Aids e comportamento

Data de publicação: 26/10/2012

Pe. Zezinho, scj

Aparentemente a urgência do prazer, da cama e da seringa acaba sendo mais importante do que a vida


Mulheres, crianças e adolescentes continuam sendo vítimas da Aids, os médicos chegam cada dia mais preocupados à conclusão de que a Aids só se cura com mudança de comportamento. Toxicômanos insistem em partilhar seringas, adolescentes insistem em confiar em parceiros que mal conhecem, esposas são infectadas por maridos infiéis.

O comportamento daquele taxista que abertamente admitia ir à prostituição duas vezes por semana revela esta faceta cruel do ser humano. Perguntado sobre a esposa, disse que não iria se segurar só por causa dela. Queria o seu prazer, já que ela estava velha e não lhe dava o que ele queria. Nenhum amor, nenhuma renúncia e, ainda por cima, a mentira que pode ser fatal. É equivalente a uma roleta-russa ou ao assassinato premeditado. Se ele morrer, morre ela. Ele morre se arriscando e ela, sem saber.

Muitos médicos são radicais. Advogam mais disciplina, mais renúncia, sexo fiel, e assim mesmo com os cuidados de quem confia desconfiando. Várias Igrejas são ainda mais radicais. Abstinência, cuidado permanente, camisinha sempre. E há os religiosos que nem camisinhas admitem. Aí complica, porque quando um dos membros do casal é fiel a Deus e à Igreja e por razão de fé não usa camisinha, mas o outro abusa dessa confiança e engana, a pessoa de fé corre o risco de morrer mártir. Não deixa de ser assassinato!

Assunto grave − Médicos, sacerdotes, psicólogos e assistentes sociais não encontram respostas. Passa pela renúncia. E há pessoas que não aceitam mudar, não mudam, insistem e quebram todas as regras de conduta. Para a Aids não existe nenhuma proteção senão a do indivíduo que cuida de si mesmo! A maioria não cuida.

A mudança de comportamento de quem está contaminado e de quem poderia se contaminar é o único jeito de controlar a Aids. Muitos drogados não aceitam, pessoas prostituídas nem sempre, seus “clientes” às vezes as forçam. E ainda existe a transfusão de sangue mal processado e mal controlado. O mundo não estava preparado para essa epidemia e continua não sabendo como impedir o seu avanço. Aparentemente a urgência do prazer, da cama e da seringa acaba sendo mais importante do que a vida!  O sexo agora pode matar. E é o que tem acontecido. 




Fonte: Família Cristã 923 - Nov/2012
Postado por: Administrador




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Saber calar e saber falar!
O silêncio é necessário e útil num relacionamento, quando tem o objetivo de ser pausa para o diálogo
Visões sobre o ser humano
Respeitar o diferente e aprofundar as convicções sobre a dignidade e o valor do ser humano
Segundas núpcias
“Famílias solidamente erguidas ajudam a passar pelas provocações sem arriscar a relação matrimonial"
Independência, até que ponto?
“Não dá para ser cristão de fato, sem assumir nossa interdependência com o planeta"
O incômodo divórcio
"Se o casal se amasse ao ponto do sacrifício, lutaria pelo seu casamento"
Início Anterior 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados