Perto da mamãe

Data de publicação: 21/02/2014

Rosângela Barboza



Muitos pais e mães estão carregando os bebês presos junto ao corpo. O sistema é prático e traz benefícios à criança, desde que respeitadas algumas recomendações.

Levar os bebês junto ao corpo é costume enraizado na cultura de diversos países, especialmente asiáticos e africanos, sem esquecer as comunidades indígenas. As mães amarram largas tiras de pano entrelaçadas no peito ou nas costas, levando os pequenos para todo lugar. O mundo ocidental copiou esse modelo, criando diversos tipos de carregadores de bebês, como sling, wrap, canguru ou mei tai. O que em muitas culturas é tradição, aqui se tornou sinônimo de praticidade, pois, enquanto os bebês ficam no aconchego, as mães mantêm seus braços livres.

O objetivo primordial desse modo de transportar as crianças, porém, é manter o bebê perto da mãe ou do pai, estabelecendo uma relação afetiva mais rica entre eles. Afinal, o colo materno é insubstituível para o bebê. Essa verdade pode ser observada no método Mãe Canguru, voltado para o desenvolvimento de bebês prematuros. A prática começou nas maternidades da Guatemala, onde a falta de incubadoras levou os médicos a colocarem os bebês por dentro da roupa das mães, mantendo-os, assim, aquecidos. Pertinho da mãe, os recém-nascidos se desenvolveram melhor e mais rapidamente, recebendo alta médica antes dos prematuros que não usaram tal método.

Diversas vantagens – Os acessórios usados para carregar bebês junto ao corpo trazem muitas vantagens para a criança. Pertinho da mãe, eles têm seus desejos e necessidades rapidamente satisfeitos e ficam mais calmos e seguros. “A mãe carrega o nenê durante nove meses em seu ventre. No útero, ele sente os batimentos cardíacos e o calor maternos. Por isso, no nascimento há uma ruptura muito grande. Acessórios como esses ajudam a prolongar o estado de aconchego, pois o bebê permanece perto da mãe, sendo muito úteis para promover esse período de transição para o meio externo” – explica o pediatra Tadeu Fernando Fernandes, vice-presidente do Departamento de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da Sociedade Brasileira de Pediatria, seção São Paulo.

Nesse sentido, há diferenças entre esse modo de carregar a criança e o transporte em carrinhos, cadeirinhas ou bebês-conforto, nos quais a criança não fica tão próxima da mãe. “A maioria dos carregadores não substitui o colo materno, que é muito mais seguro. Junto ao corpo da mãe, o bebê sente o calor dela, e essa proximidade proporciona segurança emocional, fortalecendo o vínculo entre mãe e bebê” – avalia a pediatra Lidimar Rodrigues de Souza.

Limites e cuidados – O uso de carregadores de bebês também tem limites a serem observados. O pediatra Tadeu Fernandes lembra que exagerar nesse uso não é bom nem para a criança nem para a mãe. “Esses acessórios são úteis enquanto o bebê está mais novo. Não é recomendável para crianças maiores” – alerta. De acordo com o médico, o tempo ideal de utilização é quando a criança começa a esboçar os primeiros movimentos para conseguir engatinhar ou andar. “Há mulheres que incorporam esses acessórios como um modo de vida, construindo uma relação de muita dependência entre mãe e filho” – explica. Para o pediatra, ficar a maior parte do dia com o bebê junto ao corpo não é bom. “Vai chegar o momento em que a criança precisará ficar mais tempo separada da mãe, e ambas devem estar preparadas para isso” – observa.

Outro motivo para evitar o uso excessivo desses acessórios é a necessidade de crescimento dos pequenos. “A criança precisa ter contato com o chão para ganhar equilíbrio, possibilitando seu desenvolvimento neurológico e motor” – afirma dr. Tadeu. A pediatra Lidimar de Souza adverte que, nossa realidade é diferente da vivenciada pelas mães nos países asiáticos, que carregam seus filhos, mesmo maiores, junto ao corpo até para trabalhar. “Elas utilizam essas faixas com mais facilidade. É uma questão cultural e de necessidade. A mulher ocidental não tem essa cultura” – esclarece a médica.

Os pediatras ainda ressaltam a importância de os pais usarem esses acessórios de forma correta, pois o uso inadequado pode sufocar o bebê. “Se a mãe ou o pai souberem usar, não há riscos de a criança cair ou sufocar. É recomendável, porém, ler o manual de instrução ou obter orientações corretas antes de começar a usá-los” – salienta dr. Tadeu Fernandes.





Fonte: Família Cristã 905 - Mai/2011
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Um gigante no sertão
Estátua dedicada a padre Cícero, em Juazeiro do Norte (CE), completa meio
Um olhar que viu
Tatiana Belinky, nome importante no mundo da literatura no Brasil, celebra centenário de nascimento.
Marco Frisina no Brasil
O Brasil recebeu a visita do Monsenhor Marco Frisina, compositor e Maestro de música Sacra
Os doze profetas que encantam
As esculturas de Aleijadinho, em Congonhas do Campo (MG), fazem parte do maior museu a céu aberto
Arte e natureza
Visitantes têm experiências múltiplas em um dos maiores centros de arte contemporânea a céu aberto do mundo
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados