Herdeiros do controle

Data de publicação: 20/08/2013

Cleusa Thewes*       
Ilustração: Ricardo Corrêa   
                    
Pessoas controladoras geram ruídos e desconforto  nos relacionamentos. E os  controlados? Sentem-se diminuídos, medrosos, rebeldes, pouco confiantes.

O que é cuidar? O que é controlar? Você é cuidadoso ou controlador? Estes questionamentos conduzem ao autoconhecimento e contribuem para construir um relacionamento saudável. A charada é conhecer-se para viabilizar uma interação conjugal equilibrada. Considere significativa, ainda, a distinção entre cuidar e controlar. Sentimentos inadequados geram atritos, repressões, distanciamentos e disfunções no relacionamento diário.

Historicamente, o  brasileiro carrega condicionamentos. Um legado emocional do rigor político: o medo de ser controlado. Fomos tolhidos, calados e reprimidos em nossa própria pátria, nosso chão. Hoje, finalmente, povo novo em nova pátria, com matiz e perfil renovados, resgatamos a autonomia cidadã, o protagonismo social: escolhemos, criamos e até criticamos. Mas, se abdicarmos do cuidado, “o berço esplêndido”, não acolherá seus parceiros. E na cantada “pátria livre”, dos “laços fora, soldados”, exercita-se um controle equilibrado, que busca limitar a violência, promover a segurança e o zelo pelos seus amados. Devemos entender que a realidade social fotografa e reproduz em uma instância macro a interação relacional da microcélula familiar, um cuidar ou um controlar.

Herdeiros da cultura machista – Em nossa família de origem, avós e pais foram criados num clima familiar onde o poder, a autoridade e o controle eram habilidades masculinas, compreendidas e aceitas como necessárias para a manutenção do sistema familiar. A mulher, na casa, apenas dava seu aval ao homem. As regras, impostas pelo marido, eram obedecidas por ela e pelos filhos. Recordemos até uma fala saudosa: “Lá em casa, o papai falava, e ninguém abria a boca”.

Resquícios dessa variável controladora acompanham as gerações como uma sombra. Mas as reflexões avançaram e começamos, enfim, a compreender onde a força controladora liquidifica autoritarismo e autoridade. Gente, desapegar-se dos velhos hábitos e assimilar outros novos é um aprendizado lento! Casais e pais, o controle continua disfarçado de cuidado colorido nos lares. Isso é manipulação e poder.

O que é mesmo cuidar? É zelar, amparar, respeitar, valorizar, regrar, flexibilizar, dialogar. Os cuidadores confiam, estimulam. Dão espaço ao outro. E pessoas cuidadas revelam-se seguras, abertas aos desafios. Amadurecem.
E o que é controlar? É algo diferente. É invadir o espaço alheio, determinando o que o outro  tem que ser,  fazer, vestir e até pensar. É fiscalizar com desconfiança! O controlador mostra-se rígido, inflexível, possessivo. Supervaloriza a sua verdade, minimiza a verdade  do esposo(a), dos filhos. Pessoas controladoras geram  ruídos e desconforto  nos relacionamentos. E os  controlados? Sentem-se diminuídos, medrosos, rebeldes, pouco confiantes.

João e Vera na cozinha – Os dois são casados há 30 anos. Ela, do lar. Ele, empresário aposentado, decide ajudá-la em casa. Vera coloca a chaleira para esquentar água no fogão; João  reclama que a chaleira está  mal posicionada, desperdiçando gás. Vera se enfurece! Vera lava a louça, limpa a pia. João comenta: “Você deixou a pia cheia de pingos, molhada, precisa secar melhor!”. E todas as manhãs, na cozinha, o bate-rebate: faça assim; não faço! Vera sente-se controlada e João, desgastado no controle sem êxito. Eis o resultado de confrontos e disputas por espaço no diário jogo de forças e controles....

Que soluções encontraram para cada cônjuge ser do seu jeito? Dividiram as tarefas. Ela cuida da cozinha e ele, do pátio. Ela borda, ele lê. Depois das brigas, dialogaram. E aprenderam a respeitar seus jeitos e quadrados num mesmo espaço.

Maria virou estudante – Ela é casada e aposentada, os filhos são adultos. Um dia, resolveu cursar uma faculdade. O esposo enlouqueceu. O lugar dela era ao lado dele. Durante 15 anos, ela tratou de depressão, tomou remédios para suportar fazer apenas o que ele queria. Sofria de fibromialgia, diariamente. Maria, porém, foi firme. Assumiu seu desejo. Foi fazer faculdade! A depressão sumiu e nunca mais sentiu a fibromialgia. E, o esposo, como está? Brigou, gemeu, nasceu... Entregou o comando da vida de Maria para ela. Juntos aprenderam que controlar não é cuidar.

Lembrete: use somente o controle remoto dos aparelhos eletroeletrônicos. Pessoas não são máquinas. São seres que desejam cuidado equilibrado.

*Cleusa Thewes é terapeuta familiar, especialista em orientação familiar.




Fonte: Família Cristã 914 - Fev/2012
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Um gigante no sertão
Estátua dedicada a padre Cícero, em Juazeiro do Norte (CE), completa meio
Um olhar que viu
Tatiana Belinky, nome importante no mundo da literatura no Brasil, celebra centenário de nascimento.
Marco Frisina no Brasil
O Brasil recebeu a visita do Monsenhor Marco Frisina, compositor e Maestro de música Sacra
Os doze profetas que encantam
As esculturas de Aleijadinho, em Congonhas do Campo (MG), fazem parte do maior museu a céu aberto
Arte e natureza
Visitantes têm experiências múltiplas em um dos maiores centros de arte contemporânea a céu aberto do mundo
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados