BUSCA

A PREOCUPAÇÃO NOSSA DE CADA DIA

Data de publicação: 20/02/2017


Leitura Orante –  8º domingo do tempo comum, 26 de fevereiro de 2017

A PREOCUPAÇÃO NOSSA DE CADA DIA

“Não fiqueis angustiados pela vida, pensando no que comereis ou bebereis,
nem pelo corpo, pensando com que o vestireis”. (Mt 6,25)


Texto Bíblico: Mateus 6,24-34


1 – O que diz o texto?

Jesus se dirige aos seus discípulos e revela o verdadeiro rosto de Deus e as suas entranhas de Pai-Mãe, que cuida dos próprios filhos, como também das flores do campo e dos pássaros do céu. O fundamento da segurança e da serenidade reside na consciência de estar nas mãos providentes de Deus.

Deus não descuida de nenhuma das suas criaturas, nem mesmo as mais frágeis – os lírios - ou as mais imprevisíveis – as aves. Ele tece, com incrível precisão, a forma, a cor e o perfume da flor, que desabrocha pela manhã e à noite, murcha, é jogada ao fogo.

Ele cuida dos filhotes dos pássaros, que não tem condições de semear e de colher, e nem de acumular; muito mais faz Deus pelo ser humano, criatura predileta por quem demonstra tanto afeto e carinho.

Tomando como exemplo os pássaros do céu e os lírios do campo, Jesus, implicitamente, une o céu e a terra, e recorda que o ser humano é formado do “húmus”  e do “sopro” de Deus.

O fiel discípulo de Jesus, descobrindo-se amado e protegido com a ternura providente, se sente sempre a caminho, isto é, pronto a acolher cada fragmento de luz e de vida, que fala da presença e da passagem do Pai. 

O presente, tecido de partilha, solidariedade, doação, misericórdia, mansidão, reveste o futuro de luz.

A verdadeira segurança cresce no coração e na confiança de sermos protegidos por um Deus que sabe o que precisamos e nos aguarda.

A busca do Reino é o “pão” da vida e a “roupa” da luz que nos envolve.


2 – O que o texto diz para mim?
Segundo o Evangelho, a preocupação envolve duas necessidades básicas do ser humano: o alimento e o vestuário.

a) O alimento, indispensável para viver, não compreende só a nutrição, mas representa também tudo aquilo que é considerado necessário para manter a pessoa viva.

b) O vestuário não é somente aquilo que cobre e protege o corpo humano, mas exprime também proteção, dignidade, posição social e relação.

O alimento e o vestuário, portanto, representam duas dimensões essenciais da existência humana: uma individual e outra relacional.

Ao observar as aves do céu e a beleza dos lírios no campo, Jesus convida os discípulos a contemplarem, com admiração, o rosto paterno-materno de Deus: cada um deles é cuidado pela Sua mão providente.

Não se trata de se colocar numa atitude de espera passiva, mas de estar ciente de que Alguém cuida, não só das menores criaturas, mas também da vida dos próprios filhos, como um tesouro do qual tem ciúmes.

O ser humano, instintivamente, busca algo ou  alguém que lhe dê segurança, e sente a necessidade inapagável de superar a angústia do limite e de respirar futuro.

Sem futuro não há espaço de vida, não há esperança. Mas nada o preenche e o pacifica interiormente. A consequência é um rosto marcado pelas rugas da preocupação e do cansaço. A confiança depositada no bem-estar, a rejeição das próprias raízes, a incapacidade de sentir-se “filho”, obscurecem a horizonte do futuro.


3 – O que a Palavra me leva a experimentar?
A preocupação que pode atormentar o coração do ser humano, o medo de perder aquilo que dá segurança e o temor de não ter acumulado suficientemente, fazem com que o alimento e o vestuário percam o seu significado mais amplo e a sua força evocativa.

Então, acontece que a preocupação com o alimento e com o vestuário prevalece sobre a própria vida, não mais acolhida como dom; do mesmo modo o corpo, não mais entendido como possibilidade e lugar de relação encontro. Inevitavelmente, a dignidade da vida se degrada e a luz do rosto da pessoa se apaga.

A “preocupação”, quando se torna hábito de vida, tem o efeito desastroso de comprometer a capacidade de relação, dimensão fundamental que torna a existência fecunda e criativa.

A preocupação e a ansiedade que tornam o seu rosto cansado e triste e, até mesmo apagar em seu coração a alegria de viver.

Muitas vezes, a preocupação com o amanhã oculta a beleza do presente, mas também a lembrança de um passado que reaparece sempre de novo entorpece esta vivência.

As pessoas espiritualmente inteligentes vivem serenamente com a máxima intensidade o agora, cada momento que se apresenta na vida, sem a preocupação e a ansiedade frente o futuro. Sabem que tudo passa, mas que cada instante é uma porta de acesso à eternidade.

Gozam intensamente da alegria de existir, da beleza e da bondade que se manifestam em cada momento. Não sofrem pelo passar do tempo, nem pelo envelhecimento ou pela morte.

Usufruem intensamente o tempo presente e encontram nisso sua alegria.


4 – O que a Palavra me leva a falar com Deus?
Senhor, quem vive com entusiasmo seu projeto vital, quem ama seu trabalho, sua missão, quem se entrega apaixonadamente ao compromisso que desenvolve no mundo, experimenta a alegria de existir independentemente do fato de seu projeto, a longo prazo, chegar ou não ao seu cumprimento.

Quando alguém está centrado no presente, envolvido criativamente em algo que o satisfaz de verdade, que vive cada instante com a máxima intensidade e não se preocupa com os resultados ou benefícios..., esse é capaz de dar-se conta de que cada dia é uma possibilidade, cada dia é um dom único e irrepetível.

Quando uma pessoa vive a presença plena do agora não sofre com o que virá, nem mesmo com a certeza da morte, consciente de que quando chegar a esse dia poderá confessar que viveu que experimentou seu ser aqui.


5 – O que a Palavra me leva a viver?
Viver cada jornada como um mistério, uma festa, uma página em branco que eu possa escrever de muitas formas diferentes.

Cada dia é um cenário onde eu posso ativar o amor, a justiça e a fé. Sempre.

Dar sentido à vida é fazer dela uma missão que tenha como objetivo um fim nobre, algo que mereça a entrega e o sacrifício; mas isso não significa transformar o presente em puro instrumento e pretexto do futuro.

A dimensão espiritual habilita a experimentar a alegria de existir, transcendendo a mania de esperar e a obsessão de recordar.

Esta alegria é a que Jesus vê refletida nos lírios do campo e nas aves do céu.


Fonte:
Bíblia Novo Testamento – Paulinas:  Mateus 6,24-34
Pe. Adroaldo Palaoro, sj – reflexão do Evangelho.
Desenho: Osmar Koxne    


Sugestão:
Música: Deus não parou de nos criar – fx 09 (03:52)
Autor: Pe. Zezinho, scj
Intérprete: Grupo ir ao povo
CD: Shekinah – Deus nos visitou
Gravadora:  Paulinas Comep

Fonte: Pe. Adroaldo Palaoro, sj
Postado por: admin_radio

Compartilhe este conteúdo:

Podcasting ver mais

Salmo 1 - parte1 - bloco4


Galeria de Imagens ver mais




Veja Também

O DESAFIO DE SOLTAR A VIDA
Leitura Orante – 5º domingo da quaresma, 02 de abril de 2017 - “Lázaro, vem para fora!” (João 11, 43) - Texto Bíblico: João 11,1-45
JESUS, AQUELE QUE “VÊ” E “FAZ VER”
Leitura Orante – 4º domingo da quaresma, 26 de março de 2017 - “Vai, lava-te na piscina de Siloé. Ele foi, lavou-se e voltou vendo.” (Jo 9,7) - Texto Bíblico: Jo 9,1-41
SAMARITANA: história de uma sede
Leitura Orante – 3º domingo da quaresma, 19 de março de 2017 - “Senhor, dá-me dessa água, para que eu não tenha mais sede...” (Jo 4,15) - Texto Bíblico: Jo 4
UMA VOZ QUE NOS TRANSFIGURA
Leitura Orante – 2º domingo da quaresma, 12 de março de 2017 - “Este é o meu Filho Amado, em quem me comprazo. Ouvi-o!” (Mt 17,5) - Texto Bíblico: Mateus 17, 1-9
OS “DEMONIOS” INTERIORES
Leitura Orante – 1º domingo da quaresma, 05 de março de 2017 - “O Espírito conduziu Jesus ao deserto, para que o Diabo o pusesse à prova.” (Mt 4,1) - Texto Bíblico: Mateus 4,1-11
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Newsletter

Receba Informativos Paulinas

Leitura Orante

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados