Mesa da Palavra

Data de publicação: 02/05/2019

3º. Domingo da Páscoa
Ano C ● 05 de maio de 2019
At 5,27-32.40-41: É preciso obedecer a Deus antes que aos homens.
Sl 30: Transformastes o meu pranto em uma festa.
Ap 5,11-14: Vi e ouvi a voz dos anjos, dos seres vivos e dos anciãos.
Jo 21,1-19: Vinde comer!
                    A ceia pascal na beira do lago
1. Os Atos dos Apóstolos. Os chefes religiosos dos judeus tinham proibido os apóstolos de ensinarem em nome de Jesus. Os apóstolos, porém, estavam convencidos de que era preciso obedecer a Deus antes que aos homens. Eles pregavam que Jesus, que tinha morrido na cruz, ressuscitou e estava vivo, foi exaltado por Deus e se tornou guia e salvador, dando ao povo de Israel a oportunidade da conversão e do perdão dos pecados. Pregavam com convicção e com a força do Espírito Santo. Tiveram então que se apresentar diante do tribunal dos judeus. Foram novamente proibidos de pregar em nome de Jesus, foram açoitados e depois liberados. Não saíram tristes nem desanimados. Ao contrário, saíram felizes por terem sido considerados dignos de ofensas por causa de Jesus. Aí está um modelo para nós, cristãos, hoje. Obedecer a Deus, anunciar com coragem Jesus Cristo e seus ensinamentos e ficar feliz se tiver que sofrer incompreensões por causa de Cristo.
2. O Apocalipse. Exilado na ilha de Patmos por ser discípulo de Jesus Cristo, João entra em êxtase e vê a glória do Cordeiro que foi imolado. João viu e ouviu milhões de anjos proclamando que o Cordeiro imolado é digno de receber o poder, a riqueza, a sabedoria, a força, a honra, a glória e o louvor. Da mesma forma, todas as criaturas do universo proclamavam a glória do Pai e do Cordeiro. E nós, hoje, ouvindo o que nos conta o vidente do Apocalipse, dizemos “Amém” e nos prostramos em adoração diante daquele que vive para sempre. Está é a nossa profissão de fé pascal: Jesus Cristo vive para sempre!
3. O Evangelho. Estamos diante de três cenas: a primeira é uma refeição de Jesus Ressuscitado com sete discípulos na beira do mar de Tiberíades; a segunda é a pesca maravilhosa; e a terceira, o último diálogo de Jesus com São Pedro. A refeição e a pesca são dois acontecimentos unidos na mesma narrativa. À noite, Pedro e seus companheiros vão pescar, mas não conseguem nada. Ao amanhecer, voltando para casa, alguém na praia pergunta se eles têm algum peixe. A resposta é negativa. Então, aquele alguém, que é Jesus, manda que lancem de novo as redes e acontece uma grande pescaria. O discípulo amado diz a Pedro: “É o Senhor!”. Em terra, viram pão e peixe em cima de brasas acesas. Jesus pede mais alguns peixes e eles comem juntos, unidos numa mesma refeição. Comem juntos com Jesus Ressuscitado. Já tinham comido juntos na Ceia antes da morte de Jesus. Agora estão de novo juntos com Jesus Ressuscitado, assim como estamos nós, quando celebramos a Ceia eucarística, sobretudo no domingo, que é o dia de Jesus Ressuscitado. Quem eram os sete que participaram da ceia na praia? Pedro, Tomé e Natanael, os filhos de Zebedeu e dois outros. Pedro negou a Jesus, Tomé disse que não acreditava na ressurreição e Natanael se recusou a aceitar um Jesus de Nazaré. Os filhos de Zebedeu queriam os primeiros lugares. E os dois outros, completando o número sete da totalidade dos discípulos, somos nós. Jesus chama os peixes distraídos para que corram até a rede de Pedro, e chama os discípulos descrentes para uma ceia de Páscoa. Depois, ouvindo três vezes que Pedro o ama, dá-lhe o pastoreio de toda a Igreja. Pedro pode ser papa porque agora é discípulo. “Segue-me”, foi a última a palavra que Jesus lhe disse.
Leituras e Salmos (6 a 11 de maio)
2ªf.: At 6,8-15; Sl 118(119); Jo 6,22-29.
3ªf.: At 7,51–8,1a; Sl 30(31); Jo 6,30-35.
4ªf.: At 8,1b-8; Sl 65(66); Jo 6,35-40.
5ªf.: At 8,26-40; Sl 65(66); Jo 6,44-51.
6ªf.: At 9,1-20; Sl 116(117); Jo 6,52-59.
Sáb.: At 9,31-42; Sl 115(116B); Jo 6,60-69.




Fonte: Revista Família Cristã, edição 1000, Abril de 2019
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Uma Igreja sem medo
Prefiro uma Igreja acidentada, ferida e suja por ter saído pelas ruas, a uma Igreja doente
Liturgia da Palavra
15 de julho de 2018 - 15º Domingo do Tempo Comum - Ano B – Liturgia da Palavra
Presa a Cristo pelo amor
Tanto amor cristão semeado dá fruto imediato no coração de quem sofre
Liturgia da Palavra
8 de julho de 2018 - 14º Domingo do Tempo Comum - Ano B – Liturgia da Palavra
Liturgia da Palavra
1 de julho de 2018 - 13º Domingo do TC. São Pedro e São Paulo apóstolos – solenidade - Ano B
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados