Amor & sexualidade

Data de publicação: 04/02/2014

Rosangela Barboza

“Amor é cristão, sexo é pagão. Amor é divino, sexo é animal.” Esses versos da canção “Amor e sexo”, de Rita Lee, não devem ser levados ao pé da letra. Sexo – acredite – também pode ser cristão e divino!


A união feliz de um casal existe a partir de diversos sentimentos positivos, como amor, companheirismo e doação recíproca. Nela é, ainda, importante uma vida sexual saudável e plena. “A sexualidade não é qualquer coisa de puramente biológico, mas refere-se antes ao núcleo íntimo da pessoa. O uso da sexualidade como doação física tem a sua verdade e atinge o seu pleno significado quando é expressão da doação pessoal do homem e da mulher até a morte” – revela o documento Sexualidade humana: verdade e significado, do Conselho Pontifício para a Família, da Igreja Católica. Por isso, entende-se que amor e sexualidade são, no casamento, duas parcelas que somadas resultam em um equilíbrio fundamental para formar a felicidade do casal. E conclui-se que o ato sexual tem componentes que transcendem o contato físico que une dois corpos. Nele, antes de um ato procriativo, há um homem e uma mulher que atingem a plenitude do amor. Não é – ou ao menos nunca deveria ser – algo pagão ou desprovido de uma forte carga espiritual.

Tratar da sexualidade sob um viés religioso ou mesmo ético requer cuidado, pois o campo é minado por tabus e preconceitos. Historicamente, a sociedade sempre teve dificuldades em lidar com o tema, oscilando do 8 ao 80 em pouco tempo. Se até a década de 1960 sexualidade era sinônimo de repressão, após o que se convencionou chamar de “revolução sexual”, as mudanças dos costumes levaram a alguns exageros. Moralismos à parte, explora-se o corpo da mulher para vender de tudo. Decididamente, não foi para isso que as feministas do passado tanto lutaram... “Hoje, as pessoas falam muito sobre o ato sexual, mas não com o valor que ele tem. Faz parte da sexualidade observar e conhecer o próprio corpo, ter prazer com a pessoa amada, mas isso ficou banalizado” – enfatiza Ângela Elisete Herrera, terapeuta de casal e família.

Discutindo a relação – Uma sexualidade sadia, também do ponto de vista cristão, é aquela que beneficia as duas pessoas. Caso contrário, o ato sexual pode se tornar uma prática boa para um, mas não para o outro. Ou então levar a algum transtorno sexual, que é a dificuldade de se relacionar sexualmente com o outro. Na mulher, segundo a terapeuta Ângela, alguns transtornos podem se relacionar com a afetividade. “Se a esposa não se sente amada e querida, ou mesmo se o seu marido é agressivo, dificilmente ela terá uma vida sexual saudável. Poderá produzir, inconscientemente, os sintomas orgânicos como uma forma de manter distância desse parceiro” – explica. Mas algumas causas dessa realidade costumam surgir antes do casamento. “Em geral, muitas pessoas trazem esses problemas antes de se casarem. As experiências vividas em família e alguns traumas adquiridos nos relacionamentos e no processo educativo geralmente são levados para dentro do casamento” – lembra André Luís Kawahala, da Pastoral Familiar de Osasco (SP). “Há os casos que surgem pós-casamento, depois de traumas severos ou do período da gravidez, ou ainda em situações de sério conflito conjugal geradas por problemas como a desilusão ou o desemprego, principalmente para os homens” – completa André.

Dentro de um casamento, o pouco tempo para marido e mulher ficarem juntos por causa da formação da nova família e da correria cotidiana pode motivar uma falta de sintonia sexual. “A chegada dos filhos não é o problema, mas muitas vezes os casais passam a viver somente para a família e esquecem da vida a dois” – afirma Ângela. E quando há esse distanciamento, a sexualidade perde a sua importância. “Os casais devem parar para avaliar a relação. Muitos não dizem que se amam há muito tempo, mas isso é importante e deve ser cultivado” – aconselha a terapeuta. “Se existe um compromisso de amor há sempre uma tentativa de diálogo e de busca de solução" - afirma André.

Ajuda profissional – Parar, conversar e se entender. Assim são resolvidos os problemas a dois, inclusive no campo sexual, para se evitar um mal maior. As consequências de um transtorno sexual na vida de um casal que não busca soluções costumam ser negativas. Segundo André, a situação piora quando se trata de casais sem a firmeza de um compromisso de amor conjugal. Surgem culpas, acusações, baixa autoestima e até relacionamentos fora de casa. “O sofrimento de ambos muitas vezes é insuportável e suas consequências estendem-se de forma dolorosa” – esclarece. Ele lembra ainda que, quando os casais realmente se amam, ambos sofrem, mas se esforçam na ajuda mútua. “Há casos em que o cônjuge sadio resolve, por amor, ter uma vida de privação sexual” – afirma.

Não há dúvida que, para manter o casamento e o amor, marido e mulher devem sempre assumir suas dificuldades, inclusive na sexualidade, juntos. “Quando a esposa ou o esposo apresentam queixas na sexualidade, a solução deve ser buscada pelos dois. Não dá para desvincular a questão da sexualidade da relação a dois” – registra Ângela. O ideal mesmo é procurar profissionais idôneos que ajudem o casal a encontrar as causas de seus problemas sexuais, sejam elas orgânicas ou psicológicas. “É preciso avaliar como foi o início da relação ou até mesmo o que aconteceu antes dela, na própria família de origem” – afirma a terapeuta. “Em algumas regiões e dioceses, a Pastoral Familiar oferece ajuda de aconselhamento e a possibilidade de um atendimento através de profissionais especializados. São os Centros de Atendimento Familiar ou SOS Família” – informa André

Coisas de casal

Ângela Elisete Herrera, terapeuta de casal e família, orienta que, ao sinal de alguma disfunção sexual, os casais façam uma terapia para trabalhar a questão emocional e, em seguida, avaliem sua saúde do ponto de vista físico. Terapeutas, psicólogos, urologistas ou ginecologistas são os profissionais que podem ajudar. Algumas das disfunções sexuais mais conhecidas são:

Na mulher

Frigidez
A falta de desejo sexual feminino pode estar ligada a problemas psicológicos ou orgânicos. No segundo caso, pode advir de alguma descompensação hormonal, debilidade física ou uso de medicamentos, hipertensão arterial, alcoolismo ou tabagismo.

Anorgasmia
A falta de orgasmo é a disfunção sexual mais comum junto com a frigidez. Pode ter fatores biológicos ou psicológicos, como deficiência feminina em assumir o papel erótico, medo de engravidar, traumas relacionados ao sexo.

Vaginismo
É a contração involuntária dos músculos próximos à vagina que impossibilitam o ato sexual ou o tornam muito doloroso.

Dispareunia
É a dor durante o ato sexual. Pode ser consequência de uma infecção por fungos, que causa irritação e sensação de ardor na vagina.

No homem

Impotência
Também chamada disfunção erétil. É a dificuldade de obter a ereção. Ainda que ocasionalmente seja gerada por questões psicológicas, em 80% dos casos ela tem origem em uma má vascularização. Pode ser consequência de uma aterosclerose (formação de placas de gordura nas paredes das artérias), tabagismo, diabetes, hipertensão arterial ou hiperlipidemia (excesso de gordura no sangue). Como pode ser prenúncio de uma doença séria (derrame, infarto etc.), o homem deve visitar o médico. É dever da esposa convencer seu marido dessa necessidade.

Ejaculação precoce
A maioria dos terapeutas sexuais entendem a ejaculação precoce como a dificuldade de controlar a ejaculação, que acaba interferindo no bem-estar sexual ou emocional de um casal. Em certos casos, o descompasso é provocado pelo fato de a mulher necessitar de mais tempo para atingir o orgasmo. Na maioria das vezes, é causada pela ansiedade.





Fonte: Família Cristã 909 - Set/2011
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

O mar de Minas Gerais
Entre a serra e a represa, um lugar mágico, com canyons e paisagens deslumbrantes
Eu tenho um sonho
Meus amigos, apesar das dificuldades e frustações eu vos digo: eu ainda tenho um sonho.
O criador dos Hobbits
Ele criou um universo de fantasia que encanta até hoje. John Ronald Reuel Tolkien
Passado brasileiro
Escavações arqueológicas no Rio de Janeiro revelam que a cidade é mais do que praias e belezas
Sri Lanka, uma gota
Um dos países mais inusitados do planeta se situa ao sul da Índia, tem forma de lágrima
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados