BUSCA

A morte como condição de vida

Data de publicação: 16/10/2006

imprimir

Trailer



Porque a vida não só não resiste à morte como se nutre dela. O morrer é condição do viver.

Segundo um importante filósofo moderno, há três perguntas fundamentais às quais todo ser humano deveria responder para saber quem é, perguntas que lhe dizem respeito pessoalmente e que, portanto, são inevitáveis: O que posso conhecer? O que devo fazer? O que me é permitido esperar?

Para ajudar-nos a responder à terceira pergunta, o teólogo Martín Gelabert Ballester escreveu A nossa ressurreição. Nossa condição de seres mortais, no seio de uma cultura que dá cada vez mais consistência à idéia de reencarnação, o levou a dedicar-se à reflexão sobre a ressurreição. Seu livro é uma exposição do dogma cristão a respeito da ressurreição, como realização da esperança cristã, com base na antropologia tradicional, mas aberta aos questionamentos atuais, cada vez mais abrangentes.

Em seu nível mais radical, o questionamento sobre o que é permitido esperar encontra-se necessariamente com a morte. É aí que a resposta cristã mostra toda a sua originalidade. Em outras questões, talvez haja uma fortuita coincidência entre cristãos e não cristãos, mas quando se trata de confrontar com a morte os caminhos divergem.

Para o autor, perguntar o que podemos esperar equivale a questionar sobre o sentido da vida, sobre o que nos faz viver, no emociona e nos dá coragem. Sentido é aquilo que enche o coração humano e dá as razões para o viver. O sentido não brota da própria existência, não é uma invenção ou projeção - é algo diferente que vem do exterior e responde às mais profundas expectativas humanas.

Para os cristãos remete-nos ao que é próprio e original do cristianismo: a ressurreição de Jesus, o primeiro de uma longa lista de irmãos. E, nesse ponto, falar da ressurreição de Jesus significa falar da nossa ressurreição, do nosso futuro, do nosso destino final, da vida eterna que nos espera.

Com base na ambigüidade da morte, questão sempre presente na vida humana, o autor traça o perfil da posição cristã em face da morte e da vida eterna, mostrando até que ponto o ensinamento da fé corresponde ao que há de mais elevado e de mais profundo nas muitas vezes contraditórias expectativas da humanidade.

A bibliografia, como toda a obra, aliás, volta-se para o cristão comum que deseja aprofundar os temas de primeira importância sobre os quais se apóia a obra, por isso mesmo um instrumento valioso na catequese com adultos.

Título: A nossa ressurreição
Autor: Martín Gelabert Ballester
Editora: Paulinas
Coleção: Adultos em Cristo
Formato: 14 x 21
Páginas: 80
Preço: R$ 11,30
Código: 51012-2
ISBN: 85-356-1802-3

Sala de Imprensa
Paulinas Editora
Malu Delmira, Ir. Sofia, fsp e J. Fátima Gonçalves
www.paulinas.org.br/sala_imprensa
imprensa@paulinas.com.br


Fonte: Paulinas
Postado por: Administrador



Compartilhe este conteúdo:



Veja Também

O rádio como apoio ao anúncio da Palavra
Este livro é um subsídio destinado a quem faz programas religiosos no rádio e deseja contribuir para que seus ouvintes conheçam melhor a Palavra de Deus.

A questão ambiental lado a lado com o progresso
O livro "A consciência ecológica na administração" se propõe a contribuir com empresas, poder público e todos os que se interessam pela preservação do meio ambiente, sem a necessidade de abrir mão do progresso.

Ver o mundo como uma gostosa brincadeira
Em "Badulaques e Traquitanas", a construção sutil de palavras e frases, em perfeita consonância e interatividade com as ilustrações do autor, permite ao jovem leitor a exploração de múltiplos significados.

A deficiência no cotidiano das crianças
Assim como entre várias espécies de flores ou de animais é possível observar características tão diferentes, também entre os seres humanos os traços étnicos ou biológicos identificam visualmente o quanto cada pessoa é única e especial - ou melhor, excepci

Até que a crise nos separe
Diante de tantas crises e da desilusão que parecem atingir tantos casais, ficam no ar as perguntas: O que aconteceu? Onde e quem cometeu o erro que destruiu os sonhos de um amor eterno? Muitas vezes, leva-se adiante uma relação por comodismo, hábito...

Início Anterior 167 168 169 170 171 172 173 174 175 176
Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados