Ser ou Aparecer?

Data de publicação: 21/02/2014

Padre Reginaldo Carreira*

Lamentável! Não é possível ficar alheio a um fato tão violento como o ocorrido naquela escola do Rio de Janeiro. E, tristemente, uma das consequências se deu com outro ex-aluno de outra escola que ameaçou abrir fogo contra sua ex-diretora e quem estivesse por perto. Não existem justificativas, é óbvio. Mas, sem querer abordar aqui as motivações inconscientes dos problemas sociais, familiares ou mentais que levaram a tal atitude, o fato trágico, que terminou com a morte de diversas crianças e o trauma de toda uma sociedade, trouxe de volta a discussão sobre o porte de armas e suas consequências. Assim como a importância dos valores familiares e sociais que fundamentam a estrutura e a formação do indivíduo.

Muito se foi abordado nos meios de comunicação e nos comentários de internet sobre o porte de arma e assuntos de segurança; mas o que quero refletir aqui é sobre qual valor orientou o assassino e tantos outros, até crianças, que pensam poder tudo e fazer tudo porque lhes foi tirado supostamente tudo.

Segundo as investigações, um dos motivos que nortearam o assassino foi a confirmação de que ele sofria de bullying, e que por isso precisava se vingar não diretamente dos agressores, mas da história de vida com sofrimento e isolamento motivados por tais agressões e xingamentos.

Sem negar aqui as consequências e a gravidade do bullying, há de se pensar no que se passa na mente e no coração de quem sofre com tal perseguição: a necessidade humana, e coerente, de ser aceito e reconhecido, mas também, por diversas vezes, o excesso desta necessidade, a ponto de achar que não ser aceito, reconhecido ou aplaudido é sinônimo de fracasso. E é esse contexto que quero abordar neste artigo.

Nos meios de comunicação e na internet, portanto na mente de quase todo adolescente e jovem, é mais importante ou admirável ser o astro da TV, conhecido e reconhecido, do que ser aquele trabalhador bem-sucedido e realizado no que faz, mas que não é aplaudido por todos ao seu redor. A questão não é julgar qual profissão é mais digna ou menos digna, mas entender que o valor do “ser” está sendo superado pelo do “aparecer”.

Sentido da vidaReality shows são usados para reafirmar isso: a necessidade de aparecer, para ser reconhecido e ser feliz. Inclusive muitas personagens de TV são caricaturas de pessoas que querem a fama a todo custo. Na verdade, quando a fama é consequência de um trabalho, pode ser boa, mas quando é o objetivo de um trabalho, jamais será sadia. Aquele que precisa aparecer para ser feliz sofre para manter essa postura, e quando não o é, se isola, cai nos vícios, agride e, em alguns casos, perde até o sentido da vida, podendo chegar inclusive ao suicídio.

Se insistirmos em acreditar que apenas “aparecendo” é que alcançaremos algo, seremos dignos de pena, pois não manteremos sempre nossa “máscara”, e a mentira não subsistirá. Porém, se cultivarmos o valor de “ser” o que se é de fato, e formos felizes em ser quem somos, teremos a possibilidade de crescer muito mais, pois o fundamento será sólido: a verdade, que liberta, e que é Jesus! (cf. Jo 14,6).


*Conferencista, cantor e compositor.


                                                   




Fonte: Família Cristã 905 - Mai/2011
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Arte e ciência de cuidar
É urgente que nos reencantemos com a arte de cuidar. O futuro depende da resposta a estes desafios
Se bebeu, não dirija!
Os acidentes causados por embriaguez exteriorizam uma irresponsabilidade renitente, que causa danos
29.200 dias, 936 edições
Mensagem de irmã Ninfa Becker, superiora provincial das Irmãs Paulinas no Brasil
Ação entre amigos
Parceiros, colaboradores, entrevistados e, sobretudo, companheiros de caminhada
Saber calar e saber falar!
O silêncio é necessário e útil num relacionamento, quando tem o objetivo de ser pausa para o diálogo
Início Anterior 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados