BUSCA

Ética e religião: o dilema em nome da vida

Data de publicação: 08/05/2006

imprimir

Trailer



São Paulo, 08 de maio de 2006

Antes de nos precipitarmos a emitir juízos morais facilmente causadores de polêmica, temos o grande desafio de enfrentar, com visão elevada, sem covardias nem complexos, os temas candentes que surgem no início deste novo milênio.

Bioética e pastoral da saúde é um livro que convida à reflexão sobre ambos os temas. O prólogo de Manuel de los Reyes López, presidente de Associação Espanhola de Bioética, já adverte o leitor sobre essa qualidade. Por trás das considerações genéricas, tanto sobre a bioética como sobre a pastoral da saúde, esconde-se a complexidade dos problemas morais vindos à tona com o desenvolvimento dos conhecimentos biológicos, bem assim como dos problemas pastorais colocados pelo enquadramento atual da questão da saúde neste início de milênio.

Transformações profundas nessas duas áreas de conhecimento científico e de atividade cristã colocam interrogações para as quais não dispomos de soluções verdadeiramente satisfatórias hoje.

Para o autor, com conhecimentos teológicos suficientes, de modo particular em teologia moral, e com ampla experiência nos campos da pastoral da saúde  e juvenil, entre outros, o importante é ter presente essa complexidade. Pelos próprios fundamentos antropológicos, a ética precisa aceitar a diversificação imposta pelo pluralismo cultural sem que os cristãos percam a consciência dos imperativos evangélicos que constituem a riqueza de sua tradição.

Deve-se fugir à abordagem direta dos problemas, no fundo periféricos, colocados pela bioética, e começar por considerar a problemática central da ética em nossos dias, a concepção mesma da moral. E fugir das pretensões de pensamento único ou de moral única, visões pouco realistas que, levadas a um extremo mais passional do que racional, poderiam até ser irresponsáveis, dando origem, com freqüência, a tensões desagregadoras nos cidadãos, crentes ou não.

É preciso ir à busca de seus fundamentos e considerá-la na sua relação determinante com a religião. Só então se pode traçar o perfil do que se considera a bioética moderna, também exposta a partir de suas origens históricas, antes de encarar sua problemática contemporânea. Passa-se então ao estudo da evolução tanto do conceito de saúde e como da concepção relativamente recente do que se entende por pastoral, aprofundando assim os objetivos do cuidado com os doentes, em face do sofrimento e da dor. Rica em dados e informações, a obra convida a ter sempre em mente a complexidade dos problemas morais e pastorais que hoje se colocam para o cristão na área da saúde.

Título: Bioética e pastoral da saúde
Autor: Francisco J. Alarcos Martínez
Coleção: Iniciação teológica
Formato: 13,5 x 20,0 cm
Código: 50857-8
ISBN: 85-356-1656-X

Sala de Imprensa
Paulinas Editora
Malu Delmira
J. Fátima Gonçalves
imprensa@paulinas.com.br


Fonte: Paulinas
Postado por: Administrador

Galeria de Imagens





Compartilhe este conteúdo:



Veja Também

Um novo olhar sobre fariseus, escribas e saduceus
O especialista em história antiga e estudos bíblicos professor Anthony J. Saldarini se lançou ao desafio de contribuir para uma compreensão mais abrangente desses três partidos religiosos, em relação ao seu contexto e significado.

Mídias digitais e inclusão social - o debate é agora!
Diante das novas mídias digitais, como colocar em prática projetos de inclusão social? André Barbosa Filho, Cosette Castro e Takashi Tome oferecem subsídios para a discussão desta e de outras grandes questões que estão na pauta do Governo hoje.

Ambiente: por mudanças urgentes!
As grandes mudanças tão necessárias ao País, incluindo uma radical em nossas políticas públicas, só terão início com o despertar da consciência dos brasileiros a respeito de si mesmos e de sua importância para o tecido social.

O desafio de ser um para o outro
Em mais esta obra filosófico-teológica, Bruno Forte, um dos mais vigorosos teólogos italianos da atualidade, defende que a ética não pode existir sem transcendência, sem um "ir para o outro" desprovido de interesses, com a única finalidade de acolhê-lo na

Luz para quem não pode ouvir
No relacionamento com as pessoas que não conseguem ouvir "deve-se ultrapassar a retórica discursiva, que vem a ser bela e apelativa às emoções, mas que é exclusiva na medida em que nega a diferença e suas demandas", defende a autora, mãe de uma criança su

Início Anterior 162 163 164 165 166 167 168 169 170 171 172 173 174 175 176 Próximo Final
Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados