BUSCA

A pedra do conhecimento

Data de publicação: 20/04/2011

imprimir

Trailer



Mariana gostava de brincar com a Zeca, mas sempre que voltava, as perguntas vinham junto: por que a casa dela não tem assoalho? Por que ela anda de pés no chão? Ela mesma concluía: Não é justo!

Difícil para qualquer adulto enfrentar as perguntas de crianças. Por quê isso? Por quê aquilo? Por quê? Por quê?... Com Mariana, a menina descrita por Sergio Napp na obra A pedra do conhecimento, não era diferente. Perspicaz, ela vivia intensamente sua infância no campo ao lado de Bolacha, um cachorro que ganhara do pai quando tinha três anos e se tornara seu fiel companheiro nas brincadeiras e achados.

Sua capacidade de observação e seu senso de justiça se anunciaram desde que nascera, na voz da negra Eufrásia. Tudo podia ser motivo para uma pergunta, geralmente, perguntas esquisitas, difíceis de serem respondidas, até impertinentes, de deixar qualquer adulto sem jeito. Para ela, as coisas se dividiam em serem justas ou não. Simples assim.

Provocante, Napp contou com a força e a pureza da criança para falar do desejo de querer transformar um mundo de riquezas mal divididas. Usou, para isso, as questões de sempre e sem respostas, que estimulam debates. O mundo cheio de interrogações da pequena Mariana ficou ainda mais iluminado com a varinha de condão de Anelise Zimmermann. Professora, ela pintou e bordou o universo que Napp inventou. “Parece que borrifou cada página com o arco íris.”

Título: A pedra do conhecimento
Autor: Sergio Napp
Ilustradora: Anelise Zimmermann
Editora: Paulinas
Coleção: Espaço Aberto
Formato: 23,0 x 23,0
40 págs.
Cód.: 517232
ISBN: 9788535626469
Preço: R$ 25,80

Sala de Imprensa
Joana Fátima, Paula Oliveira e Roberta Molina
www.paulinas.org.br/sala_imprensa
saladeimprensa@paulinas.com.br


Fonte: Paulinas
Postado por: Administrador

Galeria de Imagens





Compartilhe este conteúdo:



Veja Também

A magia de aprender ensinando
Quem, quando criança, nunca brincou de escolinha, de ensinar? Quantos desses professores mirins não estão hoje nas salas de aula, ensinando francês, português e tantas outras matérias? Pois esta história divertida é para as professoras-crianças e as crian

As religiões como reflexo de uma sociedade em mutação
Sempre se pensa em religião como algo perene, ligado às tradições mais antigas e dono de uma verdade ancestral que não pode ser modificada ou colocada em xeque. Qualquer inovação ou surgimento de uma nova religião levanta logo suspeita de que se trata de

Ferdinanda não desiste e está de volta!
A bruxa não se conforma com o fato de ter sido trocada por anjinhos, riachos e flores. E decide fazer uma segunda visita à casa de uma escritora de livros infantis. Insiste que as crianças não gostam disso e estão reclamando again. Desta vez, ela, recém-c

Um silêncio pesado e desconcertante
"Além da espada e da fome, existe uma tragédia maior, aquela do silêncio de Deus, que não se revela mais e parece estar fechado em seu céu, como que desgostoso do agir da humanidade...". Estas palavras de João Paulo II serviram de inspiração para este liv

O desafio de lidar com as diferenças em sala de aula
Virou chavão falar que "todos somos iguais". Somos mesmo? As diversidades existem e não são males: o aluno desatento, o mais assíduo, o carente por afeto... Diferenças causam grandes problemas sociais: a escola não foge ao modelo social, e nela, velada ou

Início Anterior 157 158 159 160 161 162 163 164 165 166 167 168 169 170 171 172 173 174 175 Próximo Final
Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados