Tráfico humano

Data de publicação: 05/08/2014

Élio Gasda*



As religiões podem contribuir no combate ao tráfico, pois para além da legítima pluralidade religiosa, a inviolabilidade da pessoa é uma verdade na qual as religiões convertem


A intensificação do tráfico de pessoas em pleno século 21 é, acima de tudo, consequência de problemas socioeconômicos estruturais do mercado capitalista e, ademais, um resultado da globalização e da desigualdade. O empobrecimento de regiões inteiras do planeta favorece todas as formas de tráfico.

O tráfico de seres humanos encontra-se entre os três negócios ilícitos mais lucrativos do mundo, movimentando uma soma estimada em 32 bilhões de dólares por ano. Calcula-se que a cada ano 1 milhão de pessoas sejam vítimas desse crime. Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), em 2012 mais de 20 milhões de pessoas foram atingidas pelo tráfico humano. Delas, 75% são do sexo feminino. As rotas possuem conexões com o crime organizado, sobretudo com o tráfico de drogas.

O Brasil é origem, trânsito e destino de pessoas traficadas, sendo 71% delas para a exploração sexual e 29% para o trabalho escravo. Conforme relatório da Secretaria Nacional de Justiça de 2012, o número de brasileiros traficados para o exterior é estimado pela Polícia Federal em 70 mil. Por isso, o II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (2013-2016) visa reduzir as situações de vulnerabilidade; capacitar profissionais, instituições e organizações envolvidos no seu enfrentamento; informar e sensibilizar a sociedade; e prevenir o crime.

A dignidade não tem preço − O tráfico de pessoas deve ser entendido como causa e consequência de violações da dignidade humana. A consciência sobre os Direitos Humanos e sobre a inviolabilidade da liberdade exige a erradicação desse crime brutal contra os mais vulneráveis. O Direito, as religiões, as filosofias ofereceram sua contribuição na construção do grau de consciência ética da humanidade. O filósofo suíço Jean-Jacques Rousseau, por exemplo, afirmava: “Nenhum homem deve ser tão rico a ponto de poder comprar a outro homem, nem tão pobre que se veja constrangido a se vender a alguém”. Da mesma forma, para a ética de Immanuel Kant, a dignidade não é moeda de troca: “No reino dos fins, tudo tem um preço ou dignidade. Quando uma coisa tem preço, pode ser substituída por algo equivalente; mas, quando uma coisa está acima de todo preço e não permite equivalência, ela tem dignidade”. O filósofo alemão explica que a ausência dos direitos à vida, à honra, à integridade física e psíquica e à privacidade é essencial à dignidade. A pessoa não tem o poder de dispor deles sem com isso reduzir sua condição humana.

O crime do tráfico consiste, portanto, em um processo de despersonalização da humanidade do outro, até convertê-lo em produto de compra e venda. Contudo, pessoas não são coisas, devem ser tratadas sempre como fim e nunca como meio. Nenhum ser humano pode ser tratado como propriedade ou como um animal: “A natureza não criou amos nem escravos”, escreveu o filósofo francês Denis Diderot. Todo ato que promova o aviltamento da dignidade desqualifica a pessoa e fere o princípio da igualdade.

A dignidade humana tem na liberdade seu campo de verificação mais evidente. Ambas têm estatuto consolidado na Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948, cujo Artigo 10 declara: “Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade”.

Os direitos humanos são universais, invioláveis e inalienáveis. Enquanto valores inerentes à pessoa, ninguém pode privar desses direitos o seu semelhante. Pessoa alguma pode ser instrumentalizada por estruturas sociais, sistemas econômicos ou projetos políticos, ou ainda por outra pessoa. Portanto, o tráfico humano é uma violação gravíssima da liberdade e da dignidade da pessoa.

Religiões e Direitos Humanos − As religiões podem contribuir no combate ao tráfico. Para além da legítima pluralidade religiosa, a inviolabilidade da pessoa é uma verdade na qual as religiões convergem. Não só há raízes religiosas nos Direitos Humanos como também as próprias tradições religiosas oferecem a eles uma fundamentação de maior profundidade.

As tradições religiosas possuem valores em comum, tais como a unidade da família humana, a igualdade e a dignidade essencial de todos os homens e mulheres e a crença de que o amor é mais forte do que a injustiça e a violência. Veja-se, a título de ilustração, como três grandes religiões dão forma à afirmação dos Direitos Humanos.

No judaísmo, o Deus único atribui a cada ser humano a mesma e inalienável dignidade: sua própria imagem e semelhança. A pessoa é um símbolo de Deus e como tal deve ser tratada. Se toda pessoa tem a forma de Deus (cf. Gn 1,26-27), o tráfico de seres humanos é uma ofensa ao Criador.

Na sequência da tradição judaica, o cristianismo contribui com a consolidação da dignidade humana: remida por Cristo, toda pessoa tem a mesma vocação e destino em relação ao divino. Nos rostos sofredores das vítimas, reflete-se o rosto do Senhor (cf. Mt 25,31-46). Por isso, além de crime hediondo, o tráfico de pessoas é uma ofensa ao Redentor da humanidade.

O islã fundamenta a absoluta dignidade humana na unicidade de Deus: “A humanidade é uma porque Deus é uno” (Corão, 87,13). O termo “preeminência do homem” (Corão 2,228) refere-se a toda a humanidade, não somente ao sexo masculino. Encontramos no Corão princípios sólidos de justiça, liberdade e igualdade. Para o islã, ninguém é verdadeiramente crente enquanto não ama ao próximo como a si mesmo.

A propósito, essa Regra de Ouro do islamismo, mais conhecida em sua versão judaico-cristã: “O que quereis que os homens vos façam, fazei vós a eles” (Lc 6,31), também se encontra no hinduísmo: “Não se deve agir em relação ao outro de um modo que seja desagradável para si mesmo, é esta a essência da moralidade” (Mahabharata XIII 114,8); e nas religiões chinesas: “O que tu mesmo não queres, não faças a outras pessoas” (Confúcio, Diálogos 15,23). Enfim, essa Lei suprema e inquestionável, na qual convergem as religiões, dispensa justificativas para o compromisso em defesa da dignidade humana, pois a crueldade do tráfico de pessoas representa também uma profanação da criação divina no outro.

Combater o tráfico − Os Direitos Humanos entraram na pauta das diferentes confissões religiosas. O critério do humano radicado no Absoluto é o fundamento para unirem-se contra as formas de agressão à dignidade dos indefesos. O consenso em torno da sacralidade da pessoa humana leva à convicção de que é possível abraçar causas comuns na defesa daquelas pessoas agredidas em sua dignidade.

Há uma relação intrínseca entre humanidade e religiosidade. A religião que não promove o respeito ao ser humano acaba perdendo a credibilidade, pois a verdadeira religião busca aperfeiçoar o amor e o respeito ao próximo. A indiferença diante do sofrimento alheio esvazia a doutrina ensinada. O tráfico de pessoas é uma realidade absolutamente devastadora que exige uma resposta firme. Nada justifica a indiferença de uma pessoa que acredita em Deus diante de tamanha desumanização e crueldade. A resposta ao sofrimento começa pela compaixão ativa com o sofredor. A solidariedade compassiva leva à indignação e ao compromisso concreto com a eliminação do mal.

As religiões não são impedimento, mas inspiração na luta contra o tráfico de pessoas. Todas são chamadas a contribuir, juntamente com as outras pessoas e instituições, na erradicação do tráfico de pessoas. Mas, como? Identificando e denunciando as práticas do tráfico em suas várias formas; promovendo ações de prevenção e de resgate da cidadania dos atingidos; reivindicando aos poderes públicos políticas de reinserção das vítimas atingidas pelo tráfico de pessoas.

Concluindo, toda pessoa exige respeito. Toda pessoa, como membro da família humana, é chamada a contribuir na erradicação do tráfico de pessoas em suas várias expressões, no trabalho escravo, no comércio de órgãos, na exploração sexual, na adoção ilegal ou em outras formas. É humanamente impossível ficar indiferente frente ao vilipêndio dos direitos essenciais de tantos irmãos e irmãs. E também como indivíduo religioso, em função de sua convicção de fé e sua opção moral de vida coerente com a fé.

Cartaz CF 2014



O cartaz da Campanha da Fraternidade (CF) de 2014, proposto pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), reflete a crueldade do tráfico humano. As mãos acorrentadas e estendidas simbolizam a situação de dominação das pessoas traficadas e o seu sentimento de impotência perante os traficantes. A mão que sustenta as correntes representa a força coercitiva do tráfico, que explora vítimas que estão distantes de sua terra, de sua família e de sua gente.

Essa situação rompe com o projeto de vida na liberdade e na paz e viola a dignidade e os direitos do ser humano, criado à imagem e semelhança de Deus.

As correntes rompidas e envoltas em luz revigoram a vida sofrida das pessoas dominadas por esse crime e apontam para a esperança de libertação do tráfico humano. Essa esperança se nutre da entrega total de Jesus Cristo na cruz para vencer as situações de morte e conceder a liberdade a todos. “É para a liberdade que Cristo nos libertou” (Gl 5,1).

* Élio Gasda é bacharel em Filosofia, doutor em Teologia e professor de Ética Teológica. O artigo foi originalmente publicado na Diálogo – Revista de Ensino Religioso – Outubro/Dezembro de 2013.




Fonte: Família Cristã 939 - Mar/2014
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Edição de abril 2011
Edição 904, abril de 2011
Edição de fevereiro 2011
Edição 902, fevereiro de 2011
Edição de janeiro 2011
Edição 901, janeiro de 2011
Edição de setembro 2010
Edição 897, setembro de 2010
Edição de dezembro 2010
Edição 900, dezembro de 2010
Início Anterior 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados