Vamos viver em paz!

Data de publicação: 28/05/2013


Mantendo o raciocínio de que a “família é a base de tudo”, pode-se concluir que a violência na sociedade tem como uma de suas fontes a crise de valores que a família atravessa



Por César Vicente


Tem-se como verdade que a família, independentemente da sua forma ou mesmo devido a ela, seja a base de tudo. Incluindo-se nesse “tudo” a fonte dos valores que um indivíduo carrega por toda a vida, como respeito, tolerância, fidelidade, solidariedade e companheirismo. Muitas vezes, porém, isso não ocorre exatamente por falta de... respeito, tolerância, fidelidade, solidariedade e companheirismo. Em quais situações? Quando se fala em paz ou na ausência dela dentro de casa, por exemplo. Estima-se que, nos lares brasileiros, diariamente, 18 mil crianças e adolescentes sofram algum tipo de violência. E que de cada 100 mulheres assassinadas, 70 percam a vida no espaço familiar. Mais estatísticas: a cada minuto, no País, 1 mulher e 12 crianças e adolescentes são agredidos por companheiros, pais, avós ou responsáveis. Para ilustrar melhor esse quadro, basta afirmar que, se o leitor chegou até aqui na leitura deste parágrafo, houve tempo suficiente para pelo menos 4 mulheres e mais 10 crianças e adolescentes serem agredidos.

Mantendo-se coerente com o raciocínio de que a “família é a base de tudo”, pode-se concluir que a violência na sociedade brasileira, que não é pouca – um estudo do Instituto de Prevenção do Crime e da Violência Avante Brasil posicionou o País como o 18º mais violento do mundo em 2013 –, tem como uma de suas fontes a família. Ou a crise de valores que essa instituição atravessa. Um argumento nesse sentido é a Campanha de Prevenção da Violência no Ambiente Familiar, com o lema “A paz começa em casa”, lançada pela Pastoral da Criança em 1999 e que, desde então, é revalidada anualmente. “A raiz da violência doméstica está na ausência de valores estabelecidos na família”, justifica o filósofo Clóvis Boufleur, gestor de Relações Institucionais da Pastoral da Criança. “Uma Cultura de Paz, que pode ser definida como a reafirmação dos valores que conduzem a uma convivência fraterna, começa a ser cultivada em casa com o emprego de uma educação sem qualquer tipo de violência”, completa Clóvis.

Formação solidária

Além de trabalhar com as famílias a importância de se compreender as necessidades infantis e não descarregar nas crianças os problemas e os estresses dos adultos, a campanha ainda tem o objetivo de sugerir ações concretas aos governantes. Para tanto, as principais agentes da iniciativa são as 140 mil líderes comunitárias capacitadas pela Pastoral da Criança que oferecem a 1,25 milhão de famílias, de 3.800 municípios, cuidados de conscientização e de educação em saúde e cidadania, o que inclui orientações sobre a violência doméstica. O material de trabalho das agentes são folhetos com orientações preventivas – confira no boxe – e explicações sobre os tipos de abusos mais comuns a que as crianças estão sujeitas.

De fato, é sempre preferível prevenir que remediar, principalmente quando se trata de evitar a violência e promover a paz, assim como estimular a participação do casal na construção da harmonia doméstica e da cidadania dos filhos. “Em uma sociedade de consumo e extremamente competitiva, é fundamental os dois trabalharem para a família de forma cooperativa e solidária. E isso não se dá sem compreensão mútua”, explicam o contador José Luis Almeida e a professora de Teologia Célia de Sousa, pai e mãe dos meninos Vinicius e João Pedro, de 10 e 8 anos, respectivamente.  “Um pilar para a construção da nossa paz doméstica é o diálogo, seja em momentos de alegria ou de tristeza”, completa Célia.

Os 10 Mandamentos para a Paz na Família...


1.    Tenha fé e viva a Palavra de Deus, amando o próximo como a si mesmo.

2.    Ame-se, confie em si mesmo, em sua família e ajude a criar um ambiente de amor e paz ao seu redor.

3.    Reserve momentos para brincar e se divertir com sua família, pois a criança aprende brincando e a diversão aproxima as pessoas.

4.    Eduque seu filho através da conversa, do carinho e do apoio e tome cuidado: quem bate para ensinar está ensinando a bater.

5.    Participe com sua família da vida da comunidade, evitando as más companhias e diversões que incentivam a violência.

6.    Procure resolver os problemas com calma e aprenda com as situações difíceis, buscando em tudo o seu lado positivo.

7.    Partilhe seus sentimentos com sinceridade, dizendo o que você pensa e ouvindo o que os outros têm a dizer.

8.    Respeite as pessoas que pensam diferente de você, pois as diferenças são uma verdadeira riqueza para cada um e para o grupo.

9.    Dê bons exemplos, pois a melhor palavra é o nosso jeito de ser.

10.    Peça desculpas quando ofender alguém e perdoe de coração quando se sentir ofendido, pois o perdão é o maior gesto de amor que podemos demonstrar.

Fonte: Pastoral da Criança




Fonte: Família Cristã 925 - Jan/2013
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

A paternidade
É um direito ter o nome dos pais na certidão de nascimento; mutirões são realizados para que a população tenha mais acesso ao registro de paternidade
Navegue com segurança
Viver no ambiente digital abre novos horizontes e possibilidades, mas requer cuidados
O melhor alimento para o bebê
O aleitamento materno é uma unanimidade mundial. Todos os profissionais de saúde reconhecem
Hora do pesadelo
Pesadelos são ruins em qualquer idade, mas os pais ficam mais angustiados quando são seus filhos.
Viver bem dentro de casa
Uma família unida enfrenta e supera os desafios da vida com maior facilidade.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados