Nhá Chica, mulher do povo

Data de publicação: 04/05/2013

Por Fernando Geronazzo
Enviado especial para Baependi (MG)

Ao andar pelas ruas de Baependi (MG) e ver a multidão de fieis e devotos da Nhá Chica, a primeira pergunta que vem é: por que esta simples mineira atrai tanto as pessoas? A resposta está não só na ponta da língua das pessoas, como em seus gestos. A santa de Baependi ganhou os corações do povo por sua simplicidade. Francisca de Paula de Jesus foi uma mulher simples como a maioria dos brasileiros. É esta identificação que atrai as pessoas.

Diante da casa onde Nhá Chica viveu, transformado hoje em um memorial, a reportagem da Revista Família Cristã avistou uma senhora mulata, portando um guarda-chuva nas mãos e um rosário na outra. Imagem que remete imediatamente ao único registro fotográfico de Nhá Chica. Aos 80 anos, Maria Aparecida Rosa, veio da cidade de Cristina, também no interior mineiro, para participar das celebrações. “Desde que eu era moça eu venho para Baependi. Meu problema de varizes me dificulta para andar. Mas graças à intercessão de Nhá Chica eu já estou me recuperando”.

Aparecida Elisa de Carvalho Facion, 53 anos, é do povoado de Santo Antônio do Rio das Mortes Pequeno, distrito de São João del Rei (MG), local de nascimento de Nhá Chica, há 203 anos. “Nosso povoado se orgulha muito de ter Nhá Chica como filha. Ela é minha madrinha e minha intercessora. Não tenho palavras para descrever o que sinto por esta mulher de Deus”.

Durante toda a manhã deste sábado, 4, a urna onde estão depositados os restos mortais de Nhá Chica, no Santuário da Imaculada Conceição, junto à casa onde ela viveu a maior parte de sua vida, recebeu a visita de fieis, que formavam uma grande fila. Cristina Batista da Silva Estevan, 40 anos, veio de São José dos Campos, interior de São Paulo, para fazer suas orações. “Meu marido nasceu aqui na cidade e sempre me falou da Nhá Chica. Com o tempo eu descobri que há muitos devotos dela na minha cidade. O que mais me chama a atenção nela é por ela ter sido uma mulher pobre e simples como todos nós”, destaca.

Thais Maria Arantes Pereira, 27 anos, é uma dos mais de 300 voluntários que estão trabalhando na acolhida dos fieis à Baependi. Moradora da cidade vizinha de Cruzilha ela conhece a história de Nhá Chica a muito tempo. “O que mais me chama a atenção em Nhá Chica é o que ela deixou de exemplo. A humildade, a caridade, o amor ao próximo são coisas faltam muito em nosso mundo atual. Por isso é importante destacar as virtudes que ela deixou para nós”, afirma.


O testemunho de Nhá Chica não atraiu apenas fiéis leigos, muitos religiosos também veem na santa de Baependi um exemplo a ser seguido. Monjas de dois Carmelos mineiros – Três Pontas e Patos de Minas – deixaram a clausura para participarem da celebração. Religiosas Camilianas , Franciscanas e de muitas outras congregações também marcam presença na cidade. Até um grupo de monges do Mosteiro de São Bento de São Paulo (SP) vieram em peregrinação à Baependi. “Uma beatificação é sempre um momento de graça para a toda a Igreja. Uma pessoa como a Nhá Chica valoriza não apenas a pessoa do leigo, mas também reconhecida como esta fé simples manifestada de uma maneira humilde, através da piedade popular, cultivada por tantas pessoas do nosso povo brasileiro. Uma fé que não se baseia na cultura letrada, mas em uma cultura baseada na devoção à virgem Maria. Isso nos incentiva a ver que a fé é esta pureza de coração, que Jesus tanto nos ensina nos Evangelhos”, ressaltou o monge dom Lourenço Palata Viola.

Por volta das 12h, os acessos para o local onde acontece a cerimônia de beatificação, próximo à entrada da cidade, foram abertos, os fiéis já começam a ocupar o local que, segundo o Governo do Estado de Minas Gerais, abriga 40 mil pessoas. Como são esperadas cerca de 70 mil pessoas, foram instalados telões e sistema de som em diversos pontos da cidade para que os fiéis acompanhem a missa presidida pelo cardeal Angelo Amato, prefeito da Congregação para a Causa dos Santos, vindo direto do Vaticano, às 15h.

A missa será transmitida pelas rádios e TVs católicas. Acompanhe também a cobertura em tempo real da celebração pela página da Revista Família Cristã no Facebook.




Fonte: Família Cristã
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Fotografar em favor da vida
Pequenos gestos podem transformar a realidade de pessoas em situação de pobreza.
A paternidade
É um direito ter o nome dos pais na certidão de nascimento; mutirões são realizados para que a população tenha mais acesso ao registro de paternidade
Revista FC Setembro 2019
Setembro chegou, e com ele, a edição 1.005 da revista Família Cristã.
Revista Família Cristã
Edição 1.004 da revista Família Cristã – Agosto de 2019
Das ondas ao altar
Se pregava, era de todo coração; se surfava, era para encarar as maiores ondas.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados