de consultas médicas e odontológicas.
Navegue com segurança
Viver no ambiente digital abre novos horizontes e possibilidades, mas requer cuidados
Hora do pesadelo
Pesadelos são ruins em qualquer idade, mas os pais ficam mais angustiados quando são seus filhos.
Viver bem dentro de casa
Uma família unida enfrenta e supera os desafios da vida com maior facilidade.
Música
Além de estimular o bom convívio social, aprender música ajuda a desenvolver a fala E a respiração.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados