BUSCA

A menina que fazia barquinhos de papel

Data de publicação: 27/09/2017

imprimir

Trailer


DADOS DO PRODUTO

Título: Menina que fazia barquinhos de papel (A)
Autor(a): Francesca Mascheroni
Ilustrador(a): Paola Formica
PAULINAS - LIVROS
Coleção: Sementinha
Formato: 20,0 X 23,0
Páginas: 32
Código: 531162
ISNB: 9788535643183
Preço: R$ 13,50

RELEASE


Paulinas lança livro infantil sobre a Padroeira dos Imigrantes

Livro “A menina que fazia barquinhos de papel” conta a história e as aventuras de Santa Francisca Cabrini

 

Lançamento da Paulinas Editora, o livro “A menina que fazia barquinhos de papel” retrata de forma lúdica e alegre a infância de Francisca Cabrini, conhecida como a Padroeira dos Imigrantes.

No dia de seu nascimento, pombas brancas pousaram no quintal de sua casa e esperaram pela chegada do bebê. Quando criança, Francisca manifestou, pela primeira vez, o grande sonho de viajar pelo mundo. Na casa de seu tio, ela construía pequenos barcos de papel e os colocava na água, para flutuarem seguindo a correnteza do rio.

Já na fase adulta, no Brasil, fundou o Instituto das Missionárias do Sagrado Coração de Jesus, que acolhia os imigrantes italianos que chegavam à América, doentes e desamparados. Construiu também casas de acolhimento, hospitais e escolas.

Francisca Cabrini foi beatificada em 13 de novembro de 1938 e canonizada em 7 de julho de 1946 pelo papa Pio XII. Posteriormente, foi proclamada a Padroeira dos Imigrantes, e João Paulo II a reconheceu como “Missionária da Nova Evangelização” em julho de 1996.

 

Ficha técnica:

Título: “A menina que fazia barquinhos de papel – A infância de Santa Francisca Cabrini”
Autora: Francesca Mascheroni
Ilustrações: Paola Formica
Código: 531162
ISBN: 9788535643183
Páginas: 32
Edição: 1
Idioma: Português
Formato: 20 x 23 cm

Sobre a autora:
Francesca Mascheroni é jornalista, graduada em Letras com especialização em Comunicação Social pela Universidade Católica de Milão.

 

Sobre Paulinas:
Paulinas Editora é parte integrante do projeto apostólico da Pia Sociedade Filhas de São Paulo, instituição religiosa católica fundada pelo padre Tiago Alberione, com a colaboração de irmã Tecla Merlo, na Itália, em 1915, com o objetivo de evangelizar na cultura da comunicação. Referência de qualidade, ética e respeito pela diversidade cultural e religiosa, Paulinas Editora está presente no Brasil desde 1931 e, ao longo de sua trajetória, vem sendo reconhecida por sua atuação com inúmeras premiações, com destaque para oito Prêmios Jabuti – o mais importante prêmio literário do país, conferido pela Câmara Brasileira do Livro. Diversas obras também receberam a menção “Altamente recomendável” ou indicações ao “Acervo básico” da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ), entre outras distinções conferidas por associações literárias nacionais e do exterior.

 

 

Contato para imprensa

Luciana Sales

Tel.: (11) 5081-9333

imprensa@paulinas.com.br



Fonte: Sala de Imprensa
Postado por: Sala de Imprensa



Compartilhe este conteúdo:



Veja Também

A mulher como o elo mais forte na construção de um mundo mais solidário
"Deus fez para o homem um trono, para a mulher, um altar. O homem está colocado onde termina a terra; a mulher, onde começa o céu". Com este pensamento de Victor Hugo, o médico ginecologista Eurico Alonço Malagodi finaliza este livro, uma análise da vida

Folclore brasileiro: Esses nossos heróis não fazem feio!
Nossos personagens encantados, assustadores e engraçados renascem todos os dias no imaginário popular e mandam às favas quem se mete a pisar em seu território. Paulinas Editora bota fé neles e assina embaixo.

Pai: nunca você foi tão necessário!
É como no futebol. Todo mundo acha que entende, se mete a dar palpites, "faça assim", "evite isso", "fuja daquilo", "seja mais compreensivo", "não dê o braço a torcer"... Mesmo com tantos técnicos, professores e juízes, o certo é que ninguém tem a fórmula

Tenha estilo: trabalhe com o coração!
O trabalho envolve-nos desde a intimidade, interroga nossos corações, nossas almas, nos põe à prova todo o tempo. Absorve a maior parte do tempo que passamos nessa terra, invade nossas vidas, interroga-nos sobre o significado que atribuímos a nós mesmos,

Educadores: uma pausa para repensar o ensino
Será que muda algo na educação quando o educador é cristão? Ou quando uma instituição de ensino é cristã? A estes, deveria inquietar o rumo tomado pela educação e pelo ensino, que tem deixado de lado um processo ético-crítico, possível de construir - e co

Início Anterior 154 155 156 157 158 159 160 161 162 163 164 165 166 167 168 169 170 171 172 Próximo Final
Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados