Ponto de conexão

Data de publicação: 21/10/2014

Cleusa Thewes


A família é o espaço vivencial das gerações; diversos e coloridos estilos de vida e de valores sob o mesmo chapéu. Realidade em que se tornam presentes os conflitos, os confrontos e a sabedoria

No desencontro de gerações, a sabedoria é ponte de encontro. Fabrício, 20 anos, mora com os pais. Não dialoga. Não escuta os pais. Vive com fones nos ouvidos, pernoita no chat de relacionamentos. Outra noite, conversando no chat, seu login foi bloqueado, e ele se desesperou. Depois do incidente, deu-se conta, felizmente, que estava viciado no contato via mídias digitais. 
 
Tereza, 58 anos, educadora e mãe de Lucas, 22 anos. Quando estudante, fazia seus trabalhos acadêmicos na máquina de datilografar. Na era do computador, atualizou-se. Mas tem dificuldade no manejo de programas e na interação via redes sociais. Pede socorro ao filho, que, impaciente, diz: “Mãe, você é lenta e burra, não vai aprender”. Tereza persiste. Busca aula de Informática, aprende. O filho reconhece: “Mãe, agora você é moderna e inteligente”. 

Tia Lu, 64 anos, conta orgulhosa aos netos que era uma excelente secretária estenografa. Todos caem na gargalhada.

Identificando gerações − Há 20 anos acompanhamos o boom tecnológico do universo virtual; internet, e-mail, sites de busca, redes sociais, smartphone, iPhone, tablet etc. Temos neste século 21 várias, diferentes e distintas gerações num mesmo tempo e espaço.

Geração Baby Boomers (1940/1964)

Nasce no final da Segunda Guerra Mundial com o ideal de reconstruir o mundo através do trabalho. A tecnologia era precária. Usava o telefone pregado na parede, escutava discos de 45 e 33 rotações, na vitrola, olhava TV em preto e branco, com três canais, trabalhava-se 30 a 40 anos na mesma empresa.

Geração X (1965/1978)

Identificada pelo movimento hippie e a liberação sexual. Lutava por paz e liberdade, mas também por anarquia. Estudava, trabalhava e casava jovem. Tinha oportunidades de desenvolvimento e empregabilidade. Viveu o início da Bolha da Internet e viu essa transformação em meios de comunicação sem fronteiras.

Geração Y (1978/1992)

Essa geração nasce internauta, no advento da Revolução Tecnológica. Experimenta a globalização. Tem mobilidade e habilidade. Mostra-se flexível e apta a desafios. Seu mundo é tecnológico, on-line, não viabiliza o mundo sem a internet, o celular, o tablet, o video game, o monitor-televisor e os vídeos em alta definição. Vive conectada nas redes sociais. Num só tempo estuda, ouve música, envia e-mails e conversa no Facebook. Seus relacionamentos, também ou na sua maioria, acontecem via internet. Apresenta, porém, dificuldade nos contatos pessoais, na verbalização e escuta de sentimentos. Resolve conflitos e encerra relacionamentos via redes sociais, internet, celular... 

Sob o mesmo chapéu − A família é o espaço vivencial das gerações. Diversos e coloridos estilos de vida e de valores sob o mesmo chapéu. Realidade em que se tornam presentes os conflitos, os confrontos e a sabedoria.

Os conflitos – Divergências e conflitos surgem ocasionados por pensamentos e escolhas diferenciadas. Nos conflitos, busca-se o consenso. Que tal se a sabedoria servir de ponte? A sabedoria pode conduzir pais e filhos ao entendimento, manter o referencial de valores. Pais sábios assessoram filhos com amor e paciência.

A sabedoria − E a sabedoria jovem, para que serve? Serve, sobretudo, para incluir e integrar os pais no mundo tecnológico e virtual, facilitando-lhes o aprendizado digital, o manejo e o uso da tecnologia de comunicação de ponta. 

Os confrontos − E os confrontos?  Devem acontecer e serem minimizados, pois caracterizam brigas de poder, e, por consequência, pedestais de força negativa, enrijecem,  dividem e separam. A sabedoria articula espaço para as verdades de  cada um e assim soma, ao invés de  enrijecer, dividir e separar.
Pais, valorizem o saber dos jovens. Jovens, valorizem a sabedoria de seus pais. Eles não são fontes obsoletas, com prazos de validade vencidos. São fontes atuais. Mãe da Sabedoria, humaniza nossa convivência. Amém!

* Terapeuta familiar e especialista em orientação familiar.


“Aceita, filho, a disciplina de teu pai e não desprezes a instrução de tua mãe: elas serão um formoso diadema em tua cabeça, e colares no teu pescoço” (Pr 1,8-9)




Fonte: Família Cristã 920 - Ago/2012
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Na flor da idade
Vida sexual ativa e falta de informação aumenta o número de casos de doenças sexualmente transmissíveis entre idosos
Fusão no casamento
No casamento, viver a individualidade não significa potencializar o individualismo. Casal em que um manda e o outro se submete, reduz-se a individualidade restringindo a felicidade
Dois inteiros e um casamento
No casamento, homem e mulher não são caras-metades e sim dois inteiros...
Início Anterior 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados