Mulher, referência familiar

Data de publicação: 28/02/2014

Cleusa Thewes *



Nas adversidades, a mulher mostra-se uma guerreira.  Dedicando sua vida em favor do melhor convívio familiar, é seiva que a todos nutre.

O Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março, faz sentido. A mídia realça o desempenho, o avanço de uma cidadania feminina efetiva, atuante, que faz da mulher protagonista em variados segmentos sociais. Enfatizaremos o olhar sobre a mulher no sagrado universo familiar. Ali onde muitas vezes encerra a terceira jornada diária de trabalho. Ao declinar o dia, ela retorna a sua casa para atender a outras demandas. Circula do fogão até a pia, da máquina de lavar a cada coração daquele lar.

Está cansada? O amor descansa, amansa e fortalece. Desanimada? Supera-se! Onde ela esconde forças para bailar a ciranda dos afetos? Como costura os elos do convívio familiar? Como cultiva a terna seiva que a todos nutre? Em qual fonte se sacia da água viva da paciência, da fé, da intuição, da sabedoria? Quando reza e silencia.

A mulher sábia entrega-se à sabedoria, reconhecendo ser “feliz o homem que encontrou a sabedoria e alcançou o entendimento, porque a sabedoria vale mais do que a prata, e dá mais lucro que o ouro. Ela é mais valiosa do que as pérolas e não existe objeto precioso que se iguale a ela” (Pr 3,13-15). A palavra bíblica “a mulher sábia constrói o seu lar...” (Pr 14,1) ecoa em seu coração com sonoridade angelical. Imprime-se em seu cotidiano na tonalidade intensa do arco-íris. A palavra divina transforma-se em aprendizado, numa missão essencial em sua vida familiar.

Vivência no amor
– A mulher guerreira, na curva do amadurecimento, no decorrer da trajetória espiritual, nos aprendizados consequentes entre ganhos e perdas, nos sorrisos que ocultam profundas pegadas das lágrimas no  rosto, vai tecendo a visão sábia de sua significância na terra: viabilizar com a família uma experiência saudável da vivência no amor, na compreensão diferenciada das escolhas e do livre-arbítrio de cada membro familiar. A união e o afeto são determinados pelo respeito e não mais pelo severo controle de sua absoluta vontade. A flexibilidade e a bondosa energia tornam-se uma estratégia no bem viver familiar. Há muito a força feminina permite desapegos internos e possibilita passos autoconfiantes, livres, aprendidos nas lições da eterna aprendiz.

A construção relacional de elos afetivos pressupõe o entendimento sutil, a docilidade inteligente de quem integra afetos à própria vida. Permitir-se ser cuidadora, visionária e mestra, transmitindo valores, preservando a inteireza do ser. Couraças e armaduras quebram-se, desnecessárias. Defesas e ataques emocionais são dispensados. A a- morosidade, cultivada na insônia das preocupantes madrugadas à cabeceira de filhos febris, à espera de filhos que vão e não voltam, de filhos que transgridem, requerem da mulher renovados atributos: escuta, acolhimento, compaixão e despojamento.

Como a mulher se torna sábia? No desapego à pretensão de tudo saber, de tudo querer solucionar, dando-se conta de que nem tudo ela precisa solucionar. Entende que cada um tem seus processos pessoais de amadurecimento. A mulher buscará, assim, apreender a sabedoria infinita presente no coração inteligente do grande Pai-Mãe.

Esperança e sacrifício – A união é um ideal desafiador para as famílias, principalmente no contexto atual de acentuado individualismo, tornando-se uma epidemia contagiosa que desarticula o bem-estar familiar, minimizando o bem comum, dando supremacia ao prazer egoísta, pessoal. Falar de união numa sociedade que dá poderes às drogas, ao álcool, ao consumismo, ao monólogo, à bigamia? Falar de integração numa sociedade desajustada pela ausência de limites, pela manifestação da miséria moral e espiritual? Ousar o projeto proximidade numa sociedade distanciada por injustiças sociais?

Neste cenário sociofamiliar machucado, molestado e prostituído, surge, enfim, o olhar da esperança, presente na persistência da mulher. Ali onde restam pedras somente, ela calmamente se compromete com a reconstrução, e, na semelhança com Maria Madalena, anuncia que há vida.

Nos conflitos familiares, ela promove o diálogo da reconciliação. Na diferença hostil entre irmãos, ela viabiliza um canal para a aceitação, a proximidade e o perdão. Com filhos drogados, ela fortalece vínculos, dando-lhes um suporte de segurança, apoio e orientação. E os filhos infratores, ela os encaminha e acompanha na reabilitação. À filha precocemente grávida, oferece proteção. Ao cônjuge e aos filhos sem fé, tal qual Santa Mônica, oferece sua constante oração. Aos cônjuges traidores, oferece a reconciliação.

Ela não abandona a família. Cuida! Protege! Aos que choram, consola. E assim vai treinando no lar as sábias lições da misericórdia, da mansidão, da tolerância. Corajosamente, embora sofrendo, persiste e insiste, restabelece laços e entrelaços.

Mulher, onde reside seu segredo? Na humilde permissão em transplantar para o seu coração o coração de Deus. Essa mulher chora? Sim! Onde? No ombro de Deus. Essa mulher se fortalece? Sim! Onde? Na calada da noite. Enquanto a família adormece, ela se refugia no sacrário da alma e ali se abastece. E assim, mulheres do mundo, fiquem com Deus! Mãe de todos os homens, ensina-nos a perseverar e a dizer amém!

* Terapeuta familiar, especialista em Orientação Familiar.




Fonte: Família Cristã 903 - Mar/2011
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Um gigante no sertão
Estátua dedicada a padre Cícero, em Juazeiro do Norte (CE), completa meio
Um olhar que viu
Tatiana Belinky, nome importante no mundo da literatura no Brasil, celebra centenário de nascimento.
Marco Frisina no Brasil
O Brasil recebeu a visita do Monsenhor Marco Frisina, compositor e Maestro de música Sacra
Os doze profetas que encantam
As esculturas de Aleijadinho, em Congonhas do Campo (MG), fazem parte do maior museu a céu aberto
Arte e natureza
Visitantes têm experiências múltiplas em um dos maiores centros de arte contemporânea a céu aberto do mundo
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados