BUSCA

A urgência da redescoberta dos símbolos

Data de publicação: 29/09/2006

imprimir

Trailer



A saúde da religião depende da vitalidade com que os símbolos religiosos são vividos.

O símbolo é o terreno preferido do mundo do não sensível em todas as suas formas, desde a interioridade ou o inconsciente até as questões de sentido. Mas na atual sociedade de mercado e das sensações, o símbolo corre perigo. A proliferação de imagens que expõem tudo o que se quer o mata. Mais do que nunca precisamos recuperá-lo para que a vida não se banalize, o pensamento rompa a casca da superfície e que a religião seja autêntica mediadora do mistério.

Atento aos problemas que a sociedade e a cultura modernas suscitam na relação com o cristianismo, o sociólogo e teólogo José María Mardones analisa em A vida do símbolo, livro de Paulinas, a dimensão simbólica em um de seus âmbitos mais expressivos: o religioso. Toda religião é um universo simbólico. Nossa época ressente-se da indiferença e da incredulidade e temos de revitalizar a dimensão simbólica no cristianismo, se este quiser responder aos desafios da sensibilidade atual e, sobretudo, ser fiel a si mesmo.

A obra de Mardones é uma tentativa de resgatar o simbólico na cultura da modernidade, visando ao esclarecimento da dimensão transcendente da vida humana e à saúde da religião, que depende da vitalidade com que os símbolos religiosos são vividos. A fé é uma vida que se nutre do universo simbólico. Ao se colocar o problema de Deus, vem à tona aquilo que está sendo cada vez mais amplamente denunciado como uma deficiência da modernidade: o esquecimento do símbolo.

Se quisermos superar o estreitamento racional e vital que conduziu à barbárie do século XX e que está presente na exclusão social de um sistema único do funcionamento globalizado do mercado, teremos que, também, recuperar um tipo de vida e experiência em que a profundidade à qual se abre o simbolismo rompa a estreiteza prática da civilização. Recuperar o símbolo significa, finalmente, mudar o estilo de vida.

Na época do pensamento desiludido, o crente é chamado a não se desesperar da razão nem se apoiar em infantilismos religiosos. Em um momento em que se vislumbra a emergência de um novo paradigma da racionalidade, o presente ensaio incentiva e estimula o exercício de uma razão não unilateral, mas aberta ao simbólico e enraizada no mundo da evocação e da corporeidade, consciente de sua relação constitutiva e vital com a tradição, e sensível à alteridade da interpretação do Outro no rosto humano das vítimas da história.

Título: A vida do símbolo - A dimensão simbólica da religião
Autor: José Maria Mardones
Editora: Paulinas
Coleção: Espaço filosófico
Páginas: 264
Preço: R$ 33,90
Formato: 15,5 x 23,0
Código: 50913-2
ISBN: 85-356-1713-2

Sala de Imprensa
Paulinas Editora
Malu Delmira, Ir. Sofia, fsp e J. Fátima Gonçalves
www.paulinas.org.br/sala_imprensa
imprensa@paulinas.com.br



Fonte: Paulinas
Postado por: Administrador

Galeria de Imagens





Compartilhe este conteúdo:



Veja Também

O rádio como apoio ao anúncio da Palavra
Este livro é um subsídio destinado a quem faz programas religiosos no rádio e deseja contribuir para que seus ouvintes conheçam melhor a Palavra de Deus.

A questão ambiental lado a lado com o progresso
O livro "A consciência ecológica na administração" se propõe a contribuir com empresas, poder público e todos os que se interessam pela preservação do meio ambiente, sem a necessidade de abrir mão do progresso.

Ver o mundo como uma gostosa brincadeira
Em "Badulaques e Traquitanas", a construção sutil de palavras e frases, em perfeita consonância e interatividade com as ilustrações do autor, permite ao jovem leitor a exploração de múltiplos significados.

A deficiência no cotidiano das crianças
Assim como entre várias espécies de flores ou de animais é possível observar características tão diferentes, também entre os seres humanos os traços étnicos ou biológicos identificam visualmente o quanto cada pessoa é única e especial - ou melhor, excepci

Até que a crise nos separe
Diante de tantas crises e da desilusão que parecem atingir tantos casais, ficam no ar as perguntas: O que aconteceu? Onde e quem cometeu o erro que destruiu os sonhos de um amor eterno? Muitas vezes, leva-se adiante uma relação por comodismo, hábito...

Início Anterior 167 168 169 170 171 172 173 174 175 176
Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados