Revista Família Cristã - Edição de Abril de 2013

Data de publicação: 27/03/2013

Papa Francisco
O sucessor de Pedro nos passos da simplicidade


Na terça-feira, 12 de março de 2013, 115 senhores vindos de vários cantos do mundo se encontraram e se fecharam na Capela Sistina, em Roma, para escolher o 266º sucessor de Pedro como Pastor da Igreja. Até que um nome fosse escolhido, ninguém entrava ou saía da Capela, a não ser para comer e dormir. Ninguém se comunicava com o mundo. Telefone, computador, rádio, TV e outros instrumentos ficaram de fora, mantendo a humanidade em suspense. Apenas uma interferência deveria ser permitida e, na verdade, aguardada: a do Espírito Santo. Mesmo porque não seriam portas ou janelas fechadas que haveriam de impedir sua manifestação. Pelas frestas, pela luz do sol de fim de inverno transparecendo pelos vidros, pelos sussurros a meia voz e, principalmente, pelas orações daqueles senhores ali reunidos, o Espírito Santo cedo ou tarde haveria de falar. Ninguém aqui de fora sabe ao certo como ele, de fato, falou e com quem falou e a forma que falou. Mas inspirou – é certo –, e isso nessas situações tão especiais é muito mais significativo do que falar.

Dizem alguns que o Espírito, caprichosamente, desta vez não veio direto dos céus para se encontrar com os homens trancados na pequena Capela. Por artes e engenhos que só Deus explicaria, antes o Espírito calçou sandálias ou mesmo – há quem garanta! – ficou descalço, respirou os ares de Assis e percorreu, sem pressa, os 130 quilômetros que separam Roma daquela pequena cidade. Dizem, também, que sangrou os pés com algumas pedras do caminho: a corrupção, a violência, a vaidade, a sede de poder e a falta de fé e de humildade dos homens. Dizem, ainda mais, que se comoveu com o que viu pela estrada: miséria, desamor, indiferença, a cultura da morte e a solidão de quem luta pela paz. E que, cansado e anônimo, circulou pela Praça de São Pedro, viu o rosto do povo, sentiu dor, frio, fome e – só aí – teria entrado na velha Capela. Então descansou um instante, olhou para todos aqueles senhores e teve muita pena deles. Tocou o coração de alguns que, então, acordaram para ver a pobreza de uma gruta que urge ser restaurada. Aí teria tomado, de novo, o caminho das ruas para se perder entre o povo, pois seu recado havia sido dado e – tomara – definitivamente entendido.


Destaques desta edição


ENTREVISTA
Geraldo José de Paiva

O poder das conspirações
O professor Geraldo José de Paiva explica porque boatos, versões e teorias conspiratórias costumam se seguir a fatos surpreendentes, como a renúncia de um papa.




ENTRE JOVENS
Os sonhos na rua

Sobrevivendo além do limite
Jovens em situação de rua mostram que trazem valores e sonham com uma vida nova.





FAMÍLIA
Todos por um

Os Guarani e suas tradições
O povo Guarani da Aldeia Itaty Terra Indígena Morro dos Cavalos não abre mão de preservar os costumes e a sua tradição.



EXPRESSÃO RELIGIOSA
Pelos sertões da fé

A Juazeiro de Padim Ciço
Capital nordestina da fé, Juazeiro do Norte (CE), atrai milhares de romeiros todos os anos e espera pela reabilitação canônica do Padre Cícero Romão Batista, Padim Ciço.



SETE PECADOS
Os vícios do coração

É possível renunciar a eles?
Paixões, desejos exacerbados, atitudes desordenadas, teólogos refletem sobre os sete pecados capitais.




PANORAMA
Arte figurativa

O barro de Pernambuco
Artesãos de Pernambuco fazem da arte figurativa a expressão do cotidiano nordestino.









Fonte: Família Cristã 928 - Abr/2013
Postado por: Família Cristã




Comentários

Enviado por: Maria do Carmo Lima

Gostaria de adiquirir esta edição, por ter uma matéria (entrevista de Herilda Baldoino) de muita importância para o livro que estou ela escrevendo sobre ela.


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Navegue com segurança
Viver no ambiente digital abre novos horizontes e possibilidades, mas requer cuidados
O melhor alimento para o bebê
O aleitamento materno é uma unanimidade mundial. Todos os profissionais de saúde reconhecem
Hora do pesadelo
Pesadelos são ruins em qualquer idade, mas os pais ficam mais angustiados quando são seus filhos.
Viver bem dentro de casa
Uma família unida enfrenta e supera os desafios da vida com maior facilidade.
Música
Além de estimular o bom convívio social, aprender música ajuda a desenvolver a fala E a respiração.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados