Famílias, um só amor

Data de publicação: 17/03/2015


“A família atravessa uma crise cultural profunda, como todas as comunidades e vínculos sociais”, papa Francisco

 Karla Maria


A família está em pauta entre os bispos do mundo e entre os parlamentares brasileiros. É tema em paróquias, comunidades, casas. A família são os agrupamentos consanguíneos ou por afeição, refletidos em pesquisas que apontam uma realidade distante da dita “família convencional”. Dados de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam, por exemplo, que pouco mais de um terço dos brasileiros vive algum tipo de união conjugal não formalizada. A união consensual passou de 28,6% para 36,4%. A proporção de pessoas casadas no civil e no religioso, no mesmo período, caiu de 49,4% para 42,9% na década. As famílias monoparentais também são uma realidade: 12,2% das mulheres vivem apenas com os filhos, sem o cônjuge. Entre os homens, o número é de 1,8%. A mesma pesquisa registra a presença de cerca de 60 mil casais formados por pessoas do mesmo sexo, o que representa crianças com dupla “maternidade” ou dupla “paternidade”.
Para refletir sobre o olhar da Igreja Católica diante dessas realidades, das famílias, o papa Francisco realizou o Sínodo Extraordinário dos Bispos; para regulamentar o funcionamento e seus direitos, os parlamentares brasileiros discutem no Congresso Nacional o estatuto da família; e a Revista Família Cristã, por aqui, recorre à doutora em teologia Maria Inês de Castro Millen, coordenadora de Pesquisa do Centro de Ensino Superior de Juiz de Fora (CES/JF), para dar o pontapé inicial nos trabalhos de compreensão e descoberta do rosto dessas não “tão novas” famílias brasileiras.

FC – Qual a definição de família? A senhora concorda com antropólogos que afirmam que a família é uma instituição cultural? Por quê?
Maria Inês Castro Millen − O Dicionário Michaelis define a família, retomando conceitos antropológicos e sociológicos, como: 1) Conjunto de pessoas, em geral ligadas por laços de parentesco, que vivem sob o mesmo teto, particularmente o pai, a mãe e os filhos; 2) Conjunto de ascendentes, descendentes, colaterais e afins de uma linhagem ou provenientes de um mesmo tronco, estirpe; 3) Pessoas do mesmo sangue ou não, ligadas entre si por casamento, filiação ou mesmo adoção, que vivem ou não em comum, parentes, parentela; 4) fig. Grupo de pessoas unidas por convicções, interesses ou origem comuns.

FC – Qual a definição de família a partir da perspectiva da Teologia Moral?
Maria Inês Castro Millen − Retomo aqui a conceituação de família oferecida pela Igreja, através da sua Doutrina Social. Esta a define como “uma íntima comunhão de vida e de amor entre pessoas, fundada no matrimônio entre um homem e uma mulher”. Diz ainda que é “lugar primário de relações interpessoais, que é a célula primeira e vital da sociedade”, que “é uma instituição divina, colocada como fundamento da vida das pessoas, como protótipo de todo ordenamento social”.

FC – A definição da Igreja coaduna com a definição apresentada pela sociedade?
Maria Inês Castro Millen − Essa definição que a Igreja traz é importante e necessária, porque nos coloca diante do ideal moral, mas que nem sempre coincide com o real. Por essa razão, não podemos desconsiderar a experiência concreta das pessoas, na sua riqueza, mas, sobretudo na sua fragilidade, que faz com que elas vivam e sobrevivam em outros contextos e em outros modelos organizacionais, às vezes distantes do ideal proposto, mas hoje aceitos e considerados na sua dignidade pelas diferentes culturas e sociedades. 

FC – A união consensual aumentou no Brasil. As famílias monoparentais são uma realidade, bem como aquelas formadas por pessoas do mesmo sexo e assim crianças com dupla “maternidade” ou dupla “paternidade”. Diante de tais fatos, como a Teologia Moral lê a realidade dessas pessoas?
Maria Inês Castro Millen − Aqui visito o papa Francisco. Este, na sua exortação Evangelii Gaudium, reconhece que “a família atravessa uma crise cultural profunda, como todas as comunidades e vínculos sociais”. E diz mais: “No caso da família, a fragilidade dos vínculos reveste-se de especial gravidade, porque se trata da célula básica da sociedade, o espaço em que se aprende a conviver na diferença e a pertencer aos outros, e no qual os pais transmitem a fé aos filhos.” Assim, a Teologia Moral percebe que essas realidades precisam ser consideradas, vistas, lidas e refletidas de maneira séria e serena, para que o Evangelho de Jesus Cristo possa ser proposto e considerado uma notícia alegre a ser comunicada a todos e não como fardo pesado que as pessoas não suportam carregar.

FC – A Igreja Católica, preocupada com essas “novas e diferentes” configurações familiares, está pronta pastoralmente para lidar com tais realidades?
Maria Inês Castro Millen − Todas essas realidades, que não são novas, mas agora mais visibilizadas, precisam ser consideradas, olhadas pela Teologia Moral católica com o mesmo olhar misericordioso e amoroso de Jesus, que não julga, mas acolhe, se aproxima, cuida e salva.

FC – Qual o papel do Sínodo nesse contexto?
Maria Inês Castro Millen − O Sínodo sobre a Família, que começou pela consulta pública, na busca do sensus fidelium, mostra que a Igreja está disposta a refletir sobre essas situações reais, apontando para ações pastorais que, sem negligenciar os ensinamentos que garantem o ideal desejado, possam, de modo criativo e responsável, buscar novos caminhos.

FC – Esta é uma abertura do papa Francisco?
Maria Inês Castro Millen − É útil recordar as palavras do papa Francisco ditas na missa de 9 de maio de 2014, na Casa Santa Marta: “A vinhos novos, odres novos. A novidade do Evangelho. O que ele nos traz? Alegria e novidade. Os doutores da lei estavam fechados em seus mandamentos, em suas prescrições. São Paulo, falando deles, nos diz que antes da fé – ou seja, de Jesus – todos nós estávamos protegidos como prisioneiros sob a lei. A lei dessas pessoas não era má: protegidos, mas prisioneiros, à espera que chegasse a fé. Aquela fé que teria sido revelada, no próprio Jesus. [...] O Evangelho – disse ainda Francisco – é novidade! O Evangelho é festa, e só se pode vivê-lo plenamente em um coração alegre e renovado! Que o Senhor nos dê a graça de observar esta lei no mandamento do amor, nos mandamentos que provêm das bem-aventuranças”... Que o Senhor nos dê a graça de ‘não permanecermos prisioneiros’, mas também a graça ‘da alegria e da liberdade que nos traz a novidade do Evangelho’”.

FC – A Pastoral da Diversidade é realidade em alguns estados como Rio de Janeiro e São Paulo. Não é, contudo, legitimada por suas dioceses. Por quê?
Maria Inês Castro Millen − Muitas vezes, temos medo do diferente. Estamos presos aos nossos conceitos e às nossas pretensões de verdade. No entanto, precisamos ter presente, com a Escritura, que no amor não há temor. A grande novidade trazida por Jesus, que escandalizou a muitos do seu tempo, e que continua escandalizando hoje, é aquela que aponta para o amor incondicional oferecido, sobretudo, àqueles considerados pela ordem vigente não merecedores deste amor, como diferentes indesejados, que devem permanecer à margem da vida.

FC – Por que a mulher ainda está distante da paridade aos homens na Igreja? Onde isto se justifica?
Maria Inês Castro Millen − Aqui é preciso que a longa História do Ocidente cristão seja considerada na sua cultura patriarcal machista. A ascensão social da mulher é muito recente. A Igreja caminha devagar, em função de sua pesada estrutura bimilenar, mas também de sua prudência, às vezes pouco criativa.

FC – Mas há esperança?
Maria Inês Castro Millen − Há esperança! Recorro novamente ao papa Francisco, na entrevista que deu aos jornalistas, no avião, de volta a Roma, depois da Jornada Mundial da Juventude: “Uma Igreja sem as mulheres é como o Colégio Apostólico sem Maria. O papel das mulheres na Igreja não é só a maternidade, a mãe de família, mas é mais forte: é precisamente o ícone da Virgem Maria, de Nossa Senhora; aquela que ajuda a Igreja a crescer. Mas pensem que Nossa Senhora é mais importante que os apóstolos! É mais importante! A Igreja é feminina: é Igreja, é esposa, é mãe. Mas, na Igreja, a mulher não deve apenas... –  não sei como dizer em italiano – o papel da mulher na Igreja não deve se circunscrever a ser mãe, trabalhadora... Limitá-la não! É outra coisa! Mas os papas... Paulo VI escreveu uma coisa bonita sobre as mulheres, mas acho que se deve avançar mais na explicitação desse papel e carisma da mulher. Você não pode entender uma Igreja sem mulheres, mas mulheres ativas na Igreja, com o seu perfil, que fazem avançar. Vem-me à mente um exemplo que não tem nada a ver com a Igreja, mas é um exemplo histórico na América Latina: o Paraguai. Para mim, a mulher do Paraguai é a mulher mais gloriosa da América Latina. Você é paraguaio? Após a guerra, ficaram oito mulheres para cada homem, e essas mulheres fizeram uma escolha um pouco difícil: a escolha de ter filhos para salvar a pátria, a cultura, a fé e a língua. Na Igreja, temos de pensar a mulher sob essa perspectiva de escolhas arriscadas, mas como mulheres. Isso deve ser explicitado melhor. Eu acho que ainda não se fez uma profunda teologia da mulher na Igreja. Limitamo-nos a dizer que pode fazer isto, pode fazer aquilo, agora faz a coroinha, depois faz a leitura, é a presidente da Cáritas... Mas há muito mais! É necessário fazer uma profunda teologia da mulher. Isso é o que eu penso.”

FC – É possível uma teologia da mulher?
Maria Inês Castro Millen − Como ele (o papa Francisco) também penso que ainda não se fez uma profunda e frutuosa teologia da mulher. Sua condição de criatura, com a dignidade que lhe é inerente, pelo fato de ser imagem e semelhança de Deus na sua relacionalidade com o homem, ainda não foi devidamente considerada. Sem essa reflexão, que apontará passos concretos a serem dados, não faremos jus, como Igreja, a tudo que as mulheres representam e a todo o seu potencial criativo e genial, como diz o papa, ainda a ser descoberto.




Fonte: FC ediçao 949 -Jan 2015
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Festa da acolhida
Em uma tarde de chuva e de muita festa, Papa Francisco participou da acolhida da Jornada Mundial da Juventude, na Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. Antes da chegar ao palco, o Papa percorreu, de papamóvel, a Avenida Atlântica, saudando a multidão
"Vejo vocês em 2017"
Durante a visita ao Santuário da Padroeira do Brasil, onde esteve pela última vez em 2007, Papa Francisco confiou a Jornada Mundial da Juventude a Nossa Senhora Aparecida.
Fiéis visitam exposição
A exposição "A herança do sagrado" com obras-primas de museus do Vaticano concilia fé e arte
Fun Zone para peregrinos
Infraero monta área de lazer e descanso para peregrinos da JMJ no Aeroporto Internacional do Galeão
Trago Cristo
No seu discurso, feito em português, Papa Francisco demonstrou alegria ao voltar à América Latina em sua primeira viagem internacional.
Início Anterior 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados