BUSCA

A luta por um mundo mais inclusivo perde Dorina Nowill

Data de publicação: 30/08/2010

imprimir

Trailer



Foi com o apoio de Dorina que Paulinas saiu à frente na impressão de livros em braile no mercado editorial brasileiro.

Com 91 anos, Dorina de Gouvêa Nowill morreu na noite de ontem, domingo, 29, de falência múltipla de órgãos. Foi uma das mais ativas lutadoras pela inclusão do deficiente visual. Foi com ela que Paulinas saiu à frente do mercado editorial brasileiro e estreou a linha de livros em braile, em 2006. A obra Dorina viu, da escritora Cláudia Cotes, foi a primeira impressão em português e braile na mesma edição, o que permite às crianças cegas lerem sozinhas e, às que enxergam conhecer o sistema braile. Conta a história da menina Dorina, que um dia acordou e viu tudo escuro. Não demorou e percebeu que já não conseguia enxergar mais nada. No início ficou triste, mas descobriu que há outras formas de "ver", que a gente pode ver com outras partes do corpo também! Descobriu que é possível ler e sentir o mundo com os dedinhos...

O tempo passou, Dorina cresceu e se tornou professora. Diante da dificuldade de encontrar livros para deficientes visuais, criou em 1946, com a participação de outras normalistas, a Fundação para o Livro do Cego no Brasil, que mais tarde recebeu seu nome em reconhecimento à uma vida de dedicação à inclusão dos deficientes visuais. Produzindo livros em braille, divide com outras pessoas sua descoberta, seu amor à leitura e à vida. Aliás, Dorina foi a primeira aluna cega a frequentar um curso regular em São Paulo, numa escola comum. Trabalhou com organizações mundiais de cegos e órgãos da ONU, sempre representando oficialmente o Brasil, e presidiu o Conselho Mundial para o Bem Estar de Cegos, atual União Mundial de Cegos.

A escritora Cláudia Cotes conheceu Dorina e resolveu contar essa história cheia de vida e determinação de um jeito especial, com transcrição do texto e ilustrações para o braile, para que todas as crianças - que enxergam ou não - pudessem ler e comprovar que as diferenças podem conviver harmoniosamente. Dorina viu é um livro terno, sensível, uma lição de amor e solidariedade, uma ideia que Paulinas abraçou para estrear a coleção Fazendo a diferença, que tem por objetivo abordar a deficiência de forma positiva e lúdica, para uma educação inclusiva dos deficientes visuais na comunidade.


Sala de Imprensa
Paulinas Editora
Joana Fátima, Taís González e Roberta Molina
www.paulinas.org.br/sala_imprensa
imprensa@paulinas.com.br



Fonte: Paulinas
Postado por: Administrador



Compartilhe este conteúdo:



Veja Também

Irmãs Paulinas celebram o 11º Capítulo Geral
A Assembleia Geral que acontece a cada seis anos, se reunirá em setembro de 2019, na casa Divino Mestre, em Aricia, na Itália, e tem como tema: Levanta-te e coloca-te a caminho (Dt 10,11), confiando na promessa.

Prefeitura de Maringá (PR) homenageia Paulinas pelos 60 anos de presença na cidade
Em placa concedida no dia 15 de dezembro e assinada pelo prefeito Ulisses de Jesus Maia Kotsifas, Paulinas foi homenageada por sua “história contada em muitas páginas”.

Centro Social Irmã Tecla Merlo, a Tecla que conecta corações
Instituto mantido pelas Irmãs Paulinas oferece serviços de assistência social, atividades culturais, educacionais e esportivas.

Semana Santa na Paulinas
Aconteceu na última quarta-feira (28/3), na sede da Paulinas, em São Paulo, a celebração de adoração à cruz, um momento especial para fazermos memória do sacrifício de Jesus, que entregou sua vida na cruz para nos salvar.

Envio de Irmã Paulina à missão em Angola
No dia 06 de março de 2018, aconteceu na Igreja de Nossa Senhora da Boa Viagem em Belo Horizonte, no estado de Minas Gerais, a missa de envio da Irmã Elisabete Corazza, fsp, para missão em Luanda na Angola.

1 2 3 4 5 Próximo Final
Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados