Celebrando o Crisma

Data de publicação: 06/02/2013

Frei Luiz Turra


A celebração da Confirmação é um momento de chegada de um caminho percorrido de espera e preparação. Porém, quanto melhor vivido e celebrado, mais poderá tornar-se um ponto de partida decisivo para a vivência da fé dos participantes. O ambiente, as ações, os agentes, a consciência do significado dos símbolos e ritos, tudo pode contribuir para a dignidade do momento.

Acenamos para as diversas ajudas

Ministros e agentes − Todas as pessoas que exercem funções e ministérios na celebração de confirmação, são chamadas a convergir com sua mente, coração e vontade no dinamismo do Mistério da Trindade que nos envolve a transforma. Se não houver uma mística, a celebração não passa de um teatro mal encenado.
Quem preside a celebração:

Bispo − O Ministro próprio da Confirmação é o Bispo. É ele, como sinal de unidade da Igreja local, que relaciona o momento ao dia de Pentecostes, onde os Apóstolos receberam a efusão do Espírito Santo. Ali inaugura-se a missão da Igreja e revela-se sua unidade no amor.

Além do Bispo − Caso a Diocese não tenha Bispo no momento, cabe ao administrador apostólico. Por verdadeira necessidade e em momentos de urgência, o Bispo pode delegar a alguns presbíteros a possibilidade de presidir a Confirmação. Em caso de perigo de morte os Párocos ou Vigários poderão ministrar o sacramento da Crisma.

Agentes da ação litúrgica − O comentarista, com brevidade, com algumas munições oportunas e mistagógicas, poderá ajudar a tecer o todo da celebração. Os leitores, após terem lido e relido, meditado e internalizado proclamarão a Palavra de Deus para que esta, ressoe nos ouvidos e no coração de todos. O Ministério da música e do canto não pode se confundir com um serviço de animação, mas com uma ação integrada e integradora no todo do Mistério celebrado.

Ritos e símbolos − Só o ser humano é capaz de transformar um gesto em rito e um objeto em símbolo. Na Confirmação integram-se ritos, símbolos e palavras para efetivar o acontecer do Sacramento do melhor modo humano e cristão.


Renovar as promessas do Batismo
− Terminada a homilia entra-se no rito específico da Confirmação. Renovam-se as promessas do Batismo para indicar a unidade entre Batismo e Confirmação e professar a fé como condição para celebrar o sacramento.

Imposição das mãos − É um gesto Bíblico com muitos significados. No caso da Confirmação, o Bispo suplica ao Pai que derrame o Espírito Santo com seus dons para que os crismandos sejam configurados a Cristo.

Unção do Crisma − Com o sinal-da-cruz, o Bispo, ou outro Ministro autorizado unge a fronte do Confirmando ao dizer: “(Nome do crismando) recebe, por este sinal, o Espírito Santo, o dom de Deus. Com o sinal-da-cruz e a unção com óleo perfumado, a pessoa confirmada é declarada propriedade do Senhor para sua missão: dar testemunho da verdade e ser, pelo bom odor das boas obras, fermento de santidade no mundo (Cf. Ritual da Confirmação espanhol, n.33).

Saudação final − O celebre “tapinha” do Bispo ao crismado, não quer ser outra coisa, a não ser um gesto carinhoso acompanhado da saudação: “A paz esteja contigo!” Afetiva e efetivamente o Crismado se vê integrado na comunidade-Igreja. Responde ao Ministro: “E contigo também!”

O crisma − É o sinal mais importante da Confirmação. O crisma (mirão) é uma mistura de azeite de oliva e bálsamo, consagrado pelo Bispo na Quinta feira Santa. É símbolo da graça e seus efeitos positivos e agradáveis a Deus e à Igreja.

O espaço da celebração − Sabemos como o espaço e sua configuração pode influenciar para uma celebração condizente, ou pode favorecer a dispersão. Quando a Confirmação é realizada num templo, tudo se torna mais favorável. Porém, quando, numa paróquia ou região necessita-se juntar um grande número de confirmandos, num mesmo local, buscam-se salões, ou Ginásios de esporte. Neste caso, uma equipe previamente escolhida poderá pensar e organizar o espaço, tornando-o o mais condizente possível segundo a dignidade do momento.

Geralmente, nas comunidades, a Confirmação acontece uma vez por ano. Sendo assim, este acontecimento poderá ser previsto em tempo; preparado com diligência, envolvendo pais, catequistas e outras pastorais. Conforme o empenho positivo na preparação e a intensidade festiva da celebração, os bons resultados poderão deixar marcas de um novo Pentecostes na vida dos cristãos. 

Perguntas

1. Porque o momento celebrativo pode ser um ponto de chegada e um ponto de partida?
2. O que mais se espera de quem atua na Celebração da Confirmação, para que seja participativa, digna e frutuosa?
3. Que elementos não podem faltar para uma verdadeira celebração de Crisma?



 




Fonte: Família Cristã
Postado por: Administrador




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

TOD à luz da escuta de Baco
Transtorno Opositivo Desafiador, conheça esta doença
Doenças autoimunes
Quando nosso sistema imunológico se desequilibra, entram em cena as doenças autoimunes
Você cuida bem da sua audição?
A saúde da nossa audição é também questão de bem-estar
Sinusite ou rinite?
Tanto a sinusite como a rinite são inflamações que afetam as mesmas regiões do corpo.
SAÚDE
A biotecnologia é uma ferramenta e, como tal, deve ser cuidadosamente examinada.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados