Religião: questão de fé!

Data de publicação: 20/09/2013

Padre Reginaldo Carreira*

Não é incomum ouvirmos pregadores e pensadores, cristãos ou não, usarem o termo “religião” com uma conotação negativa. Nos púlpitos e nas salas de aula, por muitas vezes, usa-se esse termo para designar a pertença a uma instituição apenas, e não a uma doutrina, a uma fé e a uma vida comunitária, pautada nos ensinamentos assumidos por determinado grupo de pessoas. Religião é ruim se a entendermos como o seguimento de um ritual apenas, uma pertença fanática a uma doutrina... Ela também não pode ser entendida como designação social de pertença a um Deus ou a uma Igreja... Mas daí a dizer que “ter religião cristã” e “ser cristão” é contraditório já é um extremismo!

Religião é, em seu primeiro significado, uma religação (do latim religio, religare), que significa, no sentido cristão, nossa reconciliação com Deus e nosso serviço a Ele. E ela se dá através de uma Igreja sim! Um lugar (que aqui não é apenas um lugar físico) de encontro com Deus e com os irmãos. Minha intimidade com Deus passa por uma religião, e eu não posso dizer que pertenço a Jesus e não a uma religião ou Igreja, pois Jesus mesmo “edificou” em Pedro a SUA Igreja, e é nela que nos tornamos pertencentes a Ele.

Tolerância e respeito – Não é apenas uma questão de etimologia da palavra “religião” ou de seu sentido cultural. É uma questão teológica e bíblica: nossa fé cristã é sustentada na vida comunitária, e nossa vida comunitária, mesmo que não queiramos, é Igreja e é religião. Pode-se viver a fé de forma individual e solitária, com a bandeira de que nenhuma instituição “possui” Deus e que “não dependo de nenhum intermédio” para falar com Ele. Mas não posso querer viver a fé cristã de forma contundente e profunda sem me inserir numa vida comunitária que me comprometa com e me una ao outro, que é meu irmão, e ao “totalmente outro”, que é Deus, manifestado em Jesus, seu filho! Mesmo a falha dos meus irmãos e as intempéries da vida comunitária me ensinam, quando me forçam a crescer na tolerância, no perdão e no amor, centro da mensagem de Jesus.

Conhecer o Senhor e reconhecer Seu amor por nós implica conhecer a Igreja e reconhecer seu valor para nossa sociedade, reconhecer a religião cristã no seu sentido mais profundo de religião, como caminho de santidade e seguimento do Cristo, sendo, por isso, lugar de manifestação da Sua vontade e de transformação da sociedade. Não podemos deixar que o termo religião ou religiosidade – que em primeiro sentido é devoção, piedade e, portanto, amor e vivência da espiritualidade e da religião – seja entendido como ritualismo, superstição ou qualquer outra conotação negativa e ridicularizado em certos ambientes! Valorizar a religião é uma virtude a ser cultivada sempre e insistentemente em todos os lugares, especialmente em nossas escolas e faculdades, no meio acadêmico e no mundo do trabalho! Nossa sociedade é marcada pela força da fé, vivida nas religiões, e isso precisa ser respeitado.

A tolerância e o respeito me incentivam a reconhecer que no outro, e também nas outras religiões, há um lugar da manifestação de Deus. É o que Jesus ensinou ao acolher a todos e a receber a todos, mesmo discordando de seus pensamentos e ações. Mas a mesma tolerância e respeito não me proíbem de manifestar minha fé em Jesus Cristo como meu único Salvador e Senhor, e assumir e defender minha fé e minha religião, sem medo e sem constrangimento, porque respeito é bom, crer é meu direito e anunciar é meu dever!

*Pároco em Santa Cruz das Palmeiras (SP), pregador em encontros, cantor e compositor.
prcarreira@itelefonica.com.br






Fonte: Família Cristã 902 - Fev/2011
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Mãos ao alto
Jovens da periferia denunciam abuso na abordagem policial
As bases da fé
Método de evangelização pretende atingir principalmente quem está afastado da fé
Um livro tão antigo e tão novo
Mesmo sendo escrita há milhares de anos, a Bíblia ainda tem espaço no meio da juventude
Música e fé!
É quase impossível falar de espiritualidade da juventude sem falar de música cristã
Jovens e vocações
Sonhamos com uma Igreja que saiba deixar espaços ao mundo juvenil e às suas linguagens
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados