7 pecados capitais

Data de publicação: 25/02/2015

Paixões, desejos exacerbados, atitudes desordenadas, teólogos refletem sobre os sete pecados capitais


Por André Bernardo


Quando o papa Gregório Magno instituiu, lá no século 6º, a lista “oficial” dos pecados capitais, não imaginou que ela pudesse servir de fagulha criativa para tanta gente. Do poeta italiano Dante Alighieri, que escreveu a obra-prima Divina comédia, ao pintor holandês Hieronymus Bosch, que imortalizou o quadro Os sete pecados capitais, o número de artistas que buscaram inspiração nos principais vícios do coração humano – orgulho, inveja, avareza, luxúria, ira, gula e preguiça – é aparentemente incontável. Prova disso é que, 15 longos séculos depois, os sete pecados capitais, quem diria!, ainda rendem assunto para filmes, como Se7en – Os sete crimes capitais estrelado por Brad Pitt em 1995; sambas-enredos, como Os sete pecados capitais escolhido pela Unidos do Viradouro em 2001, e até telenovelas, como Sete pecados, escrita por Walcyr Carrasco em 2007. 

Segundo o padre Jesus Hortal, doutor em Direito Canônico e ex-reitor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), os sete pecados capitais são, na verdade, “paixões fundamentais do ser humano, que escaparam do quadro da racionalidade e que, por isso, se converteram em vícios”. E sintetiza: “São os instintos mais primordiais, de conservação e expansão da própria vida e da própria espécie”, afirma. Nesse aspecto, o pecado do orgulho corresponderia à autoestima, a avareza estaria apoiada no espírito da economia, a inveja ficaria em paralelo com o desejo de atingir sempre novas metas, e assim por diante. “Daí que se possa dizer que, em todos os chamados ‘pecados capitais’, dá para enxergar algum aspecto ‘bom’. Ao perderem, porém, o referencial da razão, essas paixões acabam se tornando prejudiciais ao próprio indivíduo e a todos aqueles que o rodeiam”, alerta padre Jesus Hortal.

“Atitudes pecaminosas” − Mas por que esses sete pecados são chamados de capitais? A resposta a essa pergunta se encontra no nº 1.866, do Compêndio Catecismo da Igreja Católica. “São chamados capitais porque geram outros pecados, outros vícios.” Explica-se. Em latim, caput quer dizer “raiz, cabeça”. “É um pecado que encabeça (daí a palavra ‘capital’) muitos outros pecados”, esclarece o frei Nilo Agostini, doutor em Teologia. “De acordo com a doutrina clássica, não são necessariamente pecados mortais, mas abrem a porta para um conjunto de atitudes pecaminosas que, com frequência, são ‘mortais’”, complementa padre Jesus Hortal. Sim, se os pecados capitais são sete, as “atitudes pecaminosas” a que se refere esse doutor em Direito Canônico chegam a 44. Traição, mentira, fraude, violência, perjúrio, desespero, rancor, malícia, desobediência e hipocrisia são “apenas” algumas delas. 

A lista elaborada pelo papa Gregório Magno pode ter sido a definitiva. Mas não foi a primeira. Antes dela, houve outras. Muitas outras. A primeira que se tem notícia foi feita por Evágrio Pôntico (345-397), ainda no século 4º. Depois, vieram São João Cassiano (360-435), São João Clímaco (525-606) e Santo Isidoro de Sevilha (560-636). Segundo frei Nilo Agostini, tais listas eram apenas “parcialmente diversas entre si”. Em linhas gerais, a principal diferença estava na acídia, pecado que, por vezes, substituía a preguiça. Mas, aliás, o que vem a ser acídia? Quem responde é o padre Jesus Hortal. “A literatura monástica apresentava a acídia, também chamada de tristeza espiritual, como a tentação básica dos monges do deserto”, explica. “Talvez hoje pudéssemos qualificar a acídia, do ponto de vista psicológico, como depressão”, contextualiza o reitor da PUC-Rio.

Desejos exacerbados − Se o padre Jesus Hortal classificou os sete pecados capitais como “paixões fundamentais”, frei Nilo Agostini prefere categorizá-los como “desejos exacerbados”. Nesse sentido, a avareza seria o desejo exacerbado de bens materiais e de conforto, a gula não passaria do desejo exagerado da boa comida, do álcool e das várias drogas, a luxúria poderia ser entendida como o exercício descontrolado da sexualidade, e o orgulho como o instinto de agressividade através da pretensão do todo poder. Já a ira seria a violência desordenada contra o próximo, e a preguiça, a falta de interesse em sair do marasmo espiritual. Mesmo constando entre os sete pecados, o orgulho (ou soberba) costuma ser apresentado não só como o mais importante entre eles, mas o início de todo pecado. “São Gregório Magno nomeia a soberba a mãe e a rainha de todos os vícios”, acrescenta frei Nilo.

Na opinião do escritor João Baptista Herkenhoff, a essência dos sete pecados capitais permanece viva. Mas deve se adequar às características da nossa época. Autor do livro Os novos pecados capitais, ele afirma que os sete pecados capitais clássicos constituem o fundamento dos sete pecados capitais modernos. Apenas mudaram de nome. O materialismo é a versão moderna da avareza, o individualismo é a nova face da preguiça, a fome de lucro sem limites sucedeu a gula, o consumismo é a luxúria do mundo capitalista, o imperialismo político e econômico é a manifestação atual do orgulho, a corrida armamentista é a máscara da velha ira e a inveja é alimentada pela ostentação da riqueza. “Não digo que os pecados capitais se tornaram anacrônicos, mas eles assumiram uma dimensão social. O bom intérprete deve estar atento à mudança de cenário”, pondera o autor.

No meio de tantos vícios e pecados, uma pergunta não quer calar: e as virtudes capitais, por onde andam? Que fim levaram a humildade, a generosidade, a caridade, a mansidão, a castidade, a temperança e a diligência? Organizadora dos livros Pecados e virtudes, em parceria com Eliana Yunes, Maria Clara Lucchetti Bingemer, doutora em Teologia, explica que, ao contrário do pecado, a virtude talvez atraia menos a atenção e a curiosidade de tantos por ser mais rara. A virtude, segundo ela, não está disponível em cada esquina, oferecendo-se para quem passar. “Para descobri-la, é preciso escavar o solo, como quem busca uma pepita de ouro ou uma pérola valiosa, como diz o Evangelho de São Mateus. É preciso dar-se tempo e trabalho para encontrar esse artigo cada vez mais raro em nossos dias”, alerta a teóloga, antes de concluir: “Se tanto mais raras são, mais necessárias se asseveram”. 




Fonte: Familia Crista ed. 928 - abril de 2013
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Medo do doutor?
Como ajudar as crianças a superarem o receio de consultas médicas e odontológicas.
Navegue com segurança
Viver no ambiente digital abre novos horizontes e possibilidades, mas requer cuidados
O melhor alimento para o bebê
O aleitamento materno é uma unanimidade mundial. Todos os profissionais de saúde reconhecem
Hora do pesadelo
Pesadelos são ruins em qualquer idade, mas os pais ficam mais angustiados quando são seus filhos.
Viver bem dentro de casa
Uma família unida enfrenta e supera os desafios da vida com maior facilidade.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados