BUSCA

Ser criança é um estado de espírito e também de inteligência.

Data de publicação: 26/12/2005

imprimir

Trailer



São Paulo, 26 de dezembro de 2005

"Fruta-pão" traz nas entrelinhas analogias geniais sobre o tempo, o universo, a natureza e o homem.

 Com mais de 40 livros publicados, tendo recebido vários prêmios no Brasil e no exterior, Cláudio Martins provoca e desafia seus leitores ao apresentar, por meio de suas obras, formas alternativas de ser e de viver na sociedade contemporânea.
      Em Fruta-pão, lançamento Paulinas Editora, como um pensador muito original ou como uma criança inconformada com as resposta prontas e óbvias da maioria dos adultos, "inocentes-úteis", o autor mescla linguagem poética, narrativa mítica, metalinguagem, humor e conceitos ideológicos perniciosos incorporados pela sociedade, para mostrar que é possível sim construir uma realidade diferente e bem mais justa tanto do ponto de vista social quanto da perspectiva ecológica. É como se Martins dissesse a seu leitor: "É preciso reinventar o ser humano e a sua organização social".
      Fruta-pão é uma grande metáfora desde o título, passando pelas ilustrações até a narrativa propriamente dita. Se separarmos o substantivo composto, "fruta-pão", que é o título do livro, bastante sugestivo, o termo "fruta" remete à idéia de dádiva da natureza, já a palavra "pão", indica que esta natureza, tão dadivosa, deveria beneficiar igualmente a todas as pessoas. O título alude, dessa forma, à idéia de "mãe-terra", "mãe-natureza".
      Segundo o autor, é comovente olhar para as sociedades primitivas, para a organização social dos habitantes originais do Brasil, os índios, que eram cerca de cinco milhões, antes de 1500, e pensar que nestas sociedades tudo era pautado pela igualdade entre as pessoas e pelo respeito à mãe-natureza. "Nessas sociedades", lembra o autor, "não havia armazenamento, nem frigorífico; não havia estoque regulador para regular o preço para cima; não havia pobreza, por que não havia riqueza individual; o bem era coletivo".
      Neste livro, o leitor fluente vai perceber nas entrelinhas analogias geniais sobre o tempo, o universo, a natureza e o homem. Nas páginas 18 e 19, a árvore de "fruta-pão" é retratada numa figura que remete ao mapa-múndi; por representar a própria natureza, alguns personagens do livro não conseguirão jamais medi-la: "Aí o japonês disse que ela era maior que o céu, porque nascia no chão e espichava-se... até depois do infinito". Quando resolveram acabar com a árvore de fruta-pão, "o prefeito, o juiz, o delegado, o general, etc. e tal", isto é, todos que representam o poder, tiveram uma grande surpresa...

Livro: Fruta-Pão
Autor e ilustrador: Cláudio Martins
Coleção: Estrela
Páginas: 32
Preço: R$ 19,50

Paulinas Editora
Departamento de Comunicação
Malu Delmira e J. Fátima Gonçalves
imprensa@paulinas.com.br
Tel: (11) 5081-9333 / 7203-8595


Fonte: Paulinas
Postado por: Administrador

Galeria de Imagens





Compartilhe este conteúdo:



Veja Também

Francisco – O caminho das flores
“Francisco – O caminho das flores” conta a história do santo dos pobres e padroeiro dos animais com ilustrações de traços suaves e cores vivas

Era uma vez dentro de nós
“Era uma vez dentro de nós” apresenta conteúdo útil e diferenciado para líderes e empreendedores

Amores que deram certo
Um dos sacerdotes mais renomados do país, padre José Fernandes de Oliveira, conhecido como Pe. Zezinho, scj, lança mais um livro pela Paulinas Editora.

Reconto que passa
“Reconto que passa” é o novo livro de Salizete Freire Soares publicado por Paulinas Editora

O canteiro do Pentateuco
Doutor belga Jean-Louis Ska lança livro sobre Pentateuco, os cinco primeiros livros da Bíblia.

Início Anterior 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 Próximo Final
Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados