Evangelho na comunidade

Data de publicação: 05/03/2015

Reflexão Cônego Celso Pedro da Silva - celsopedro@uol.com.br
Arte Sergio Ricciuto Conte - www.sergioricciutoconte.com.br



Ano B – 8 de março de 2015

3º Domingo da Quaresma

Ex 20,1-17 − Não terás outros deuses além de mim.
Sl 18 (19) − Senhor, meu rochedo.
1Cor 1,22-25 −  Proclamamos Cristo crucificado.
Jo 2,13-25 − O zelo por tua casa me consumirá.

Por ocasião da festa da Páscoa, Jesus vai a Jerusalém, entra no Templo e defronta-se com os vendilhões. Vendiam material para os sacrifícios, e os cambistas trocavam as moedas dos que vinham de fora. Jesus faz um verdadeiro esparramo, derrubando mesas e espalhando moedas. Foi mais calmo com os que vendiam pombas, certamente pequenos comerciantes pobres. A eles Jesus pediu que não fizessem da casa de seu Pai uma casa de comércio. Embora cheio de zelo pela casa do Senhor, Jesus devia se explicar. Quem era ele, afinal, para proceder dessa maneira num espaço que tinha chefes e responsáveis? Pediram-lhe que desse um sinal que legitimasse o seu proceder. Jesus responde apontando para a ressurreição de seu corpo. “Destruam este Templo, o meu corpo, e em três dias o levantarei.” Estaria ele substituindo o Templo por seu próprio Corpo, que chamaremos depois de Corpo Místico de Cristo, sendo ele a cabeça e nós os membros? Por que então se preocupou em purificar o Templo de pedra se ele tinha perdido a sua função? De fato, todas as Escrituras e tudo o que até agora aconteceu se concentram e se realizam na pessoa de Jesus. Ele, só, é suficiente e basta. No céu não haverá mais Templo. No entanto, a ele nos juntamos nós, que somos Templo do Espírito Santo, mas humanos, limitados e imperfeitos. Podemos querer comercializar a casa do Pai e na casa do Pai.
Quando fomos batizados, renunciamos a satanás com todas as suas obras e recebemos o Espírito Santo. Fomos purificados e nos tornamos casa de Deus, templos do Espírito. Escrevendo aos gálatas, São Paulo elenca as obras más, que são fornicação, impureza, libertinagem, idolatria, feitiçaria, ódio, rixas, ciúmes, ira, discussões, discórdia, divisões, invejas, bebedeiras, orgias, e coisas semelhantes a estas, que deixamos para trás. Uma vez batizados, cultivamos os frutos do Espírito que são amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, autodomínio. De Moisés recebemos a grande orientação de vida, os Dez Mandamentos. Não somos salvos pela observância da Lei, mas a Lei é o nosso pedagogo. Quem tem o dom do Espírito descobre o que ela ensina e a orientação que ela dá para o cultivo dos frutos do Espírito.
Que serviço podemos prestar à humanidade a partir da purificação do Templo e da vida nova do Ressuscitado? Certamente não será com os sinais que os judeus pedem nem com a sabedoria procurada pelos gregos. Será com escândalo e insensatez: o Cristo crucificado. Isto significa na prática uma presença amorosa, silenciosa e gratuita, sem pretensões de imposições, julgamento ou correção. A Campanha da Fraternidade normalmente propõe temas de conversão social não apenas para os católicos, mas para todo o País, visando ao bem de todo o povo. Neste ano, o exame de consciência é para a Igreja no seu relacionamento com a sociedade civil: a Igreja existe para servir. Pensando que a Quaresma nos leva a uma séria tomada de consciência do nosso Batismo, se não ao próprio Batismo, concluímos que fomos batizados para prestar serviço. Afinal, nós nos inserimos naquele que veio para servir e não para ser servido. O tema do serviço tira de nós toda pretensão de poder e dominação. Caminhamos com quem não faz parte do nosso grupo e lavamos-lhe os pés.

Leituras e Salmos
(9 a 14 de MARÇO)
2af.: 2Rs 5,1-15a; Sl 41 (42); Lc 4,24-30.
3af.: Dn 3,25.34-43; Sl 24 (25); Mt 18,21-35.
4af.: Dt 4,1.5-9; Sl 147 (147B); Mt 5,17-19.
5af.: Jr 7,23-28; Sl 94 (95); Lc 11,14-23.
6af.: Os 14,2-10; Sl 80 (81); Mc 12,28b-34.
Sáb.: Os 6,1-6; Sl 50 (51); Lc 18,9-14.









Fonte: FC ediçao 950
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Revista Família Cristã - Edição de Abril de 2013
Na terça-feira, 12 de março de 2013, 115 senhores vindos de vários cantos do mundo se encontraram e se fecharam na Capela Sistina, em Roma, para escolher o 266º sucessor de Pedro como Pastor da Igreja.
Revista Família Cristã - Edição de Março de 2013
Um gesto corajoso e inesperado, o de Bento XVI. Mas não abalou a Igreja, porque é Deus que a dirige, o papa é apenas “um simples e humilde operário na vinha do Senhor”, como ele disse logo após a sua eleição, em 19 de abril de 2005.
Revista Família Cristã - Edição de Fevereiro de 2013
Ao sentar para escrever este texto, veio-me à mente o modo como meus pais educaram e formaram a mim e meus irmãos na fé cristã, na Igreja Católica. Em particular fiz memória de como vivíamos o período da Quaresma e com muita intensidade a Semana Santa.
Revista Família Cristã - Edição de Janeiro de 2013
Caso o leitor esteja lendo isto, dê-se por feliz. Porque contrariando algumas expectativas que circularam intensamente em 2012, o mundo não acabou! E isso vale dizer: ganhamos outra chance, em 2013, de viver em um mundo melhor. Tudo bem...
Edição de Novembro de 2012
“É morrendo que se vive para a vida eterna.” Neste mês em que grande parte do mundo ocidental celebra o Dia de Todos os Santos e, não por acaso, também o Dia de Finados, não há como deixar de recorrer a esse verso da Oração de São Francisco de Assis...
Início Anterior 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados