BUSCA

Uma "aula" sobre Terapia assistida por animais

Data de publicação: 16/05/2006

imprimir

Trailer



Vantagens podem ser estendidas também aos cegos. "O fato de não enxergar pode tornar a aproximação mais amorosa, onde vários aspectos podem ser trabalhados como a textura do pêlo, o contato etc."

No último sábado, 13 de maio, o auditório da livraria Paulinas, na Domingos de Morais, em São Paulo, recebeu convidados para uma explanação sobre Terapia assistida por animais. A autora do livro homônimo, Karen Cristini Pires Timoteo dos Santos, contou sua experiência com o emprego de animais no tratamento de casos de crianças com paralisia cerebral e enfatizou a importância do convívio com animais como fonte de equilíbrio, tranqüilidade e paz, fatores essenciais no tratamento de pessoas com necessidades especiais, sejam crianças, adolescentes ou adultos.

Em sua palestra, Karen justificou seu interesse pelo assunto. Ao se formar fisioterapeuta pela Universidade São Judas Tadeu, queria um algo mais nesse trabalho e escolheu ser voluntária em uma entidade que cuidava de crianças com paralisia cerebral e que foram abandonadas pelas famílias. Ali, pôde confirmar os benefícios nos aspectos físico, cognitivo, emocional e social do emprego de animais como co-terapeutas nos tratamentos psíquicos e fisioterápicos desses pacientes com necessidades especiais.

Ela lembrou que, após a implantação da TAA, a maioria dos pacientes passou a aceitar de forma mais agradável as intervenções, a terapia ocupacional, a enfermagem e os cuidados diários como higiene e alimentação. "Isso tornou as relações mais produtivas. Além disso, observamos o vínculo mais prazeroso entre terapeutas e pacientes."
Ela fez questão de ressaltar que esse método não substitui a terapia convencional, como a fisioterapia, a terapia ocupacional, a psiquiatria ou a psicologia, etc., mas abre a possibilidade de aplicar exercícios e funções muitas vezes impossíveis de ser realizados com elas.

Karen foi questionada sobre a possibilidade do emprego de animais também com pessoas que não podem enxergar - somando-se ao trabalho dos cães-guias, já amplamente utilizado. "É possível", disse. "O fato de não enxergar pode tornar a aproximação mais amorosa, onde vários aspectos podem ser trabalhados como a textura do pêlo, o contato etc." Quem participou de mais essa iniciativa de Paulinas e a escritora pôde conhecer também o pequeno Tomy, um cachorrinho adestrado, que tem apenas três patas, ressaltando, assim, a questão da deficiência, da incapacidade e da desvantagem social.

Sala de imprensa
Editora Paulinas
Malu Delmira e J. Fátima Gonçalves
5081-9333 - 7203-8595
imprensa@paulinas.org.br



Fonte: Paulinas
Postado por: Administrador

Galeria de Imagens





Compartilhe este conteúdo:



Veja Também

Consciência negra se constrói com histórias e representatividade
No mês da consciência negra, a Paulinas apresenta uma série de livros inspirados e contatos do ponto de vista da África e dos africanos, contribuindo com a representatividade e com a auto-estima de afrodescendentes.

Burnout
A síndrome de 'Burnout' descreve o estado de exaustão intensa e prolongada da pessoa em relação ao seu trabalho. Entre eles, tem chamado atenção, pela sua frequência e gravidade, o complexo de desgosto, cansaço e desencanto que afeta muitos profissionais.

"Violência doméstica e familiar contra a mulher" - Um problema de toda a sociedade
Os artigos foram escritos por especialistas de diversas áreas que, a partir de sua experiência , buscam informar e orientar sobre como reconhecer um caso de violência doméstica e o que fazer.

O perfume da esperança
A obra narra a emocionante história de Paolo, um brasileiro adotado por uma família italiana, na busca por suas raízes.

Confessar... O quê? Por quê? Como?
Novo livro de padre Cleiton Viana convida você a refletir e compreender o sacramento da confissão.

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final
Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados