Doença celíaca

Data de publicação: 04/06/2020

Por Carmem Maria Pulga
Crédito das fotos: Freepik.com

A doença celíaca é uma reação imunológica do intestino, relacionada à intolerância ao glúten, uma proteína encontrada no trigo, na aveia, na cevada, no centeio e em seus derivados. Trata-se de doença autoimune, ou seja, as células do organismo agridem a si mesmas, causando como principais sintomas dor abdominal, diarreia e flatulência; além disso, tal condição crônica causa atrofia da mucosa do intestino, prejudicando a absorção de nutrientes, sais minerais e água.

As paredes do intestino são inteiramente revestidas de pequenas vilosidades que permitem a absorção dos nutrientes pelo organismo. Ao passar pelo intestino, o alimento entra em contato com essas vilosidades que, por sua vez, absorvem as vitaminas e minerais dos alimentos.

O glúten nada mais é do que uma proteína de tamanho grande, formada por duas proteínas menores chamadas, no trigo, de gliadina e glutenina, e encontradas separadamente no interior dos grãos, especificamente no seu endosperma. Quando preparamos a massa de alguma receita e adicionamos água, essas proteínas, antes separadas, se encontram e criam pontes, formando assim o glúten.

Essa substância possui diferentes finalidades na produção dos alimentos. No processo de fermentação do pão, por exemplo, o glúten contido na farinha de trigo é responsável pela permanência dos gases no interior da massa, fazendo com que o pão aumente de volume e não diminua após esfriar.

A doença celíaca é diferente de sensibilidade ao glúten ou intolerância ao trigo. Se você tem sensibilidade ao glúten, pode ter sintomas semelhantes aos da doença celíaca, como dor abdominal e cansaço; porém, ao contrário da doença celíaca, a sensibilidade ao glúten não danifica o intestino delgado.

A sensibilidade é muito mais difícil de ser diagnosticada. Não é possível fazer uma biópsia por não haver danos ao intestino. Um gastroenterologista pode realizar o diagnóstico excluindo o glúten da dieta do paciente, o que permite verificar se os sintomas melhoram ou pioram sem sua ingestão.

Tipos – Os principais tipos de doença celíaca podem ser agrupados em três: doença celíaca clássica, não clássica e assintomática.




A doença celíaca clássica é comum na fase pediátrica, entre os 6 e 24 meses de vida, quando as crianças começam a ingerir pão, sopinhas de macarrão e bolachas, entre outros industrializados com cereais proibidos. Caracteriza-se por diarreia crônica, desnutrição, falta de apetite, déficit de crescimento, vômitos, distensão abdominal (barriga inchada) e dor abdominal. É muito importante levar a criança ao médico caso apresente algum desses sintomas, pois, quanto mais cedo o diagnóstico for feito, mais chances a criança terá de ter uma vida normal, visto que a desnutrição aguda não tratada pode levar a óbito.

O tipo de doença celíaca não clássica é caracterizado por apresentar poucos sintomas, bem mais brandos e extraintestinais, em sua maioria. Ocorre, por exemplo, anemia resistente à reposição de ferro, irritabilidade, fadiga, pouco ganho de peso e estatura, artrite, manchas no esmalte dos dentes, esterilidade e osteoporose antes da menopausa.
Na doença celíaca assintomática não há manifestação aparente ou de grande intensidade, e apenas com pesquisa de anticorpos em familiares de primeiro grau se faz o diagnóstico. A doença assintomática, se não tratada, pode evoluir para complicações como câncer do intestino, anemia, osteoporose, abortos de repetição e esterilidade. Por não haver sintomas aparentes, é importante ficar atento às menores mudanças no corpo.

Fatores de risco – A doença celíaca pode afetar qualquer pessoa. No entanto, tende a ser mais comum em pessoas que têm:

●    Um membro da família com doença celíaca ou dermatite herpetiforme;
●    Diabetes tipo1;
●    Síndrome de Down ou Síndrome de Turner;
●    Tireoidite autoimune;
●    Colite microscópica (colite linfocítica ou colagenosa);
●    Doença de Addison;
●    Artrite reumatoide.

Para continuar lendo esta matéria, adquira sua revista Família Cristã, edição 1014, junho de 2020




Fonte: Revista Família Cristã, edição 1014, junho de 2020
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Exercite-se para viver melhor
“Qualquer atividade é melhor que nenhuma”, lembra o personal trainer Luzielson Baracho.
Ser ético e feliz no trabalho
Trilhar o caminho do sucesso ou da realização humana é uma questão de escolha!
A vida é preciosa
Os cuidados paliativos são expressão da atitude profundamente humana de cuidar uns dos outros.
Hortelã
Existem infinitas aplicações para utilizar a hortelã.
Campeã de aproveitamento
Uma característica da beterraba, tanto da raiz quanto das folhas, é sua alta densidade de ferro.
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados