BUSCA

Brasil perde o sanfoneiro Mario Zan, um brasileiro de coração!

Data de publicação: 09/11/2006

imprimir

Trailer



"Acordeonista mais sentimental do mundo", Zan incorporou como ninguém o espírito do homem simples do interior.

Sempre bem-humorado, ele passou a vida dizendo que largaria o cigarro. Compositor e um dos sanfoneiros mais importantes do Brasil, com mais de mil músicas gravadas, Mario Giovanni Zandomeneghi morreu na quarta-feira (8), vítima  de uma parada cardíaca. Tocava apaixonadamente desde os dez anos de idade. Sua paixão lhe rendeu títulos internacionais, como o de "Acordeonista mais sentimental do mundo", que recebeu na Alemanha.

Nascido na Itália, Zan veio com quatro anos para o Brasil. Apaixonou-se pela música que rolava nos bailes sertanejos da cidade de Catanduva, SP, sua primeira parada em solos nacionais. Não deu outra: incorporou completamente a cultura brasileira à sua maneira de compor. Seus CDs gravados por Paulinas-COMEP (Festas Juninas e o instrumental Tradição Brasileira - O Melhor de Mario Zan) revelam bem o seu estilo.

"Perdemos um brasileiro de coração, um amigo, que vai ser lembrado sempre como o grande representante original de nossa cultura, de nossas raízes, de nossa música regional", destaca Irmã Maria Luiza Ricciardi, produtora musical da gravadora Paulinas-COMEP. Segundo ela, Zan foi sempre muito ligado à gravadora, encaminhando artistas, abrindo portas na mídia para divulgação dos produtos e participando em gravações de outros artistas.

A diretora comercial de Paulinas Editora, Terezinha Dambros, complementa: "Algumas das canções de Mario Zan marcaram nossas festas juninas, como "Festa na roça". Ele tinha toda a sensibilidade em captar, de uma forma bem-humorada, o espírito do homem do interior. "Chalana" e "Festa pantaneira", por exemplo, são músicas eternas. Aliás, Mario Zan será eterno."

Tanto patriotismo lhe rendeu várias homenagens do Brasil, especialmente de São Paulo, cidade onde passou a viver a partir dos 13 anos de idade e que foi tema de grandes composições. Muitas das músicas de seu vasto repertório foram escolhidas por grandes intérpretes como Almir Sater, Sérgio Reis e Roberto Carlos.

Portanto, não é por menos que algumas de suas músicas já tiveram mais de 40 regravações, inclusive internacionais. Duas delas foram temas de novelas marcantes da TV: em Pecado Capital, "Os homens não devem chorar" (Nova flor) e Pantanal (Chalana).

Seu primeiro trabalho por Paulinas, o CD Tradição Brasileira - O Melhor de Mario Zan, rendeu homenagem a seus países queridos: Espanha, Itália e Alemanha e compôs "Mario Zan em Madri", "Fritz na gafieira", "Dançando a tarantela" e "La spagnola".

Mas para o Brasil reservou a maior parte do seu talento: colocou um pedacinho de chão de cada lugar de "seu país do coração" em músicas como "Arroz carreteiro" e a composição "Sou gaúcho", que tem estampado o vigor dos pampas; "Só para você" e "Sentimental", um romance ao gosto de antigamente. O jeito da roça, da alegria e do sentimento puro, está nas famosas músicas "Chalana", "Festa na Roça" e "Festa pantaneira".

"Quarto Centenário", a homenagem que fez à cidade de São Paulo, abre o CD e tornou-se o hino da capital paulista. Composta em 1954, o trabalho vendeu dez milhões de cópias em discos 78 rotações.

Gravadora: Paulinas-Comep

Divulgação: Léo: 11-5081-9333 - divulgacao@paulinas.com.br


Fonte: Paulinas
Postado por: Administrador



Compartilhe este conteúdo:



Veja Também

Ítalo Villar: o sonho de Deus e nosso!
Com parcerias importantes, Ítalo Villar, depois de muito sonhar, apresenta segundo CD solo, mais profundo, intimista.

Entrega, disponibilidade, obediência... Sacerdote para sempre!
Pe. Joãozinho, scj, traduz nas canções do novo CD Ecce Venio - Sacerdote para sempre, todo entusiasmo e gratidão pelos 15 de anos de sacerdócio e canta a alegria da vocação religiosa e sacerdotal.

Quatro, cinco, Jazz Seis...
Único sexteto com cinco integrantes, Jazz 6 reúne quatro músicos profissionais. Quatro, sim, porque o quinto é um daqueles artistas que podemos chamar de completos. Luis Fernando Veríssimo dispensa apresentações.

Pe. Fábio de Melo: mais perto do povo, mais perto de Deus
Sempre haverá formas de tocar o coração desse povo brasileiro que, tão sofrido, não se cansa de buscar a felicidade. A música é uma delas... De novo, Padre Fábio resgata nossas raízes caipiras...

Melhores momentos de Pe. Fábio de Melo
Perto de completar doze anos de carreira, cantor lança coletânea Grandes momentos, por Paulinas-Comep

Início Anterior 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 Próximo Final
Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados