Fiéis visitam exposição

Data de publicação: 24/07/2013


Por André Bernardo
Fotos: Pedro Paulo

A exposição com obras-primas de museus do Vaticano é considerada a maior mostra de arte sacra já vista na América Latina, “A Herança do Sagrado” concilia fé e arte ao mostrar o trabalho de artistas inigualáveis como Da Vinci, Michelangelo e Caravaggio.



Não é todo dia que obras-primas de alguns dos maiores gênios da pintura universal podem ser vistas num só lugar. Considerada o principal projeto cultural da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), a exposição “A Herança do Sagrado: Obras-Primas do Vaticano e de Museus Italianos” reúne 105 peças de artistas como Da Vinci, Michelangelo e Caravaggio. A visitação teve início no dia 9 de julho e prossegue até 13 de outubro, de terça a domingo, com entrada franca. Na manhã fria e chuvosa do dia 23 de julho, assistir à exposição no Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), no Centro do Rio, foi um dos programas favoritos dos peregrinos da JMJ.

Um pequeno grupo de Belém (AM) se deteve, maravilhado, diante do quadro “Cristo e a Adúltera”, de Lorenzo Lotto. A “expressão apaziguadora de Jesus, em contraste com o tom acusador dos fariseus” chamou a atenção de Natália Borges, 24 anos. Membro do Movimento dos Focolares, ela e as amigas se mostraram surpresas com a riqueza de detalhes, nuances e expressões de cada uma das pinturas da mostra. “É muita informação num quadro só!”, constatou Nádia Barreto, 28, que está hospedada no apartamento de uma família de voluntários no bairro do Méier, Zona Norte da cidade.

Já Bruno Borges, 14, membro da Paróquia de São Dimas, em Aparecida (SP), elegeu o quadro “A Instituição da Eucaristia”, de Domenico Piola, como um dos mais impressionantes que já viu. A pintura, datada do século XVII, retrata a Última Ceia. Nela, a figura sombria do demônio, escondida debaixo da mesa, parece cochichar palavras de perdição ao ouvido de Judas Iscariotes. “Muitas dessas pinturas reproduzem passagens e citações que lemos na Bíblia. Participar de uma exposição de arte sacra ajuda a aprofundar a nossa fé e nos deixa mais próximos de Deus”, garantiu Bruno, que participa da Pastoral da Juventude na sua paróquia.

Na terça de manhã, a exposição recebeu um visitante ilustre: o Padre Reginaldo Manzotti, que participou da gravação do CD “No Coração da Jornada”. Segundo ele, a mostra é uma oportunidade única que os cariocas têm de ver de perto peças tão valiosas do ponto de vista cultural. “Sabe aquela máxima que diz que o Vaticano é rico? Pois é, é rico, sim. Rico em fé, arte e cultura”, declarou o padre. Só no dia da abertura oficial da JMJ, “A Herança do Sagrado” atraiu cerca de 5 mil visitantes. Segundo a direção do museu, a exposição deve quebrar o recorde de público da instituição, que é de 423 mil visitantes e pertence à mostra “Monet”, de 1996.

A tarefa de selecionar 105 peças entre as mais de 200 mil do inestimável acervo dos museus do Vaticano coube ao curador italiano Giovanni Morello. Para ele, a obra que melhor representa o espírito da JMJ é “São João Evangelista”, de Guido Renni, porque retrata o discípulo amado com as feições de um adolescente. Entre as mais de cem peças expostas, duas em particular devem ser apreciadas pelos cariocas: a primeira representação de Jesus Cristo, pintada por autor desconhecido entre o terceiro e o quinto século da era cristã, e o relicário que guarda os restos mortais do crânio de São Sebastião, o padroeiro da cidade do Rio.

Nenhuma outra peça, porém, arranca tantas exclamações dos peregrinos e visitantes quanto a “Pietà”, de Michelangelo. Mesmo sendo uma réplica – a original foi atacada a marteladas pelo húngaro Laszlo Toth em 1972 e, desde então, nunca mais saiu da Basílica de São Pedro, em Roma –, mereceu elogios da argentina Gabriela Zanel, 29. “Estou sem palavras para dizer o quanto tudo é muito lindo!”, repetia, boquiaberta. Quem também promete ficar sem palavras é Juan Manuel, 28. Ele quase caiu para trás quando soube que o Papa Francisco convocou um encontro com os 23 mil argentinos que integram a maior delegação da JMJ2013. “Se pudesse, eu gostaria de dar um abraço bem apertado nele”, confessa o rapaz, emocionado.




Fonte: Família Cristã
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Ao sabor da abóbora japoneza
No Brasil, conforme os estados, a moranga é conhecida também como jerimum.
Batata-doce: a melhor amiga da
A batata-doce tem sua origem em regiões quentes da América do Sul – cultivada pelos índios
A fruta do mês
Para se alimentar melhor e ainda economizar, os nutricionistas orientam o consumo de frutas
Sabor mineiro
A arte culinária é uma das tradições mais significativas de Minas Gerais.
Viva o México!
O México possui uma gastronomia muito variada, com diferentes pratos típicos, doces e bebidas
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados