Vidas em canção

Data de publicação: 07/03/2013

No ano de 1995, padre Zezinho, scj, lança o álbum: Quando a gente encontra Deus. No verso desse trabalho, há o desenho de alguns jovens e abaixo intitulado: Cantores de Deus, é o começo de uma história

Por Juliana Laranjeira, Osnilda Lima e Paula Oliveira

Andréia Zanardi (foto) é paranaense da cidade de Co¬lorado, distante 488 quilômetros da capital, Curitiba. Nasceu no dia 15 de janeiro de 1982. Canta desde os oito anos. Tem dois CDs solo lançados. Sempre que pode vai a shows de outros artistas, ao teatro e gosta muito de caminhar no parque. Segundo Andréia, é uma forma de entrar em contato consigo mesma, ela completa oito anos de Cantores de Deus em 2012.

“Minha história com a música aconteceu de forma muito natural. Na adolescência, já trabalhava com a música popular, e fazia parte de movimentos na Igreja. Minha história no grupo começou em 2004, mas a amizade nasceu antes! Conheci Dalva e Karla em 2000 em um show do padre Zezinho. Com a saída de Luan e Vanessa, entrei no grupo. Hoje, a música católica é uma grande parte de mim; tem o poder de transformar, de converter, por isso, minha eterna paixão e entrega total por ela!”

“Por mais que sejam grandes as lutas, os desafios, é preciso ter a coragem de sonhar! A vida sem sonhos é uma vida sem vida. Que a capacidade de se reinventar seja concreta em sua vida.”
Andréia Zanardi



Dalva Tenório (foto) é paulista de Osasco, a 24 qui¬lômetros da capital, São Paulo. Nasceu no dia 20 de setembro de 1972 e foi criada em Pernambuco. Está há mais de 25 anos cantando, e no grupo Cantores de Deus completa 15 anos no ano 2012. Já trabalhou com renomados cantores da música tradicional nordestina, e desde criança trabalha em estúdios, em gravações. Conheceu o padre Zezinho, scj, no ano de 1994, quando foi convidada para cantar no álbum: Quando a gente encontra Deus, desde então não mais deixou de cantar a serviço do Evangelho. Participou em vários álbuns da área como solo e backing vocal.

“Desde cedo envolvi-me com a música, cantei por dois anos no projeto Asa Branca, de Dominguinhos, que resgatava a música de Luiz Gonzaga. Cantei ao lado de Osvaldinho do Acordeon, de grandes nomes da música popular e sempre trabalhei com gravações em São Paulo. A convite da Paulinas-Comep, gravei algumas faixas no LP/CD Quando a gente encontra Deus, de padre Zezinho, uma delas a canção Senhora e Rainha. Então, padre Zezinho me convidou para alguns shows e passei a integrar o grupo que cantava com ele. Foi esse mesmo grupo que lançou o primeiro CD: Em verso e em canção no ano de 1998. Nascia o primeiro trabalho do grupo Cantores de Deus.

Quando sobra tempo, fico em casa com minha fa¬mília. Gosto de ver filmes, ser esposa, ser mãe e fazer comidinha! (risos). Gosto de ver as pessoas alegres e de estar sempre pra cima, a vida passa rápido demais, então, prefiro não perder tempo com problemas e tristezas. Curto cada instante como se fosse o último!

 “Ser mulher é ser templo de Deus, é gerar vida, é transformar!”
Dalva Tenório


Karla Fioravante (foto) é paulista, nasceu no dia 13 julho de 1976 na cidade de Mirandópolis (SP), a 596 quilômetros da capital, São Paulo. Canta há mais de 20 anos. Em 2012, completa 15 anos de caminhada com o grupo Cantores de Deus. Além da música, trabalha como terapeuta, é formada em musicoterapia, psicanálise e especialista em psicopatologia.

Quando não está nos palcos, gosta de ler, ouvir música, malhar e escrever crônicas. Já trabalhou em direções de voz de cantores renomados da música católica e faz produções na área e backings vocal em vários CDs ca-tólicos. Conheceu o padre Zezinho, scj, desde a infância e seu objetivo sempre foi cantar evangelizando.
“Desde muito jovem eu já cantava nas paróquias da cidade onde nasci. Sempre tive o desejo de ir além. Até que um dia fui a um show do padre Zezinho e expus a ele meu desejo de evangelizar por meio da música. Passei a viajar com ele em 1997. Não foi fácil no iní¬cio, e, como todo trabalho, exigiu muita dedicação. É um exercício de fé perserverar naquilo que se almeja. Antes de seguir exclusivamente a trajetória com o gru¬po Cantores de Deus, eu estudava, trabalhava como digitadora e cantava nos fins de semana em barzinhos da região onde eu morava.”

 “Vamos viver sem nos acomodar. É preciso ter força para ir além quando o coração pedir e saber conquistar seu espaço com ternura e fé.”
Karla Fioravante


Uma história
− Lembranças, alegrias, tristezas, per¬das, conquistas e reconhecimento. Dalva Tenório, Suely Ferreira, Luan e Vanessa cada um com sua história se aproximaram de padre Zezinho, scj, começaram a viajar com ele, em seguida veio Karla Fioravante, que integrou o grupo e, a partir daí, se forma o grupo Cantores de Deus. Assim nasceu o grupo, sonhando evangelizar. Segundo seus integrantes, jamais se imaginou quanto o projeto tomaria conta de suas vidas. Esses jovens, unidos, gravaram o primeiro álbum em 1998: Em verso e em canção, com a versão em espanhol, En verso y en canción, com as turnês na Europa, Espanha e Portugal no ano de 1999. O segundo álbum, Iguais, em 2000. Na estrada, há três anos, o grupo em 2002 grava De olho no mundo. A partir de 2003, ele foi se reestrutu¬rando com a mudança de Luan e Vanessa para os EUA, onde deram continuidade à música católica. Integra o grupo Robson Júnior e, em 2004, com a saída de Suely Ferreira, entra para somar Andréia Zanardi.

Os quatro jovens, Dalva Tenório, Karla Fioravante, Andréia Zanardi e Robson Júnior gravaram em 2004 o álbum Nas ruas do país, apresentando assim a nova formação do Cantores de Deus. Nesse mesmo ano, eles receberam da gravadora Paulinas-Comep o Disco de Ouro Duplo pela vendagem dos álbuns Em verso e em canção e Iguais.

Em dezembro de 2006, o grupo perde Robson Júnior, vítima de câncer. As três integrantes, firmes ao sim da evangelização, por meio da música, permanecem fiéis àquilo que se propuseram. Em 2007, ao completar dez anos, o grupo brinda com o álbum Nossa história. Este conta com a participação dos ex-integrantes do grupo. São 14 músicas, as mais tocadas até então. Um momento forte de emoção e saudade foi a lembrança do saudoso Robson Júnior. O grupo o homenageia, colocando a gravação da sua voz na música Direito de viver. Para os cantores, a emoção de regravarem juntos foi muito forte. “Parece que nunca paramos de cantar juntos”, comenta Suely Ferreira. Vanessa arrisca a receita que mantém o grupo em plena atividade: “Amor, principal ingrediente do começo e de agora, e a entrega total ao que se faz!”.



Mulheres de Deus – Em 2009, o Cantores de Deus apresenta o trabalho inédito: Mulheres, com nova roupagem, novos ritmos… O trabalho retrata a fase atual do grupo, que bem poderia ser chamado de “Mulheres de Deus”, as meninas prosseguem com mensagem e proposta de evangelização pela música e lembram que a mulher atuante na Igreja e na sociedade tem seu lugar e merece homenagem. Mulheres traduz a realidade das cantoras e de tantas outras mulheres que sofrem e choram, mas, sem perder o sorriso, trabalham, estudam,enfrentam o mundo, enfim, vivem. Mulheres guer¬reiras, segundo as três ami¬gas. As cantoras pretendem, despretensiosamente, com uma temática mais secular, “envolver todas as cores para alcançar também outros corações”, explica Dalva.

Em setembro de 2011 mais uma conquista. Em um show no Teatro das Artes do Shopping Eldorado, em São Paulo, o grupo gravou o primeiro DVD da carreira, o qual traz o nome Mulheres. Elas quiseram registrar, juntamente com os fãs e participações especiais de artistas como padre Zezinho, scj, Ziza Fernandes, Walmir Alencar, Suely Façanha e Eliana Ribeiro, mais uma etapa na vida do grupo.

“A canção que dá nome ao álbum Mulheres fala bem sobre esse tema, mostra a mulher que vemos no cotidia-no, que procura conciliar vida pessoal e profissional com coragem e feminilidade”, salienta Karla. “Ainda nos deparamos com muitas histórias sofridas de mulheres que não têm voz nem vez. A desigualdade possui raiz profunda na história, mas ainda assim percebemos que as mulheres estão escrevendo sua história, sem perder sua essência. São fortes, mas sensíveis. Sofrem, mas não têm medo de se levantar e encaram tudo com garra! São mães, amigas, esposas”, enfatiza Andréia.

 Para Dalva Tenório, Andréia Zanardi e Karla Fioravante: o projeto Cantores de Deus tomou conta de suas vidas.





Reportagem publicada na edição de março de 2012 da Revista Família Crinstã impressa






Fonte: Família Cristã 915 - Mar/2012
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Cristãos no Oriente Médio
Patriarca Caldeu fala do Consistório sobre o Oriente Médio, dia 20 de outubro
Humanidade da Santa das Rosas
Theresinha revela a dimensão de sua humanidade à santidade
Um passo de cada vez
Os Passos de Anchieta é o trajeto da trilha que padre José de Anchieta percorria
Missão na Amazônia
A Igreja na Amazônia brasileira desde a colonização até os dias de hoje
Pan-Amazônia
Pesquisadores da Pan-Amazônia denunciam causas dos impactos socioambientais na região
Início Anterior 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados