Certas coisas

Data de publicação: 23/02/2015

A arte e a espiritualidade não se restringem ao que pode ser traduzido em conceitos universais e precisos, ao que possui sentido único e delimitado...



Por Clovis Salgado Gontigio
Arte Sergio Ricciuto Conte

Na bela canção Certas coisas, de Lulu Santos e Nelson Motta, é sintetizada a insuficiência das palavras humanas diante de experiências que em muito as excedem. Dentre as “coisas” inexprimíveis, que parecem ser traduzidas de modo mais apropriado pelo silêncio, a canção nos apresenta o amor e a música. Poderíamos dizer que toda a experiência estética nos faz constatar o limite da linguagem, algo que se repete na experiência de intimidade com Deus. É ao componente inefável, descoberto tanto na arte quanto na espiritualidade, a que se dedica este artigo.

A mística − Para muitos, soa como absurdo contrassenso abordar o que, por definição, “não tem letras”, utilizando a expressão de Santa Teresa de Ávila. Mas, se “tem certas coisas que eu não sei dizer e digo”, é porque elas não necessariamente bloqueiam o discurso verbal. O filósofo francês Vladimir Jankélévitch (1903-1985) esclarece que os temas inefáveis não cabem no discurso por estarem “acima” dele, por transbordá-lo. Deste modo, permitiriam infinitas aproximações verbais. Como em Certas coisas, o filósofo destaca a inefabilidade do amor, tema máximo da poesia, sentimento que, embora nunca possa ser inteiramente capturado, será eternamente cantado, revelando-se a cada momento sob nova roupagem.
A mesma dinâmica se aplica a Deus. Sua Sabedoria se revela no texto sagrado, que também é fonte inesgotável de inspirações e interpretações. E sua natureza é, para nós, obscura por seu excesso de luminosidade, que refrata em múltiplos nomes e atributos sua unidade, como verificamos em Dionísio Areopagita e também na religião islâmica.
Se o Absoluto, como o Sumo Inefável, “ultrapassa todo o poder da linguagem humana” (São João Crisóstomo) por sua extrema fecundidade, também a experiência de aproximação a Ele se revela ao místico como transbordante. Portanto, os frascos das palavras, capazes de conter um volume limitado de significados, não poderiam comportar o excesso experimentado pelo místico.
Estes elementos se evidenciam nos textos de São João da Cruz, tanto em seus poemas quanto em suas “declarações” em prosa. No Cântico espiritual, o inefável aparece numa de suas mais consagradas fórmulas, o “não-sei-quê” (no-sé-qué), que nesse contexto se refere a uma tentativa, por parte das criaturas, de expressar algo sobre o Amado, a pedido do eu lírico. Diante da profusão das graças divinas, há sempre a possibilidade de dizer algo mais sobre Deus. No entanto, se somássemos todos os elogios a Ele, inevitavelmente nos depararíamos com “um ‘não-sei-quê’ que se sente restar por dizer” (canção 7, § 8). O “não-sei-quê” é o “resto”, o que nunca será contido em nossos frascos mentais e linguísticos. Se não reconhecemos que “cada voz que canta o amor não diz tudo o que quer dizer”, corremos o risco de identificar e reduzir, ao que as palavras podem nos dizer, os conteúdos inefáveis. Esta preocupação é claramente expressa por São João da Cruz em outra de suas obras, a Chamar viva de amor. Nela, o poeta carmelita confessa que preferiria não falar sobre a extrema delicadeza do toque divino sobre a alma, “para que não se entenda que aquilo não é mais do que se diz” (canção 2, verso 4, § 21).
Por que então os místicos ainda insistem em expressar o que sempre se mostrará insuficiente quando aproximado pela linguagem? Primeiramente, não poderíamos permanecer mudos diante da mais alta experiência reservada ao ser humano. A efetividade e a intensidade do contato místico exigem a produção de algum tipo de mensagem, nem que esta seja um mero balbucio, imagem empregada no Cântico espiritual. Como crianças, infantis diante do inefável, padecemos da urgente necessidade de escoar e comunicar o que sentimos. Este modo de comunicação – e aí chegamos à segunda resposta – é limitado, mas nem por isso inútil. Embora não transmita exatamente o que foi vivido ou intuído, é ainda capaz de nos fornecer algumas pistas capazes de evocá-lo e sugeri-lo.

A experiência estética − Ao mencionarmos o verbo sentir, tocamos um dos principais pontos relacionados à inefabilidade. As sensações, como o gozo místico ou estético, são de natureza subjetiva. E dificilmente somos capazes de colocar em palavras uma experiência que é só nossa, única, insubstituível. A linguagem verbal, ao plasmar conceitos que possam ser aplicados a diversas circunstâncias, revela sua imprecisão nos momentos em que cada um de nós tenta traduzir a qualidade de uma sensação particular.
É assim que o “não-sei-quê” se manifesta não só no que a alma “tão altamente sente”, mas também em algumas percepções sensíveis bastante simples. Como podemos expressar o matiz exato dos “verdes mares” da Praia de Iracema ou definir o que há de único nas cores suaves que compõem as telas de Chagall? Como podemos comunicar, a quem nunca o sentiu, o perfume da dama-da-noite? Somos capazes de transmitir com palavras o sabor da resina que confere requintado toque ao manjar libanês?  E a sonoridade incomparável do nosso instrumentista predileto: se sabemos reconhecê-la, sabemos descrevê-la? O máximo que podemos fazer, como também faz o místico, é construir analogias, que provavelmente surpreendem quem não está com elas familiarizado. Falar sobre as notas de madeira que ressoam de um perfume é tão impalpável quanto falar sobre as inflamações da alma ou da escuridão luminosa...
Entretanto, no campo da apreciação artística, a presença do inexprimível não se restringe à pura sensação. Não sabemos dizer, apontar, localizar o que em uma obra nos comove. Impossibilidade que, como aquela verificada na mística, também resulta de um transbordamento simultâneo ao entendimento e à linguagem, seja por parte do nosso sentir, seja por parte da obra, cujo teor de mistério sempre suscita novas sensações e interpretações.
Em razão da fecundidade do tema aqui abordado, voltarei a ele no próximo artigo. Mas, por ora, seria pertinente concluir que, ao nos colocarem no território do inefável, “certas coisas” como a arte e a espiritualidade nos despertam para a amplidão da experiência humana, cujo repertório não se restringe ao que pode ser traduzido em conceitos universais e precisos, ao que possui sentido único e delimitado.

Leia mais

Mais útil que o útil
Para que serviria discorrer sobre a arte e a espiritualidade e tentar compreendê-las a partir de seus pontos de contato

Certas coisas
A arte e a espiritualidade não se restringem ao que pode ser traduzido em conceitos universais e precisos, ao que possui sentido único e delimitado...

Balbuciando o inefável
A arte se entrelaça com a espiritualidade como um dos meios capazes de comunicar, de modo mais penetrante, o inexprimível que envolve a experiência humana

O sagrado e o sublime
A alma humana tem sede do sublime, assim como é sedenta do sagrado, para o qual tende como quem busca retornar à sua fonte

Cheias de graça
Na espiritualidade cristã, a graça também se liga à espontaneidade e à simplicidade e parece se manifestar especialmente numa figura feminina

Nas asas da canção
Uma vez contempladas as regiões mais profundas ou brilhantes do mundo...

Escuridões luminosas
Assim como na prece, a audição musical se exerce de modo mais profundo e concentrado a olhos fechados

Um minuto para o silêncio
Sinal de humildade, oferta e abandono, esta abertura silenciosa se aprofunda de maneira significativa quando nos colocamos diante do absolutamente Outro

Atitudes desinteressadas
Traço distintivo da contemplação do belo ou controverso ideal para o cristão, o tema do desinteresse perpassa a estética e a espiritualidade

Vias negativas
Diante do belo e do artístico negar é afirmar o potencial inesgotável e profundo do que se busca

Percepções imateriais
Anterior às criaturas, ao tempo e ao espaço, Deus parece transcender o reino da matéria. Acima da nossa imaginação e intelecto, não podemos capturá-lo ou contê-lo

Transcendendo o tempo
As experiências espiritual e estética podem se oferecer como vias capazes de descolar, ainda que de modo passageiro, de uma vivência mais corriqueira da temporalidade




Fonte: FC ediçao 948
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

O normal
Histórias de sofrimento afastam mulheres do parto normal,informação é a principal aliada na decisão
Família em tempo de crise
Advinda de realidades externas, a família se une no essencial e cria raízes para não sacumbir
Simplesmente mulheres
Nas mulheres há uma identidade comum: a contemplação, a intuição e o cuidado
Abuso sem limites
Entre os casos de abuso sexual contra menores, 22% são contra crianças de até um ano
Em movimento...
Atividades físicas e gincanas em família vão além do condicionamento físico, ajudando na educação
Início Anterior 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados