BUSCA

Uma teologia com o tempero de nossas tradições

Data de publicação: 10/08/2009

imprimir

Trailer



Embora perseguidas e condenadas, as culturas negras e índias, sempre resistiram e se fortaleceram através de seus costumes ancestrais e, principalmente, de seus ritos e celebrações festivas.

Para muitos, a abertura ao diferente e a capacidade de unir elementos espirituais tão distintos seriam uma forma de testemunhar que Deus é maior do que as instituições e que, se o Espírito é Amor, não pode excluir ninguém. Nessa premissa, está a defesa do monge beneditino Dom Marcelo Barros: uma Igreja aberta ao diferente, pluralista. Sua obra O sabor da festa que renasce - Para uma Teologia Afro-latíndia da Libertação, ora editado por Paulinas, revela uma Igreja que deseja aprender da herança espiritual das religiões afro-brasileiras e auscultar a espiritualidade do próprio sincretismo.

Banhada numa confissão de vida e num testemunho fraterno, a obra de Dom Marcelo provoca a uma mudança do lugar teológico, que inclua a possibilidade de fazer teologia a partir do terreiro e, assim, repensar o conceito de Deus e de revelação com a ajuda das culturas afro. Um clima de mutirão tece a trama toda, que nunca perde o referencial cristão, mas não teme aproximar Jesus de Nazaré de um Orixá da compaixão, nem inserir um capítulo orante que nos ensina a criar uma cristologia afro-ameríndia que termine em doxologia. Para Dom Marcelo, nenhum assunto é tabu, nenhuma questão deve ser escamoteada, mesmo que, por enquanto, a teologia tenha de balbuciar um “ainda não sei a resposta”.

O autor quer ser partícipe de uma imensa tarefa que já viceja entre nós: a construção de teologias afro-latíndias que transformem em reflexão crítica o atual redespertar da África na América. Para tanto, não camufla os desafios que esta Teologia Afro-latíndia impõe ao Cristianismo: redescobrir uma universalidade que não se reduza à meta de exportação; amar a verdade e segui-la, mas não como quem ousa possuí-la; inserir-se na realidade local, mas superar o provincianismo cultural; aprender a detestar o sacrifício e a exercer a misericórdia. Esses desafios atingem os que almejam participar da construção de uma Comunidade eclesial cujo serviço é formar uma cultura de paz.


Título: O sabor da festa que renasce - Para uma Teologia Afro-latíndia da Libertação
Autor: Marcelo Barros
Coleção: Questões em debate
Editora: Paulinas
Formato: 13,5 x 20,0
Páginas: 192
Preço: R$ 21,90
Código: 515493
ISBN: 9788535624595
 

Sala de Imprensa
Paulinas Editora
Joana Fátima, Taís González e Roberta Molina
www.paulinas.org.br/sala_imprensa
imprensa@paulinas.com.br


Fonte: Paulinas
Postado por: Administrador

Galeria de Imagens





Compartilhe este conteúdo:



Veja Também

Morre, vítima da Covid-19, o escritor indígena Ely Macuxi
Faleceu o escritor Ely Macuxi, defensor da educação indígena de qualidade e autor de Paulinas

Divina vontade: lançamento de Pe. Agnaldo José para iniciar 2021 nos desígnios do Pai
Com lançamento marcado para o dia 28/01 e clipe em 04/02, a canção foi inspirada em trechos bíblicos e na vida da Serva de Deus Luisa Piccarreta e teve participação do Ministério Excelsis.

Prepare-se para o novo tempo: Papa confirma o papel da mulher na Igreja oficializando o acesso das mulheres leigas ao serviço da Palavra e do altar.
O Papa oficializou o acesso de mulheres leigas ao serviço da Palavra e do Altar.

Vítima de feminicídio, a mártir Irmã Lindalva foi a primeira mulher brasileira a ser beatificada
Lindalva Justo de Oliveira é considerada mártir pela Igreja e, por isso, foi a primeira mulher beatificada no Brasil. Sua história retrata a violência contra a mulher no Brasil.

Cuidas de mim: o nosso pedido para 2021 no novo single de Jô D'Melo
O cantor lança, neste começo de ano, o single e clipe da canção que expressa o clamor para que o Senhor ampare a humanidade em todas as circunstâncias atuais.

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final
Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados