Concílio Vaticano II

Data de publicação: 09/04/2013

Por Dom Luiz Demétrio Valentini*



A preparação do Concílio Vaticano II contou com a participação de todos os bispos do mundo, dos reitores de universidades católicas e dos superiores gerais de congregações religiosas com mais de mil membros.


Em outubro de 2012 se completam 50 anos da abertura oficial do Concílio Vaticano II, acontecida em 1962. A celebração do jubileu apresenta-se como preciosa oportunidade para recuperar a memória deste acontecimento tão importante para a Igreja em nosso tempo, e para retomar o processo de renovação eclesial que ele desencadeou.

Um primeiro aspecto importante já foi identificado. Não se entende o Concílio sem o contexto eclesial que o precedeu. As décadas anteriores ao Concílio foram marcadas por intensa vivência eclesial, que se expressava, sobretudo, por movimentos que marcaram época, como a Ação Católica, e encontraram depois no Concílio o ambiente ideal para a consolidação dos valores que cultivavam.

A proposta de um concílio ecumênico encontrou a Igreja, providencialmente, preparada e disposta a assumir organicamente muitos valores eclesiais que se estavam manifestando, mas que ainda não tinham encontrado o seu espaço adequado.

Depois de 50 anos do Concílio, é importante fazer esta constatação: o Vaticano II foi uma surpresa para a Igreja, mas na verdade essa surpresa foi produzida pela própria caminhada eclesial em nosso tempo, que tinha encontrado no pontificado de Pio XII a sua expressão mais completa.

O Concílio, portanto, não foi um fato estranho para a Igreja. Ao contrário, podemos agora identificar com clareza o processo eclesial que o precedeu e motivou. Prosseguindo agora a empreitada de “revisitar o Concílio”, para conferir como ele aconteceu, convém lembrar o intenso envolvimento eclesial, que foi se desencadeando rapidamente, a partir do seu anúncio, acontecido no dia 25 de janeiro de 1959, até a abertura oficial, ocorrida em 11 de outubro de 1962.

Foram quase quatro anos de intensa atividade e de firme determinação para viabilizar o sonhado Concílio Ecumênico, cuja causa ia envolvendo sempre mais todas as esferas da Igreja.

Comissão Antepreparatória – O processo era conduzido firmemente pelo papa João XXIII, que demonstrava serenidade em tomar as providências de organização do Concílio, mas, ao mesmo tempo, transmitia o sentimento da urgência em consolidar o processo conciliar, de modo a torná-lo irreversível, também em vista de sua idade avançada, fato que servia de evidente estímulo para concatenar as iniciativas.

Já em maio de 1959, no dia de Pentecostes, João XXIII anunciava a criação da “Comissão Antepreparatória”, incumbindo-a de tomar as primeiras providências de preparação efetiva do Concílio.

Foi a primeira vez, na história da Igreja, que um concílio foi convocado sem ter um problema concreto a resolver. Era, então, necessário identificar os assuntos que deveriam fazer parte do Vaticano II. Esta foi a incumbência confiada à Comissão. Então, ocorreu o primeiro fato que iria compor o clima de abertura e de participação que caracterizaria esse Concílio. A Comissão, em vez de ela mesma elencar os assuntos ela mesma, teve a feliz ideia de pedir a opinião de todos os bispos do mundo, dos reitores de universidades católicas e dos superiores gerais de congregações religiosas com mais de mil membros.

No mês de junho de 1959, a Comissão enviou a esses destinatários uma carta pedindo sugestões. E elas chegaram em abundância. Houve 1.998 respostas, numa porcentagem de 77% dos destinatários, índice que demonstrou o grande interesse suscitado pela proposta conciliar.

Recolhidas as respostas, estas resultaram em 12 volumes, contendo 10 mil páginas. Já no seu início, o Vaticano II tinha desencadeado sua verdadeira dimensão ecumênica. De tal modo que havia abundante material a ser analisado para dele explicitar os assuntos a serem analisados pelo Concílio.

Comissões Preparatórias – Para isto era preciso distribuir tarefas. Foi o que fez o papa João XXIII, ao criar, no dia 6 de junho de 1960, as “Comissões Preparatórias”, que seriam presididas pela “Comissão Antepreparatória”, transformada agora em “Comissão Central” de preparação do Concílio.

Estava desencadeado o processo. As Comissões começaram logo a trabalhar, dedicando-se com constância à tarefa recebida. Tanto que produziram nada mais nada menos do que 75 “esquemas preparatórios”, que foram colocados à disposição do Concílio, quando começou oficialmente o seu trabalho.

De tal maneira que, já no ano seguinte ao início do trabalho das Comissões, no Natal de 1961, o papa pôde convocar oficialmente o Concílio, pela bula Humanae Salutis, estabelecendo que começaria, em 1962, em data ainda a ser indicada. Depois foi confirmado o dia 11 de outubro de 1962.

Tudo somado, é preciso enfatizar: o Concílio envolveu toda a Igreja, de maneira intensa, consciente, organizada, responsável. Este vasto e profundo acontecimento merece agora nosso apreço e nossa atenção.

Concílio em datas

Esquematizando as datas, percebe-se os passos rápidos e firmes da Igreja, conduzida por João XXIII, em direção ao Concílio Vaticano II:
25 de janeiro de 1959 , anúncio do Concílio
Maio de 1959 , no dia de Pentecostes, criação da “Comissão Antepreparatória”
Junho de 1959: envio da carta-consulta a todos
6 de junho de 1960: criação das “Comissões Preparatórias” e constituição da “Comissão Central”
Natal de 1961: convocação oficial do Concílio – bula Humanae Salutis
11 de outubro de 1962: abertura solene do Concílio Vaticano II

* Dom Luiz Demétrio Valentini é bispo de Jales (SP). Participou da 4a Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano em Santo Domingo (República Dominicana), em 1992; do Sínodo Especial da América, em 1997; e da 5a Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e Caribenho, na cidade de Aparecida (SP), em 2007.




Fonte: Família Cristã 914 - Fev/2012
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Doença celíaca
Doença do intestino delgado, autoimune, crônica, causada por uma reação ao glúten
TOD à luz da escuta de Baco
Transtorno Opositivo Desafiador, conheça esta doença
Doenças autoimunes
Quando nosso sistema imunológico se desequilibra, entram em cena as doenças autoimunes
Você cuida bem da sua audição?
A saúde da nossa audição é também questão de bem-estar
Sinusite ou rinite?
Tanto a sinusite como a rinite são inflamações que afetam as mesmas regiões do corpo.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados