O legado político de um papa

Data de publicação: 17/07/2014

Francisco Borba

É natural concluir pela existência de problemas político-administrativos na Cúria Romana. Tais problemas, no entanto, seriam considerados menores em qualquer governo do mundo

 

Podemos falar em legado político de um papa? A pergunta é delicada, pois a Igreja não pode ser pensada como uma força política entre tantas que existem no mundo – ainda que não deixe de ter muita força política. Na Igreja, as repercussões políticas são consequência do compromisso com o bem comum, este compromisso é consequência do amor a cada pessoa concreta, e o amor à pessoa é o aspecto mais importante da “imitação de Cristo”, à qual todo cristão é chamado a viver. Fora deste encadeamento lógico, qualquer interesse político associado à ação da Igreja corre o risco de ser espúrio.

Que legado político um papa que renuncia deixa para a Igreja de Cristo? No contexto da renúncia de Bento XVI, o legado é o anúncio de um desapego, uma liberdade e uma esperança impensável para a maioria dos poderosos do mundo – sejam católicos ou não católicos. Vem de um acadêmico egípcio e muçulmano, Wael Farouq, a observação de que o papa mostrava para um mundo islâmico dividido por lutas de poder que um homem de Deus abria mão de seu poder para melhor servir a seu Senhor. Gilles Lapouge, jornalista e escritor francês, analisando a renúncia de Bento XVI, afirma que ela lembra Cristo, que muitas vezes se sente fatigado, ameaçado e até abandonado pelo Pai, mas no fim sempre triunfa. O italiano Rocco Buttiglione, filósofo e político católico, dizia que sentia a pequenez de todos nós diante do mistério da história e da providência de Deus.

Não somos determinados por nossos limites ou pelas forças que parecem reger o mundo. Podemos e devemos ser fiéis a nós mesmos, acreditar num Deus de amor que levará a bom termo a aventura de nossa vida e nossas responsabilidades diante do mundo e daqueles que amamos. Este é o grande legado que Bento XVI, com sua renúncia, deixa ao mundo.

 

Excepcionalidade moral – E as mudanças institucionais? E a modernização da Cúria Romana? E a eliminação dos “frutos podres” que ameaçam todos os “frutos bons” da Igreja? Sem dúvida, a renúncia cria uma “janela de oportunidades” para mudanças e modernizações. Bento XVI, ao renunciar, colocou em evidência os problemas internos da Cúria Romana. Ele renunciou porque a idade e a saúde não lhe permitiam cumprir certas funções. Mas quais? A vida de oração não tem idade, a capacidade intelectual continua invejável. Sobravam as viagens – e realmente ele teria um compromisso transoceânico com a Jornada Mundial da Juventude – e a administração da vida da Igreja.

É natural que se conclua que existem sérios problemas político-administrativos na Cúria. Aqui é bom fazer uma advertência: estes problemas provavelmente seriam considerados escândalos menores e casos particulares em qualquer governo do mundo. Mas a Cúria Romana não é qualquer governo. É a excepcionalidade moral, a retidão de intenções, o modelo de justiça esperado da Igreja Católica (tanto da parte dos seus fiéis quanto dos que lhe são hostis) que fazem com que estes casos sejam tão alardeados e tão dolorosos para a comunidade eclesial.

A renúncia abre espaço para muitas mudanças, mas é a conversão de cada um, o abandonar-se a Cristo, que permitirá que este espaço seja adequadamente ocupado. Mudanças estruturais não atendem aos seus ideais originais se não existem homens e mulheres que dão vida às estruturas mudadas – esta é uma velha lição da Igreja, confirmada em qualquer transformação política: é do coração da pessoa que brota a novidade que muda estruturas. O legado político de Bento XVI é o seu coração inundado de paixão por Cristo. Dizer isto não é ingenuidade, mas compreensão dos caminhos por onde passa a renovação na Igreja.

 

* Francisco Borba é sociólogo e coordenador do Núcleo Fé e Cultura da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo (SP).

 

 

 

 





Fonte: FC edição 928
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Depressão na adolescência
A transição da infância para adolescência, carrega em si transformações, sofrimentos e dificuldades
Romaria Nacional da Juventude
As tendas espalhadas no subsolo do santuário eram como pequenos templos
Oportunidade no campo
Programa em cidade do Rio Grande do Sul mostra aos jovens as oportunidades de empreendedorismo
Um sínodo dos jovens
“Queridos jovens, vocês são a esperança da Igreja. Como vocês sonham o seu futuro?
Juventude nada cega
Dois jovens deficientes visuais defendem seus direitos apostando na informação e na solidariedade
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados