Liturgia da Palavra

Data de publicação: 20/09/2018

25º Domingo do Tempo Comum
Ano B – 23 de setembro de 2018
Sb 2,12.17-20 –Vamos pô-lo à prova com ofensas e torturas.
Sl 53 (54) – Estranhos se ergueram contra mim. 
Tg 3,16 - 4,3 – De onde vêm as rixas que há entre vós?
Mc 9,30-37– Se alguém quiser ser o primeiro, seja o último de todos.

O último lugar

1. Sabedoria – Gente ruim e maldosa se sente incomodada com a presença de gente boa e correta. O modo de viver de quem é justo é uma crítica natural a quem é injusto. Essa gente ímpia nega o próprio Deus no mal que faz a quem é bom. “Vamos ofendê-lo, torturá-lo, testar sua paciência e condená-lo a morte para ver se Deus vem defendê-lo e libertá-lo.”
2. Salmo – Orgulhosos e violentos me perseguem. Não há Deus para eles. Peço que Deus atenda à minha prece e venha me salvar. Já agradeço na certeza de que serei atendido. Quero louvar o nome do Senhor!
3. Tiago – A maldade impera onde há inveja e rivalidade. O outro não é visto como companheiro de caminhada, e sim como ameaça e concorrente. As paixões que estão em conflito dentro de nós fazem surgir as brigas e as guerras. As brigas em dimensão local, as guerras em dimensão universal. Isso porque o que desejamos, e até o que pedimos a Deus, é em vista de nossos interesses pessoais, em vista de nossos prazeres. Outra coisa é agir movido pela Sabedoria, que é conciliadora e cheia de qualidades. “O fruto da justiça é semeado na paz, para aqueles que promovem a paz.”
4. Marcos – Jesus ensinava os seus discípulos e por isso gostava de passar despercebido. De novo, Jesus anuncia aos discípulos sua paixão e morte. “O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens, e eles o matarão. Mas, três dias após a sua morte, Ele ressuscitará.” Eles não entendiam tudo o que Jesus estava dizendo e tinham receio de perguntar, pois se lembravam de que Jesus tinha chamado Pedro de Satanás. Eles também não entendiam bem o que significava ressuscitar ao terceiro dia. Mais difícil ainda era entender o significado da renúncia de si mesmo, do último lugar, do serviço aos outros. No caminho, eles vinham discutindo sobre quem deles era o maior, quem era o mais importante. “Quem quer ser o primeiro, seja o último e o que serve a todos”, ensinou-lhes mais uma vez Jesus, e deu o exemplo de uma criança. Dentro de cada um deles, as paixões continuavam em conflito. Daí as rivalidades.
5. O bem-aventurado padre Carlos de Foucauld ouviu certa vez de seu orientador que “o último lugar é o lugar de Jesus, que ninguém pode tirar dele”. O irmão Carlos queria estar onde Jesus está, por isso procurou sempre em sua vida o último lugar. E lá encontrou os últimos. O último lugar é o lugar dos últimos. Quem são os últimos entre nós? Não se trata de um lugar geográfico. Para Jesus, o último é aquele que presta serviço a todos. É o serviçal. Esteja onde estiver, ele está sempre atento às necessidades dos outros. Como ele já está no último lugar, ele nunca exclui alguém. Ele sempre inclui. “Ele ergue o fraco da poeira e tira o pobre do lixo e o faz sentar-se com os nobres. Faz a estéril sentar-se em sua casa como alegre mãe de filhos”, diz o salmista (Sl 113).
6. Jesus pegou uma criança, colocou-a no meio deles, abraçou-a e disse: “Quem acolher em meu nome uma destas crianças é a mim que está acolhendo”. A criança não é fácil, mas é indefesa. O máximo que ela faz é gritar e espernear. É com ela que Jesus se identifica. Não com quem é mais fácil, mas com quem precisa ser abraçado. Não exclua. Abrace e inclua todos os que estão no último lugar.

Leituras e Salmos (24 a 29 de setembro)
2ªf.: Pr 3,27-34; Sl 14 (15); Lc 8,16-18.
3ªf.: Pr 21,1-6.10-13; Sl 118 (119); Lc 8,19-21.
4ªf.: Pr 30,5-9; Sl 118 (119); Lc 9,1-6.
5ªf.: Ecl 1,2-11; Sl 89 (90); Lc 9,7-9.
6ªf.: Ecl 3,1-11; Sl 143 (144); Lc 9,18-22.
Sáb.: Dn 7,9-10.13-14; Sl 137 (138); Jo 1,47-51.




Fonte: Fc edição 992, Agosto de 2018
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

O eu em crise
A serpente da história do Gênesis deu a entender que eles não deveriam aceitar as proibições
Liturgia da Palavra
Reflexão da Liturgia deste 25 de dezembro de 2016 -Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo, Ano A
O artista e a sua arte
A arte,atrai o ser humano e o transporta ao mundo da contemplação. Conheça Cláudio Pastro
Liturgia da Palavra
Reflexão da Liturgia deste 18 de dezembro de 2016 -4° Domingo do Advento, Ano A
Jubileu do dom da esperança
Homem de fé e um testemunho de solidariedade é conhecido como o dom da esperança
Início Anterior 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados