BUSCA

Brasil perde o sanfoneiro Mario Zan, um brasileiro de coração!

Data de publicação: 09/11/2006

imprimir

Trailer



"Acordeonista mais sentimental do mundo", Zan incorporou como ninguém o espírito do homem simples do interior.

Sempre bem-humorado, ele passou a vida dizendo que largaria o cigarro. Compositor e um dos sanfoneiros mais importantes do Brasil, com mais de mil músicas gravadas, Mario Giovanni Zandomeneghi morreu na quarta-feira (8), vítima  de uma parada cardíaca. Tocava apaixonadamente desde os dez anos de idade. Sua paixão lhe rendeu títulos internacionais, como o de "Acordeonista mais sentimental do mundo", que recebeu na Alemanha.

Nascido na Itália, Zan veio com quatro anos para o Brasil. Apaixonou-se pela música que rolava nos bailes sertanejos da cidade de Catanduva, SP, sua primeira parada em solos nacionais. Não deu outra: incorporou completamente a cultura brasileira à sua maneira de compor. Seus CDs gravados por Paulinas-COMEP (Festas Juninas e o instrumental Tradição Brasileira - O Melhor de Mario Zan) revelam bem o seu estilo.

"Perdemos um brasileiro de coração, um amigo, que vai ser lembrado sempre como o grande representante original de nossa cultura, de nossas raízes, de nossa música regional", destaca Irmã Maria Luiza Ricciardi, produtora musical da gravadora Paulinas-COMEP. Segundo ela, Zan foi sempre muito ligado à gravadora, encaminhando artistas, abrindo portas na mídia para divulgação dos produtos e participando em gravações de outros artistas.

A diretora comercial de Paulinas Editora, Terezinha Dambros, complementa: "Algumas das canções de Mario Zan marcaram nossas festas juninas, como "Festa na roça". Ele tinha toda a sensibilidade em captar, de uma forma bem-humorada, o espírito do homem do interior. "Chalana" e "Festa pantaneira", por exemplo, são músicas eternas. Aliás, Mario Zan será eterno."

Tanto patriotismo lhe rendeu várias homenagens do Brasil, especialmente de São Paulo, cidade onde passou a viver a partir dos 13 anos de idade e que foi tema de grandes composições. Muitas das músicas de seu vasto repertório foram escolhidas por grandes intérpretes como Almir Sater, Sérgio Reis e Roberto Carlos.

Portanto, não é por menos que algumas de suas músicas já tiveram mais de 40 regravações, inclusive internacionais. Duas delas foram temas de novelas marcantes da TV: em Pecado Capital, "Os homens não devem chorar" (Nova flor) e Pantanal (Chalana).

Seu primeiro trabalho por Paulinas, o CD Tradição Brasileira - O Melhor de Mario Zan, rendeu homenagem a seus países queridos: Espanha, Itália e Alemanha e compôs "Mario Zan em Madri", "Fritz na gafieira", "Dançando a tarantela" e "La spagnola".

Mas para o Brasil reservou a maior parte do seu talento: colocou um pedacinho de chão de cada lugar de "seu país do coração" em músicas como "Arroz carreteiro" e a composição "Sou gaúcho", que tem estampado o vigor dos pampas; "Só para você" e "Sentimental", um romance ao gosto de antigamente. O jeito da roça, da alegria e do sentimento puro, está nas famosas músicas "Chalana", "Festa na Roça" e "Festa pantaneira".

"Quarto Centenário", a homenagem que fez à cidade de São Paulo, abre o CD e tornou-se o hino da capital paulista. Composta em 1954, o trabalho vendeu dez milhões de cópias em discos 78 rotações.

Gravadora: Paulinas-Comep

Divulgação: Léo: 11-5081-9333 - divulgacao@paulinas.com.br


Fonte: Paulinas
Postado por: Administrador



Compartilhe este conteúdo:



Veja Também

Fogueira, paçoca e broa de milho: a Festança no Arraiá continua!
Sucesso em vendas, o CD "Festança no Arraiá" ganha continuidade e o número 2 acaba de chegar às lojas com mais músicas que contemplam a rica pluralidade das festas juninas em nosso território. A proposta do músico, compositor e acordeonista João Collares

Mais música para receber Bento XVI
Paulinas lança CD para comemorar a visita do Papa, em maio.

Walmir Alencar recebe Disco de Ouro na Cristoteca
Durante mais um lançamento, cantor é surpreendido com a homenagem pelas vendas do CD solo "Misericórdia Infinita".

O amor como linguagem única, universal
Novo CD de Walmir Alencar parte para uma proximidade maior com outras denominações religiosas, pois "maior do que aquilo que nos separa é o que nos une".

Música católica perde Robson Jr., do Grupo Cantores de Deus
Cantor e compositor, de 28 anos, morreu no último dia 15, vítima de câncer.

Início Anterior 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 Próximo Final
Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados