BUSCA

A pedra do conhecimento

Data de publicação: 20/04/2011

imprimir

Trailer



Mariana gostava de brincar com a Zeca, mas sempre que voltava, as perguntas vinham junto: por que a casa dela não tem assoalho? Por que ela anda de pés no chão? Ela mesma concluía: Não é justo!

Difícil para qualquer adulto enfrentar as perguntas de crianças. Por quê isso? Por quê aquilo? Por quê? Por quê?... Com Mariana, a menina descrita por Sergio Napp na obra A pedra do conhecimento, não era diferente. Perspicaz, ela vivia intensamente sua infância no campo ao lado de Bolacha, um cachorro que ganhara do pai quando tinha três anos e se tornara seu fiel companheiro nas brincadeiras e achados.

Sua capacidade de observação e seu senso de justiça se anunciaram desde que nascera, na voz da negra Eufrásia. Tudo podia ser motivo para uma pergunta, geralmente, perguntas esquisitas, difíceis de serem respondidas, até impertinentes, de deixar qualquer adulto sem jeito. Para ela, as coisas se dividiam em serem justas ou não. Simples assim.

Provocante, Napp contou com a força e a pureza da criança para falar do desejo de querer transformar um mundo de riquezas mal divididas. Usou, para isso, as questões de sempre e sem respostas, que estimulam debates. O mundo cheio de interrogações da pequena Mariana ficou ainda mais iluminado com a varinha de condão de Anelise Zimmermann. Professora, ela pintou e bordou o universo que Napp inventou. “Parece que borrifou cada página com o arco íris.”

Título: A pedra do conhecimento
Autor: Sergio Napp
Ilustradora: Anelise Zimmermann
Editora: Paulinas
Coleção: Espaço Aberto
Formato: 23,0 x 23,0
40 págs.
Cód.: 517232
ISBN: 9788535626469
Preço: R$ 25,80

Sala de Imprensa
Joana Fátima, Paula Oliveira e Roberta Molina
www.paulinas.org.br/sala_imprensa
saladeimprensa@paulinas.com.br


Fonte: Paulinas
Postado por: Administrador

Galeria de Imagens





Compartilhe este conteúdo:



Veja Também

O be-a-bá da vida
Nunca a comunicação foi tão essencial para o homem. Mas, por mais estranho que pareça, nunca as famílias se comunicaram tão pouco. As conversas se tornaram cada vez mais raras. Nas grandes cidades, meninos e meninas passam longas horas sozinhas diante da

Essa coisa chamada fofoca
Você fala demais? Cuidado! As duas personagens de "Bico Calado, assunto encerrado!" pagaram caro por isso e agora têm de ficar caladas, bem quietinhas, uma olhando para a cara da outra. Usando animais com características humanas, Hugo Ribeiro de Almeida c

A felicidade tem nome
O tema da adoção é tratado de forma poética, oferecendo-nos a chance de vivenciar sentimentos e emoções que envolvem a maternidade e o reconhecimento filial mesmo quando estes não surgem da maneira convencional, mas que se traduzem na expressão do amor pu

Melhorar o ensino depende de paixão por educar
Como queremos melhorar o ensino se insistimos em métodos, linguagens, formas e conteúdos ultrapassados? É triste escutar frases como: "deixe que passe, os professores da série seguinte vão consertar". Como educadores na sala de aula, os autores quiseram s

Nosso Brasil na boca do mundo
Brasil com "z" é um país carregado de influências estrangeiras, sobretudo norte-americanas, que escondem o que há de mais autêntico em nossa terra. Uma viagem poética resgata algumas das melhores coisas de nosso País, nem sempre valorizado, preocupados qu

Início Anterior 155 156 157 158 159 160 161 162 163 164 165 166 167 168 169 170 171 172 173 Próximo Final
Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados