Missa não é opereta

Data de publicação: 04/11/2014

Ópera é um teatro todo cantado. Opereta, um teatro declamado, falado e cantado. Pode haver danças no meio. É mais ou menos isso! Os detalhes eu deixo para os especialistas em artes cênicas. Missa é culto católico, com séculos de história, que não depende de lugar para acontecer, mas, em geral, acontece num templo. Não é nem nunca foi ópera ou opereta. Quem dela participa não é ator e nem o presidente da assembleia, nem os cantores podem ser sua principal atração.

Mas são! E o são por conta de um fato: a maioria não estudou ou não respeita as orientações dos especialistas de uma ciência chamada liturgia. Liturgia deve ser o que impede que o altar vire palco, e o lado direito ou o esquerdo dele virem coxias! Regula o culto de maneira que transpareçam a catequese e a teologia.

Na hora em que o presidente daquele culto, ofuscado pelas luzes e pela fama local ou nacional, e algum cantor ou cantora deslumbrados com a sua chance de mostrar seu talento roubam a cena, temos mais uma exibição de opereta, num templo católico. Gestos, corridinhas, roupas lindas, música que estoura os ouvidos, o padre onipresente, inserções aqui e ali no script do que tratam como peça de arte, 20 músicas para uma missa, as canções duram 50 minutos e as palavras da missa 12 ou 15, o sermão do padre 25... E o povo que não pagou para assistir é convidado a deixar sua contribuição no ofertório. Isto, nos cultos em que o altar vira palco, e o celebrante que poderia, sim, ser alegre, comunicativo, acolhedor, resolve ser o ator principal com alguns coadjuvantes chamados banda católica.

Celebrar a liturgia − Nos outros cultos chamados de Eucaristia e tratados como Eucaristia, a coisa é bem outra! Tem decoro, tem lógica, obedece-se ao conteúdo e aos textos daquele dia, as canções são verdadeiramente litúrgicas, os leitores sabem ler e não engasgam, os microfones não estouram, ninguém toca nem fala para ensurdecer, músicos não entram em competição, nenhum solista canta demais, cantores apenas lideram o povo, ninguém fica dedilhando cançõezinhas durante a consagração, como fundo para Jesus que faz o seu début, as canções são ensaiadas e escolhidas de acordo com o tema da missa daquele dia, não se canta na hora da saudação de paz porque ninguém diz“bom-dia”, ou “como vai”, cantando...




Fonte: Família Cristã 925 - Jan/2013
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Saber calar e saber falar!
O silêncio é necessário e útil num relacionamento, quando tem o objetivo de ser pausa para o diálogo
Visões sobre o ser humano
Respeitar o diferente e aprofundar as convicções sobre a dignidade e o valor do ser humano
Segundas núpcias
“Famílias solidamente erguidas ajudam a passar pelas provocações sem arriscar a relação matrimonial"
Independência, até que ponto?
“Não dá para ser cristão de fato, sem assumir nossa interdependência com o planeta"
O incômodo divórcio
"Se o casal se amasse ao ponto do sacrifício, lutaria pelo seu casamento"
Início Anterior 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados