Mexa-se contra a incontinência

Data de publicação: 26/03/2015

A incontinência urinária atinge 10% da população mundial; saiba como preveni-la e combatê-la com exercícios físicos

Karla Maria
Ilustração: Rebeca Venturini


Você está caminhando pela rua e de repente precisa apertar o passo à procura de um banheiro. Você está em uma roda de amigos ouvindo piadas e uma delas é tão boa que você solta aquela risada que não sai sozinha. Você pega um objeto pesado e logo começa o constrangimento: a roupa molhada da urina que escapou sem o seu controle. Se você se identificou com alguma dessas cenas, saiba que você não está sozinho(a), pelo contrário.
Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam que 10% da população mundial apresenta algum tipo e grau de incontinência urinária. No Brasil, estima-se que são 15 milhões de pessoas com essa disfunção, sendo 9% mulheres e 4,5% homens.
De modo geral e popular, a incontinência é vista como um problema que afeta mulheres mais velhas, embora existam evidências de que durante atividades físicas estressantes seja comum entre mulheres jovens, fisicamente ativas, a presença da incontinência, e é fácil entender o motivo, quando observamos as causas e o tipo de incontinência.
Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia, as causas da incontinência podem ser genéticas, hormonais, por envelhecimento, tabagismo, bexiga hipe- rativa, lesões medulares ou doenças do sistema nervoso, já que ela está dividida em três tipos: incontinência urinária de esforço, de urgência e mista.
A incontinência por esforço é aquela em que há perda de urina ao tossir, rir, fazer exercícios. A de urgência é quando há súbita vontade de urinar e a pessoa não consegue chegar a tempo ao ba- nheiro e a mista é quando há associação dos dois tipos anteriores.
Na incontinência urinária de urgência, o mecanismo neurológico de controle da sensação da bexiga cheia não funciona, como nos bebês. “Neles, por exemplo, isso é automático, encheu a bexiga, os receptores dela captam o volume cheio e liberam (a urina). Isto é um controle reflexo, nevrálgico, neurológico. A incontinência urinária de emergência acontece quando há uma atividade anormal desse mecanismo. A bexiga enche, você não tem o controle voluntário deste músculo e ele simplesmente expulsa”, explica a fisioterapeuta e especialista osteopata Ana Paula Cochar.
Pessoas, portanto, que tenham sofrido um acidente com lesão medular, que apresentam alguma alteração de coluna, da parte que faz a enervação da bexiga ou qualquer problema de coluna, tipo hérnia de disco, lesão medular, vão ter uma alteração de bexiga, e assim uma incontinência urinária associada.
Já a incontinência por esforço – o principal tipo de incontinência entre as mulheres – acontece por uma debilidade muscular. “A bexiga enche, o esfíncter é débil, fraco, impotente, e simplesmente a urina sai. Este caso é muscular, ou seja, a incontinência urinária de esforço acontece por uma debilidade muscular”, aponta Ana.
Nos casos em que tanto a questão muscular quanto o mecanismo neurológico estão débeis, aí se apresenta a incontinência urinária mista.


Raio X da população brasileira –
Entre as mulheres que possuem incontinência urinária, 50% são por esforço, por fraqueza muscular; 29% têm incontinência mista e 22% têm de urgência, por alguma disfunção neurológica. Já entre os homens, o cenário se inverte: 73% têm incontinência de emergência por disfunção neurológica; 19% mista e apenas 8% por esforço.
“E aí a gente começa a entender por que a debilidade muscular é tão alta entre as mulheres. Falta exercício. Os exercícios de fortalecimento do assoalho pélvico envolvem diretamente o ânus e a vagina, partes do corpo que na mulher são deixadas culturalmente de lado, escondidas”, diz a fisioterapeuta lembrando que a falta de exercícios de modo geral e específicos leva à maior incidência de incontinência.
Relatórios do Ministério da Saúde apontam que 35% das mulheres, após a menopausa, sofrem de incontinência urinária ao fazer algum esforço, e 40% das mulheres gestantes vão apresentar um ou mais episódios de incontinência urinária durante a gestação ou logo após o parto.
Já entre os homens, a especialista lembra que há evolução de incontinência urinária após a extração da próstata (prostatectomia radical). Cerca de 5% dos submetidos a essa cirurgia apresentam o problema. Segundo estudo do urologista Cristiano Mendes Gomes, realizado no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), 96% dos pacientes que fizeram fisioterapia como tratamento pós-cirúrgico adquiriram, após 12 meses, a continência e aceleraram sua recuperação. Os exercícios de contração da musculatura do assoalho pélvico podem ajudar a reduzir ou até a curar a perda involuntária de urina.
O tratamento fisioterápico, segundo Cristiano e Ana, tem grande importância na reabilitação do assoalho pélvico. O primeiro passo para o tratamento é buscar um médico urologista, ginecologista ou obstetra que vai identificar o tipo de incontinência e dar ferramentas, informações para o trabalho do fisioterapeuta.
“É fundamental que as pessoas procurem ajuda logo que percebam que a incontinência está aparecendo. Os homens são mais práticos e a tratam com mais facilidade, já as mulheres escondem e maquiam o problema com absorventes diários”, revela Ana, com base em experiências no seu consultório.
Este é o caso da paulistana Maria (nome fictício). Aos 51 anos, mãe de três filhos, ela revela o incômodo de sua disfunção. “É uma situação muito desagradável e limitante. Às vezes penso se devo ou não sair de casa”, explica a autônoma, que sempre leva uma muda de roupa consigo.
Mas Maria não está sozinha. Outra pesquisa, realizada na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (FCM/Unicamp) com 164 mulheres com queixa de incontinência urinária, internadas em clínicas de ginecologia e urologia de dois hospitais-escola da cidade de Campinas (SP), com idades entre 25 e 85 anos, mostrou alterações em seu cotidiano (64%), dificuldades nas relações sexuais (40,9%), sociais (33,5%), domésticas (18,9%) e ocupacionais (15,2%).
“Seu efeito psicossocial (da incontinência urinária) pode ser mais devastador do que as consequências sobre a saúde, com múltiplos e abrangentes efeitos que influenciam as atividades diárias, a interação social e a autopercepção do estado de saúde”, aponta o estudo das pesquisadoras Maria Helena Baena de Moraes Lopes e Rosângela Higa.
“Observou-se que a incontinência urinária provoca sentimentos de baixa autoestima na mulher e interfere na sua vida sexual, restringe o contato social, interfere nas tarefas domésticas e no trabalho. Além disso, acarreta problemas econômicos devido a gastos com absorventes e, por vezes, ao impedir ou dificultar o trabalho remunerado fora de casa”, concluíram.

Previna-se

É possível prevenir a incontinência com a realização de exercícios físicos para o fortalecimento da musculatura do assoalho pélvico. A seguir alguns exercícios para você fazer em casa.




Orientações


√ Faça 10 repetições de 10 segundos em cada movimento.
√ Realize os exercícios pelo menos três vezes por semana.
√ É importante realizar o movimento com consciência.

 Outras dicas

√ Pratique exercícios físicos com regularidade.
√ Suba e desça escadas.
√ Retenha a urina de vez em quando.
√ A dança do ventre é uma dica boa.






Fonte: FC ediçao 950-FEV 2015
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Doença celíaca
Doença do intestino delgado, autoimune, crônica, causada por uma reação ao glúten
TOD à luz da escuta de Baco
Transtorno Opositivo Desafiador, conheça esta doença
Doenças autoimunes
Quando nosso sistema imunológico se desequilibra, entram em cena as doenças autoimunes
Você cuida bem da sua audição?
A saúde da nossa audição é também questão de bem-estar
Sinusite ou rinite?
Tanto a sinusite como a rinite são inflamações que afetam as mesmas regiões do corpo.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados