A mártir da Amazônia

Data de publicação: 12/02/2015

Por Felício Pontes Jr.*

 

“Não vou fugir, nem abandonar a luta desses agricultores, que estão desprotegidos no meio da floresta”, irmã Dorothy Stang.

 

Em 12 de fevereiro de 2005, acordamos todos assustados com uma notícia que chamaria a atenção do Brasil para o que se passava na Amazônia. Uma mulher, idosa, professora, religiosa da Congregação Notre Dame de Namur, nascida americana e naturalizada brasileira, era assassinada com seis tiros à queima-roupa, aos primeiros raios de sol daquele dia. Chamava-se irmã Dorothy Stang – ou simplesmente Doti, para os povos da floresta.

Naquele tempo, o desmatamento da Amazônia estava na casa dos 27 mil quilômetros quadrados por ano – hoje está em torno de 4 mil quilômetros quadrados por ano –, e havia forte migração de trabalhadores, sobretudo nordestinos expulsos de suas terras, para a Transamazônica. O destino de muitos era Anapu (PA), a pequena cidade à beira da estrada. Sem terem para onde ir, eles eram levados a uma casa feita de madeira, pintada de verde-água, ao lado da Igreja de Santa Luzia, na qual seriam acolhidos com comida e lugar pra atar a rede.

A Doti lhes dizia que o lugar que havia sido destinado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), para ocupação ficava a 40 quilômetros de distância, num travessão quase intransitável da Transamazônica. Muitos aceitaram como tábua de salvação. Seria um assentamento diferente, sem a devastação altíssima naquele tempo.

O assentamento foi batizado com o sugestivo nome de Projeto de Desenvolvimento Sustentável Esperança, e se desenvolvia a passos largos. Doti levou sementes de cacau, nativo da região, e promoveu o consórcio com outras espécies: açaí, castanha, banana etc. Para resumir, ajudou a região a se tornar uma das maiores produtoras de cacau do Brasil. Produziu melhoria econômica não vista em nenhum outro assentamento na Amazônia.

Isso atraiu a ganância da elite econômica da região – grileiros, madeireiros e fazendeiros. Aquele exemplo de projeto de desenvolvimento era pequeno, mas muito “perigoso” aos olhos dessa elite. Se a ideia se espalha, o poder político-econômico mudaria na Amazônia. E, assim, a juraram de morte e consumaram o ato, como mostrado no premiado filme Mataram Irmã Dorothy.

Em uma de suas famosas cartas, Doti declarou: “Não vou fugir, nem abandonar a luta desses agricultores, que estão desprotegidos no meio da floresta. Eles têm o sagrado direito a uma vida melhor, numa terra onde possam viver e produzir com dignidade, sem devastar”.   

Na homilia da missa de corpo presente, dom Erwin Kräutler, o bispo do Xingu, confessou que, quando de sua apresentação, em 1982, ela pediu que fosse enviada ao trabalho com os mais pobres entre os pobres. E completou: “Agora Dorothy fala com Jesus do alto da cruz: ‘Tudo está consumado’ (Jo 19,30). Sua vida e sua morte são o testemunho inequívoco do amor levado até as últimas consequências. ‘Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos’” (Jo 15,13). Sim, Dorothy deu sua vida! Deu o testemunho mais eloquente de seu amor: derramou seu sangue. Nós perdemos a Doti. E a Amazônia ganhou sua mártir.

* Felício Pontes Jr. é procurador Geral da República, no Pará, e mestre em Teoria do Estado e Direito Constitucional.





Fonte: Família Cristã
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Edição de abril 2011
Edição 904, abril de 2011
Edição de fevereiro 2011
Edição 902, fevereiro de 2011
Edição de janeiro 2011
Edição 901, janeiro de 2011
Edição de setembro 2010
Edição 897, setembro de 2010
Edição de dezembro 2010
Edição 900, dezembro de 2010
Início Anterior 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados